11 outubro 2016

O problema de pensar com o coração...


Sou dessas pessoas que não conseguem tomar uma decisão de forma totalmente racional. Estou falando sobre sorvete.

Sim, porque quando a gente é mãe, lê e realmente dá atenção a esses textos sobre alimentos, nutrição, sobre o que pode dar câncer, o que prolonga a vida, o que encurta. E não é de hoje que chegam às minhas mãos textos sobre gordura hidrogenada. Sim, é uma das piores coisas que a gente pode fazer para nossa saúde. Mas você já tomou sorvete? Já mesmo? Será que é possível ser racional e abolir o sorvete para sempre da vida, em prol de mais anos com seus filhos e netos, e quem sabe até bisnetos...? 

A causa é nobre, mas a missão é quase impossível. Enquanto minha razão implora para eu deixar o sorvete de lado, meu coração chora cada vez que passo por uma gelateria. É quase tão forte quanto a paixão, sabe? Eu não consigo evitar. E não adianta me aparecer com um picolé de limão. Para começar, sorvete e picolé são coisas totalmente diferentes. E eu adoro picolé, até de limão. Mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Sorvete é gostoso quando vem com casquinha e com uma bola bem grande!! Nada de granulados, jujubas, sucrilhos, bolinhas disso e daquilo. Eu gosto mesmo dele puro, para ser saboreado sozinho. 

Abriu recentemente uma gelateria perto da minha casa. Ela é de um italiano e o gelato é feito a mão. Eles ainda têm uma cartela de fidelidade para fazer com que você tenha vontade de ir todo dia! Sim, eu sei, nada legal isso... O sorvete é uma delícia, embora eles não chamem de sorvete, mas sim de gelato. Essa foto aí em cima foi tirada lá! ;)

Enquanto eu tento segurar a minha onda de não ir todo dia, torço para que apareça uma daquelas pesquisas que desmistificam crenças antigas dizendo que gordura hidrogenada é a chia do momento. <3 


primavera, verão

A gente ama praia.
Mas a gente ama também Búzios. 
Ama muito, muito, muito. 
E ama mais ainda quando o calor começa a chegar. 
Contando as horas para o horário de verão. 
Contando as horas para os finais de semana de sol. 






10 outubro 2016

as coisas que a gente não consegue falar

Já comecei a escrever esse post mais de cinco vezes. Escrevo, escrevo, escrevo, apago. Não tenho muito o que dizer, meu peito está borbulhando. Borbulhando de ansiedade, de curiosidade, de saudade... Uma mistura de sentimentos. Minha licença-maternidade está chegando ao fim e deste período o que fica é muito, mas muito amor. Os últimos quatro anos, somados aos últimos cinco meses são, sem sombra nenhuma de dúvida, o melhor período da minha vida. Luquinha, Luiza e Igor são meu alicerce, minha força, minha fraqueza e detentores do melhor de mim. <3 Agora é hora de trabalhar!! E continuar curtindo cada segundo que terei daqui em diante com eles três. <3 <3 <3 

***

No mais, aos cinco meses... 

... e uma semana Lulu começou a sentar. E agora praticamente só quer ficar assim. rsrs Hoje, depois de começar a sentar há alguns dias, rolou pela primeira vez (e já algumas vezes).

... está comendo fruta todos os dias, ainda com muita dificuldade e dando bastante trabalho, mas raspando o prato quase 100% das vezes (deixando o coração da mãe aqui aliviado).

... é risonha demais.

... aprendeu a dormir direito com a ajuda do Nana Nenê (me julguem) e acorda duas vezes por noite para mamar. 

... ainda mama no peito e enquanto conseguirmos, ela continuará.

... já começou a entender que ela é um indivíduo independente de nós e chora quando nos vê saindo do seu campo de visão.