21 junho 2017

desenvolvimento: quando Luquinha começou a escrever


Eu não sabia que crianças começavam a escrever antes de ler. Devia desconfiar, já que há algum tempo Lucas aprendeu a escrever seu nome na escola. De uns meses pra cá, nome e sobrenome. Mas o que eu não sabia mesmo é que as crianças podiam começar a escrever sozinhas. Sozinha, sozinha, nunca é. Porque nós sempre lemos histórias com ele do lado, brincamos de jogos que usam letras, a escola traz a familiarização com as letras desde cedo... tem tudo isso. Mas ninguém sentou e explicou o B-a-bá.

A escola deles não tem pressa (e é uma das coisas que eu mais amo nela). Em resumo, para eles, tudo tem seu tempo. E neste momento ainda é preciso ter calma. Luquinha está no Jardim III e ano que vem entra no primeiro ano, a antiga alfabetização - ou CA. Somente lá irá aprender a ler e escrever. Ainda assim, ainda que a escola não faça nada este ano - e reforce isso em toda oportunidade que encontra para controlar a ansiedade dos pais principalmente -, Luquinha essa semana me veio com uma pérola.

- Mamãe, Bumblebee se escreve B O B O B I? (quando ele fala o nome desse personagem do Transformers, fala, na verdade, bobobi)
- Filho, não é assim porque é uma palavra em inglês. Mas se fosse em português seria assim mesmo... Vem cá, você sabe também como se escreve babá?
- BBBBaaaaaabbbbbá.... BBBB.... Já sei... B... Bbbaaa.... A ... BBBB.... B... Bbbaaa.... A ... B A B A!
- Muito bemmmm, filho!!! E como se escreve... hum... deixa eu ver... pato?
- Paaatooo... Ppppaaaato... P A .... (pensou)... T O?
- Issoooo!! E como se escreve vaca?
- V A C A
- E sapo?
- S A P O
- E casa? Sala? Banana? Pateta?

Luquinha foi pensando, balbuciando e respondendo uma a uma. Depois pedi para não só falar, mas escrever. Foi escrevendo tudo, foi lindo.

Eu e Igor estávamos presentes e ficamos maravilhados. Compartilhamos com os avós e com os tios, e todos ficaram muito felizes, mandaram mensagens parabenizando! O dindo Rafa disse que a letra dele é parecida com a de arquiteto - e é mesmo rs - e a dinda Aline e dindo Luismar pediram que ele escrevesse seus nomes (ele escreveu A L I N I e L U I X M A R, como falamos rs).

Sei que é um grande passo. E sei que pode ser besteira pra muitas pessoas... Mas para mim foi muito especial! Eu amo ler, amo escrever! É lógico que eu sabia que isso aconteceria em algum momento, em algum momento próximo. Mas agora que está acontecendo, estou tão boba e orgulhosa, que resolvi compartilhar mesmo sabendo dos riscos que corro de parecer exibida ou algo parecido. Tudo que quero é expressar pro mundo inteiro o quão orgulhosa e feliz eu estou. <3 E que o Luquinha venha visitar esse espaço um dia para lembrar disso, porque eu já demonstrei e falei bastante para ele pessoalmente. kkk

13 junho 2017

Domingo no parque
































Certamente já publiquei algum post com esse título. É, no fim das contas, um dos programas preferidos das crianças - e meu também. Mas esse domingo foi ainda mais especial porque tivemos a chance de passar algumas horas com a dinda Camila. Temos muita sorte de tê-la aqui pertinho de nós agora. Esse amor que ela tem pelas crianças não tem preço <3 E, além disso, nós estávamos com saudade :p :)

10 junho 2017

daquelas lembranças... {Búzios}



















Quando era criança eu tinha meus lugares do coração. E são lugares do coração que ficaram até hoje: Santos e Paranaguá. Quase todas - se não todas, de fato -  as férias eu e meu irmão íamos para essas cidades, onde, na primeira ficávamos com minha madrinha, que é nossa tia, meu tio e minhas primas; e na segunda com meus avós maternos e tios e primos também. Não importa quantas vezes fôssemos, sempre queríamos mais. 

Esse lugar para o Luquinha é Búzios. Casa da vovó Helena, onde ele sente que a casa é dele também. Onde sempre foram feitas suas vontades gastronômicas, vídeo-game é permitido sem hora pra acabar, ele se esbalda de jogar bola no campo de futebol, de brincar no parquinho do condomínio e onde ele criou sua intimidade com o mar. 

Para mim, é lugar de descansar, não pensar em nada, não fazer nada (até porque minha mãe assume a cozinha e não deixa ninguém entrar, só o Igor rs). É lugar de recuperar as energias, mesmo quando a gente não sai de dentro de casa (o que acontece muitas vezes).

Minha mãe ama quando estamos eu, Rafa e nossos agregados todos. É como se tudo fosse como antes, quando vivíamos juntinhos. Eu sinto essa coisa boa também, por isso sempre que vou ligo pro Rafa pra saber se ele vai ou pode ir tb.

Temos até nossa rotina: praia, almoço, descansar, se arrumar, sair, parar na empanada, andar pela rua paralela à Rua das Pedras, às vezes comer um cuscus ou tomar um sorvete - tem vezes que arriscamos um crepe doce tb -, voltar pela Rua das Pedras e ir embora. rs 

Raramente mudamos o percurso. <3

Luquinha já tem uma história com a casa e com a cidade. Agora Lulu passa a ter também. =o)