31 maio 2016

Ainda sobre o fim de semana {recebendo amigos em casa e celebrando um mês da Lulu}



Três coisas aconteceram neste fim de semana:
  • Luiza completou um mês (êêê lindona!!!! Deliciosa e cheirosa nossa princesa);
  • Terminei a quinta temporada de Downton Abbey e não estou conseguindo encontrar a sexta online (oh my God...);
  • Terminei de ler Como eu era antes de você (e chorei mais em alguns minutos do que a Luiza chorou em 30 dias).
Sofrências à parte, foi um fim de semana muito agitado e feliz por aqui! Fim de semana é maneira de falar, porque como teve feriado na quinta, a agitação começou lá mesmo. Recebemos a dinda Fê, da Lulu, com a Fiona, sua cachorrinha, além da tia Ana Clara e o Biel. Apesar de terem ficado bastante tempo, não foi o suficiente para colocarmos todo o papo em dia. Falei para elas, fiquei com vontade de quero mais. ;)

No mesmo dia, à tarde, recebemos a visita do dindo Gordo, da Lulu também. Veio falar com o Igor e aproveitou para dar um cheiro da Lulu e no Luquinha, que o adora!!!

Na sexta, Luquinha dormiu na casa da vovó com a tia Nanda. De manhã, eu, ele e Lulu fomos à pracinha e à feira, onde Luquinha comeu um pastel de carne com guaraná natural. De tarde que o levei na minha sogra e ele ficou lá. É engraçado como morro de saudade dele só de ficarmos algumas horas separados. rs

No sábado, quando o busquei de manhã, fiz uma proposta: que passássemos o dia sem nenhum dispositivo eletrônico. Sem celular, sem ipad, sem tablet, sem TV. Ele adorou! Brincamos, jogamos quebra-cabeça, conversamos, até a hora de esperar os amiguinhos, que vieram depois do almoço. Recebi duas amigas aqui, mães de amiguinhos do Luquinha da escola. Uma delas é consultora da Mary Kay e nos presenteou com uma limpeza de pele e limpeza e hidratação das mãos. Nossa, que delícia! Deu vontade de comprar todos os produtos!!! rs Além da sessão de beleza, conversamos à beça e babamos bastante a Lulu enquanto os meninos se divertiam demais juntos! Brincaram bastante no quarto, viram desenho, comeram pipoca, lancharam, foi uma farra. É bom demais receber os amiguinhos em casa.

No domingo, recebemos a família aqui - faltou o Rafa, minha mãe e a Nandinha - para celebrarmos um mês da Lulu. Há tempos tenho vontade de fazer uma torta de maçã típica americana, também conhecida como American Pie. Finalmente, com todos os ingredientes e ferramentas em mãos, fiz. Ficou deliciosa!! Alguns ajustes a fazer para a próxima vez, mas, mesmo assim, ficou bastante saborosa e a massa e o recheio no ponto!

Alguns registros deste fim de semana adorável:












30 maio 2016

Lucas, aos quatro



Desde que Luquinha nasceu, nosso discurso é sempre o mesmo: uma fase é melhor do que a outra. Talvez seja, talvez não. Talvez seja apenas porque nosso amor e admiração por ele continua crescendo tanto a cada dia, que nos cegamos nessa paixão e esquecemos as dificuldades de cada uma das fases, por assim dizer. Não sei e provavelmente, nunca saberei. Mas o sentimento é de emoção, orgulho e felicidade toda vez que falo sobre ele.

Alguns detalhes sobre o Luquinha que merecem destaque nesse momento:

- ama quebra-cabeça e os monta com uma rapidez incrível! Recentemente, compramos um de 100 peças, com medo de ficar muito difícil e ele perder o estímulo. Bobagem, montou rapidinho e já estamos pensando em comprar um com mais peças;

- é extremamente carinhoso, nos diz que nos ama sempre, mesmo sem termos falado nada, dá muitos beijinhos na Luiza durante o dia e tem um apelido só dele para ela: Luluti;

- finalmente aprendeu a falar as palavrinhas mágicas sem precisarmos lembrá-lo o tempo todo: pede naturalmente por favor, obrigado, de nada, dá licença etc.;

- ainda é bem tranquilo com relação às regras. Recentemente, definimos a regra de que não podemos sentar para as refeições com a TV ligada. Também definimos que vídeo-game, somente 20 minutos por dia. Essa semana, combinei com ele em um dia que eu não usaria o celular e ele não usaria nenhum dispositivo eletrônico. Ele adorou - e eu também. Jogamos jogos, brincamos, montamos quebra-cabeças e o dia foi muito melhor aproveitado.

- fazemos todas as refeições juntos, à mesa, exceto pelo lanche da tarde, que como é só ele que come, deixamos que ele coma onde estiver;

- é ótimo para comer! No almoço e jantar, come todos os legumes e verduras! Só não gosta de tomate e beterraba, mas até beterraba esses dias comeu, porque cortei pedaços pequenos e ele topou. Ainda temos problemas em relação às frutas, mas, ainda assim, tem opções saudáveis para o lanche, como banana, bolos caseiros com menos açúcar e óleo, suco de laranja e maracujá, da fruta, queijo Minas, entre outros;

- continua sendo um querido! ;) 

Em relação à sua adaptação com a chegada da Lulu, está tirando de letra. Em um mês dela (que merece um post), aprendeu a lidar com a divisão da atenção e é um irmão super carinhoso. Perco a conta da quantidade de beijos que ele dá nela por dia. E não é só para mostrar que a ama, para as outras pessoas. Ele faz isso mesmo quando não tem ninguém vendo. E pede para participar de todos os cuidados referentes a ela.

Luquinha é, sem dúvidas, uma criança especial e que está caminhando para ser um daqueles adultos que todos amam ter por perto!

23 maio 2016

um domingo feliz

Finalmente, consegui sair um pouco de casa sem precisar abusar da sorte. Ontem, minha sogra nos convidou para um almoço de domingo. Ela fez um escondidinho de carne seca que tenho certeza que estava delicioso, mas preferi não comer porque estou fazendo o possível para evitar que Lulu tenha cólicas. Deve ser muito doloroso para ela e para mim é, sem dúvida, muito cansativo. Passamos a tarde lá, onde estavam também meu sogro, a Nandinha, meu cunhado e minha sobrinha. Luquinha morre de saudades dela, pois têm a mesma idade e são muito amigos, muito mesmo, desde bebês.

Eu estava com uma crise gravíssima de alergia, rinite, e só melhorei no fim do dia. Estávamos dentro de casa o tempo todo, quando, em determinado momento, percebi que estava um dia lindo lá fora (a alergia realmente estava tirando meu foco de qualquer cosia). Fui lá para fora e consegui levar as crianças, que brincaram bastante antes de irmos embora.

Mas quando fomos, não fomos para casa. Minha cunhada não tinha ido ao almoço, então fomos lhe fazer uma visita para que ela pudesse dar um cheiro na Lulu e no Luquinha. Lanchamos, conversamos, rimos e voltamos para casa. Exaustos de um dia cheio, mas felizes. ;)

Antes de sair de casa, descemos com Lulu para que ela pegasse o solzinha da manhã e com Luquinha para que ele aproveitasse o momento no play para andar de bicicleta e jogar bola. É incrível como ele ama jogar bola e como não demonstra interesse pela bicicleta. :/ Em cinco minutos andando de bicicleta, quer parar para jogar futebol. rs

Depois, subimos e eu fiz uma sessão de fotos com Lulu e algumas com Luquinha. Os highlights do "ensaio":





21 maio 2016

#MeMoment {Downton Abbey}



Eis uma série que sempre quis assistir, mas seus longos episódios me tiravam o estímulo. Desde que minha licença-maternidade começou, é meu passatempo preferido nas horas vagas. Com isso, já estou na quinta temporada (ela só foi até a sexta), e, como já imaginava que seria, extremamente apaixonada pela série e seus personagens.

Mais do que um momento de diversão, é um momento de resgate de valores. Sem dúvidas, comparando o início do século passado na Inglaterra com os dias atuais no Brasil, agradeço que muitas coisas tenham mudado, principalmente no quesito igualdade entre as pessoas (embora isso possa parecer utópico até mesmo nos tempos atuais). Mas quando vejo a educação com que as pessoas se tratavam, a calma com que os assuntos eram levados, com tempo para que fossem digeridos... Como hoje, naquela época, já havia maldade e falta de respeito e consideração com o próximo, mas, muito mais do que no presente momento, eram casos raros e causavam verdadeira indignação quando descobertos.

Além do tempo, a cultura do país nos difere em inúmeras maneiras. O que ainda me surpreende - e essa é uma das diferenças culturais e não relacionada ao tempo - é a maneira como lidam pais e filhos em seus relacionamentos. Sinto falta de abraços entre os personagens. Às vezes, a impressão que tenho é que a vontade é clara, mas que a falta de jeito os impede.

A série não é muito diferente do que vemos em nossas novelas brasileiras: mocinho, vilão, maldade, crueldade, amor, paixão... A diferença talvez esteja na intensidade. Downton Abbey me faz pensar que já fomos melhores do que somos hoje. E reforça, para mim, o que sempre soube: onde há amor, há tolerância.

20 maio 2016

Quando a viradinha de olho aparece...


Tivemos a primeira reunião na escola depois de terem começado as aulas, nessa semana. Fiquei extremamente triste de não ter participado da reunião, mas o Igor foi. Não pude ir porque em seguida haveria a comemoração do dia das mães e eu precisava priorizar o evento. Seria muito tempo para ficar longe da Luiza, que está mamando bastante. Então nos dividimos, Igor foi à reunião e eu fui à comemoração do dia das mães (que foi lindíssima, by the way... conto melhor no fim do post).

Cheguei no fim da reunião, a tempo de ver alguns vídeos do Luquinha em sala de aula e de pegar o relatório falando sobre seu comportamento no bimestre. Sobre isso... Luquinha tem uma turminha de amigos mais próximos, o que me deixa feliz demais e muito orgulhosa por ver que ele já tem amigos de verdade, com os quais tem uma afinidade, que gostam dele e que ele gosta! Ele e mais quatro se unem para brincadeiras que deixam a professora de cabelo em pé. Já havíamos percebido o comportamento deles cinco em festinhas da turma: brincam de bater, de pular, empurrar, abraçar até cair, socar etc. Já havíamos conversado com Luquinha algumas vezes, falando que não queremos que ele brinque assim, que ele pode machucar algum amigo, que a brincadeira é quase sempre inconveniente e que, apesar de alguns parecerem gostar, nem todo mundo gosta de brincar assim.

A professora explica que é normal, mas que também tem conversado com eles porque acredita que eles podem acabar se machucando. Eu, particularmente, não acho bacana brincar assim, com toda essa agressividade, mesmo que ela seja "recheada de carinho" (é perceptível que estão brincando e que se gostam muito... mas a brincadeira, ainda assim, é bem bruta).

Outros pontos que ela destacou foram: Luquinha facilmente perde a concentração, quando chega na sala vai direto brincar, em vez de fazer suas obrigações (que consistem em colocar o lanche e o copo d'água no lugar para depois ir brincar), tem facilidade em entender as regras, embora tenha igual facilidade em quebrá-las.

Eu e Igor lemos o relatório para ele em voz alta, que percebeu a censura em determinados pontos e se divertiu quando eram pontuações positivas. Ele é, de fato, muito carinhoso com as pessoas, e foi assim que a professora relatou sua relação com ele. Além disso, é obediente, embora se esqueça da regra rapidamente e volte a fazer algo pelo qual já havia sido chamado atenção. Imagino que não seja muito diferente da maioria das crianças e longe de mim querer doutriná-lo a ser qualquer coisa diferente do que é em sua essência. Mas acredito que há lições importantes a serem tiradas daí. A principal e mais importante para mim, e que faço questão de passar para ele, é que algumas regras existem para que a convivência em grupo possa se tornar possível.

Por isso, do momento em que saímos da comemoração do dia das mães até a hora de ir para a escola no dia seguinte, fiz questão de bater com ele os pontos principais que precisam ser avaliados no comportamento dele em sala de aula. Em determinado momento, enquanto estava jantando, Luquinha me deu a tradicional virada de olho, muito comum entre adolescentes, mas ainda não tão frequente entre crianças,

Você acredita? Não sabia se ria ou se chamava atenção. Na dúvida, brinquei com o assunto, sem deixar de mostrar que a virada de olho não era bacana, pois parecia que ele estava debochando do que eu estava falando. Ele riu e parece ter entendido que estava sendo debochado. Além da viradinha de olho, ele disse: "Você já falou isso muitas vezessss". Expliquei que vou repetir quantas vezes for preciso, porque assim como em casa, e na vida, temos regras que visam uma melhor convivência em sociedade. O mesmo acontece na escola e que não lhe custa atrasar a brincadeira em um minuto para que possa arrumar o lanche e o copo d'água; ou que é importante respeitar as regras sobre brincadeiras: se não pode chutar, é porque pode machucar. Se não pode bater, é porque pode machucar. E é por isso que devem evitar essas brincadeiras.

Depois fiquei pensando na virada de olho e achei graça pensando que nosso pequeno está crescendo. Nós sempre conversamos muito, mas cada dia mais ele tem se mostrado eloquente e com m vocabulário ímpar (destacado também pela professora). Argumenta, faz observações e expressa sua opinião, nos enchendo de orgulho.

Como relatei para a professora, fico feliz em receber um relatório com desafios reais. É claro que é sempre bom quando ele vem recheado de elogios, mas não é bem assim que as coisas são, certo? Ter elogios entre diversas pontuações sobre o que pode ser melhorado me parece mais real e concreto. Algo com o qual podemos trabalhar para continuar oferecendo a ele a segurança de que tem pais que se preocupam com o cidadão que estão ajudando a formar para o mundo. Toda criança aprecia essa segurança, embora virem os olhos e reclamem das regras.

;) Com percalços, sempre parece que estamos no caminho certo. Diferente de quando tudo parece perfeito demais.

Sobre a comemoração do dia das mães





Foi linda!!! As crianças cantaram uma música que eu nunca tinha ouvido antes, mas que tinha uma letra fofa e carinhosa, sobre como eles são apaixonados por nós. <3 A professora pediu que cada criança se posicionasse na frente de sua mãe e cantasse para ela a música, olhando nos olhos. Nem preciso dizer que surgiram lágrimas de emoção em todos os cantos. Depois da música, sentamos com as crianças para algumas atividades, como criar um quadro para expressar aquele momento (Luquinha fez a família completa. Certamente vamos emoldurar), plantar uma muda de flor juntos e ver juntos o álbum de família.

É mais do mesmo dizer que eu amo ser mãe. É realmente um sentimento único, algo inexplicável, daquelas coisas que só se sabe vivendo.

A maternidade mudou a maneira como enxergo minha mãe e até mesmo meu pai. Fez com que eu me projetasse nela e a projetasse em mim. Fez com que eu entendesse seus erros e admirasse ainda mais os seus acertos. Todas nós seremos igualmente julgadas por nossos filhos, que só entenderão nosso amor incondicional no momento que tiverem seus próprios filhos. Se não o tiverem, o que fazer? Talvez nunca entendam. Ainda assim os amaremos igualmente e para sempre. <3

Com um leve atraso de algumas semanas... feliz dia das mães! :)

18 maio 2016

Amamentação: o que mudou do Luquinha para a Lulu?


Não é novidade para quem acompanha o blog que minha primeira experiência com a amamentação foi desastrosa. Bem, nem sei se deveria estar falando isso aqui porque os problemas só começaram, de fato, quando Luquinha tinha dois meses e a médica disse que ele não tinha ganhado peso nenhum. Mas, para mim, a diferença já é nítida, e, por isso, vou falar sobre o assunto, sim!

Principais erros cometidos na primeira vez:

  • Por ter lido o livro Encantadora de Bebês, levei a ferro e fogo a instrução de que deveria dar de mama de três em três horas, ensinando o bebê a se adaptar à minha rotina. Quando ele chorava, se tinha acabado de mamar, ou mamado 20 minutos antes, ou até uma hora antes, eu não dava o peito novamente. Dava chupeta, pegava ele no colo, fazia qualquer coisa, menos dar o peito.
  • Ainda seguindo as instruções do livro, eu contava quanto tempo cada mamada levava, aos 20 minutos - se chegasse a isso tudo - eu trocava de peito. E ficava cada vez mais estressada conforme os tempos da mamada iam diminuindo. 
  • Quando a médica me disse que estava muito errado ele não ter engordado nada, e que eu devia fazer com que ele mamasse, a amamentação virou uma obsessão. Mas ele já estava acostumado a mamar pouco, e eu fiquei numa luta intensa aqui em casa, me causando um estresse horrível. Em nenhum momento eu parei para pensar que, mesmo sem ganhar peso naquele mês, o peso dele estava ótimo! Batendo a terceira linha da avaliação que os pediatras fazem. Ela me assustou, me obrigou a dar somente o peito e mais nada, mas não me disse que o estresse faria o meu leite secar (ela só foi pediatra do Luquinha até o segundo mês mesmo).
  • Eu desisti. Estava estressante demais, eu estava beirando a depressão, e não queria mais. Na época foi melhor, sem dúvida, eu voltei a sorrir. Luquinha passou a ficar alimentado e tudo seguiu bem. Mas se eu tivesse o conhecimento que tenho hoje, teria procurado ajuda especializada para reverter o quadro. Desistir pode ter feito as coisas melhorarem, mas também me causou muito sofrimento e culpa na época. 


Principais mudanças com a chegada da Luiza:


  • Livre-demanda;
  • Sem relógio por perto para marcar o tempo das mamadas;
  • Não tenho ideia de quantas vezes a Luiza mama por dia;
  • A escolha do peito é na hora. Apalpo para ver qual está duro e vou nele. Se percebo que ela está mamando mais em um, ofereço o outro para que não fique "viciada" em um só lado;
  • Chorou, mamou.

Outro dia, me deparei com esse texto, do site Mães de Peito. E me identifiquei. É quase tudo como estou fazendo agora. Conhecimento adquirido ao longo dos anos.

No mais, a amamentação pode ser bem complicada, principalmente pela insegurança, mais comum no primeiro filho. É uma realidade e outra realidade é que os médicos e enfermeiros não estão preparados para orientar as mães. Eles querem que elas amamentem, mas não sabem como guiá-las. Mas existe muita gente especializada. Vale sempre buscar ajuda.

Mas o que também não pode acontecer é se sentir a pior pessoa do mundo por não conseguir. É realmente difícil, inúmeras coisas podem dar errado. E a avaliação deve ser da mãe, se é algo que ela consegue levar ou não. Lembro que, na época do Luquinha, a maior parte a minha culpa veio pela pressão da sociedade para que eu amamentasse. Como se desistir fosse um ato super egoísta da minha parte e eu estivesse fazendo aquilo por puro capricho. Mas só eu sabia o quanto estava sofrendo e só eu sei como encontrei a felicidade ao desistir. É uma avaliação pessoal e não é bacana julgar. O Luquinha é e sempre foi uma criança saudável. Assim como eu, que mamei somente um mês, sou e sempre fui saudável. Sem dúvidas, o leite materno é a melhor opção para alimentação do bebê, e amamentar é um ato de amor indescritível! Mas é importante reconhecer que a tecnologia evoluiu e é capaz de suprir sua falta.

Obs. O Luquinha mamou por quatro meses exatos.





17 maio 2016

#ReceitaDeFamília {Torta de Recheio Básico}



Vocês acreditam que eu só tirei foto para o snapchat (juliagscosta) e esqueci de salvar? Pois bem... esse minha mãe que fez, mas o meu ficou igual! ;)
Minha avó era boleira, fazia bolo para vender, além de comidas congeladas e outras coisas. A gente adorava tudo que ela fazia, porque muitas vezes, quando não estava vendendo os produtos, fazia para a gente mesmo. Dos que estavam mais presentes: pão, bolo Mármore, torta de Recheio Básico, macarrão (ela mesma fazia a massa), lasanha e outras massas. Além do básico de toda vó: arroz doce, ambrozia, pudim etc.

Ela faleceu quando eu tinha 11 anos, mas tenho uma vasta memória sobre ela, pois cuidou de mim e do meu irmão durante quase todo o tempo enquanto minha mãe precisava trabalhar. Na adolescência tentei pela primeira vez fazer a torta de Recheio Básico, minha preferida. Não deu certo, o pão de ló desmoronou.

Já com o Igor, tentei fazer novamente e não deu certo de novo. O pão de ló também foi o problema.

Com o passar dos anos, e principalmente após o nascimento do Luquinha, fui me familiarizando mais com a cozinha. Fiz inúmeros pratos salgados e mais recentemente tenho tentado fazer bolos. O primeiro que fiz foi de laranja, uma receita que peguei no Tudo Gostoso. Ficou muito bom! Fiz para o Igor, que não ficou muito fã, mas levei para o trabalho e todo mundo lá amou. Ficou bem molhadinho por causa do suco de laranja que acresentei à massa.

O segundo foi bolo Mármore. Ficou bem gostoso, mas não ficou igual ao da minha avó. Deve ser porque peguei a receita também no Tudo Gostoso e não entre os arquivos dela que minha madrinha havia me mandado há pouco tempo.

Quando fiz esse bolo mármore, a batedeira bem simples que eu tinha aqui em casa estragou e agora, no dia das mães, sabendo da minha vontade de me aventurar no mundo dos bolos, o Igor me deu uma de presente. Foi até engraçado porque dei a missão dele ir ao shopping comprar os presentes das nossas mães - porque eu estava em casa, já com Lulu recém-nascida. E, quando ele estava lá, me ligou com dificuldade em escolher os presentes delas. Eu disse: compra qualquer coisa, menos eletrodoméstico ou coisas para casa e cozinha. Hahahahahaha Ele ficou decepcionado e abriu para mim que tinha acabado de comprar a batedeira. Eu disse que fiquei feliz e realmente fiquei! A cozinha tem se mostrado um parque de diversões para mim, principalmente neste período que não posso sair de casa.

Com a nova batedeira, tomei coragem para tentar novamente fazer a Torta de Recheio Básico. Minha mãe estava aqui em casa e fez primeiro. Juntou a receita que tínhamos da minha avó, enviada pela minha madrinha (ela sempre faz para mim quando vou visitá-la :) ), com uma que ela achou de pão de ló no Tudo Gostoso.

Minha mãe fez e ficou perfeita! Igualzinha à torta da minha avó! Que delícia! Ela ainda fez em duas formas, uma colocou o recheio básico e na outra não. O Luquinha amou o "bolo de bolo", como chamei quando ele perguntou do que era. Agora pede toda hora. rs

Fiz a receita com ajuda da minha mãe e, realmente, ficou perfeita!!! Finalmente, aprendi. E cheguei à conclusão de que:

1. Detalhes são importantes, principalmente para quem está começando.
2. Ferramenta certa é o que há!

Compartilho aqui a receita que, como eu disse, é uma mistura da receita da minha avó com a receita que encontramos no Tudo Gostos:

Torta de Recheio Básico

Ingredientes Pão de Ló

4 ovos
2 xícaras de trigo
2 xícaras de açúcar
1 copo de leite
1 colher de sopa de fermento

Ingredientes Recheio Básico

400ml de água
2 xícaras de açúcar
4 gemas
2 colheres de sopa de maizena
2 xícaras de leite
2 colheres de chá de essência de baunilha

Modo de preparo Pão de Ló

Separar a clara da gema;
Bater as claras em neve até quadruplicar de tamanho;
Acrescentar o açúcar aos poucos até colocar todo;
Acrescentar a farinha de trigo já misturada com o fermento e ir colocando o leite aos poucos.
Levar ao forno médio por 45 minutos

Modo de preparo Recheio Básico

Despejar a água na panela e, em seguida, o açúcar;
Mexer até começar a ferver ou quando ficar mais grosso, perto da consistência de calda;
Adicionar o restante dos ingredientes, que já devem estar misturados;
Mexer até começar a ferver.

Finalização

Esperar o bolo esfriar e, então, cortar a massa na metade (com linha ou com faca). Rechear e cobrir o bolo.

Observação

A receita da minha avó levava também abacaxi, que era acrescentado em pedaços na calda.

14 maio 2016

Vale se arrumar para ficar em casa?



Vale, sim! Eu tinha 26 anos quando o Luquinha nasceu. Hoje, tenho 31. Pode parecer exagero, mas muita coisa mudou depois que fiz 30. Minha pele do rosto ficou ainda mais seca, minha rinite alérgica tem causado mais danos à pele do que antes (quando começo a coçar meus olhos e nariz, a pele consegue ficar ainda mais seca e, logo, machucada) e as marcas de expressão começam, sim, a ficar mais evidentes. Quando se tem um bebê em casa, então, acordando durante a noite, amamentando... É esperado que o cansaço fique estampado em nossa face.

Além da idade, o que mudou de 2011 para cá? Em outubro do ano passado assumi o núcleo de beleza da agência onde trabalho. Beleza e bem-estar passaram a ser meu oxigênio diário. Produtos para a pele, para os cabelos, dicas de dermatologistas... Imagine você viver isso diariamente... Acaba incorporando o processo (ainda bem)! A última vez que tinha passado por algo parecido foi quando atendi a Sociedade Brasileira de Dermatologia, em 2010/2011. Naquela época, entre todas as lições, a mais importante foi o uso do filtro solar.

Mas desta vez foi diferente. A maquiagem passou a fazer parte, de fato, do meu dia a dia. E, com ela, os cuidados com a pele. Se o sol e a poluição são capazes de acelerar o envelhecimento das células, a maquiagem também é.

Hoje, de licença-maternidade, não é todo dia que consigo fazer este ritual de beleza. Mas confesso que me esforço mais quando o Igor está em casa. rs

Além dos produtos abaixo, há outros que uso em ocasiões diferentes, como quando está sol, quando sei que vou sair de casa e tem ainda o ritual que faço à noite também. Mas para não ficar muita informação, vou deixá-los para um próximo post.

Rotina de Beleza:

Timewise / Creme de Limpeza 3 em 1 / Mary Kay

Combina ação anti-idade com três funções essenciais: limpeza, tonificação e esfoliação, revelando uma pele com aparência mais jovem.

Redermic Olhos Hyalu C / La Roche-Posay

Cuidado diário com fórmula antienvelhecimento completa, indicada para atenuar as rugas profundas e tornar o contorno dos olhos mais uniforme e luminoso.

Redermic R / La Roche-Posay

Cuidado diário com associação de retinol e um exclusivo complexo retinóide, indicado para reduzir as rugas e melhorar a homogeneidade da pele sem comprometer a tolerância.

O produto não é indicado para o uso durante o dia, mas uso associado à proteção solar e passo pela manhã somente quando não vou ficar exposta ao sol.

Anthelios BB Cream FPS50 / La Roche-Posay

Alta proteção UVB/UVA com multibenefícios: uniformização natural, cobre imperfeições e poros, previne o fotoenvelhecimento, hidrata e ilumina e oil-free. Cor universal e alta rolerância.

Pode ser usado substituindo a base. Mas, hoje, eu usei também a base (abaixo) porque minha noite foi bemmmmmm complicada com Lulu ficando acordada na maior parte do tempo, e achei que precisava dar uma reforçada.

Timewise / Base líquida - acabamento Matte / Mary Kay

Sua fórmula contém vitamina E e um composto exclusivo de peptídeos que intensificam o colágeno, resultando em uma pele mais firme, saudável e rejuvenescida. É a base anti-idade perfeira para peles mistas e oleosas, proporciona redução visível na aparência dos poros, linhas finas, rugas e imperfeições na pele.

Super Stay 24h / Maybelline

Não tenho muitas informações sobre este produto porque comprei numa lojinha dessas baratinhas de maquiagem em Nova York. Estava muitoooo barato, por isso comprei. O produto funciona, mas não é tão bom quanto outros corretivos.

Máscara Escândalo / Alongamento / Quem disse Berenice

Resistente a água, dura 24 horas.

Powder Blush / MAC

É o blush que eu mais amo! Não dura assim muuuito tempo, geralmente tenho que repassar uma ou até duas vezes no dia. Mas qual blush não precisa de retoque, né?

Mineralize Skinfinish / MAC

Esse eu não uso sempre, só quando quero dar um ar mais saudável ao look, o que claramente aconteceu hoje. rs

Cicaplast Lábios / La Roche-Posay

Repara, hidrata e protege lábios ressecados e fragilizados, reconstruindo a barreira cutânea dos lábios. Perfeito para usar antes do batom mate, que resseca a área.

Batom Mate / Quem disse Berenice

Cremoso ou mate? Fique com o melhor dos dois! O batom veludo tem o conforto de um batom cremoso, com a durabilidade do batom mate. É macio como veludo, com FPS12 e cores foscas intensas.

A duração é maior que a de um batom comum, mas ainda não dura tanto como eu esperava. Por isso usei o produto abaixo, para prolongar a duração.

Pó Solto Translúcido / Mary Kay

Proporciona uma cobertura invisível que ajuda a fixar a base para um acabamento natural. A fórmula refletora de luz que ajuda a disfarçar as linhas finas e as imperfeições para um acabamento perfeito.

Silicone Nutrição Poderosa / Niely Gold / Niely

Excelente para eliminar o frizz, reparar pontas duplas e dar brilho aos cabelos.

***

Quer ver como ficou o antes e depois? Dá uma olhadinha no nosso instagram!!!

11 maio 2016

A saga dos dois filhos


5:30 Luiza acorda para sua terceira mamada durante a "noite". Mama cerca de 30 minutos e tenho 20 minutos para deixá-la "em pé" para arrotar.

6:30 Luiza mamou, arrotou e quer mamar mais. O despertador toca e preciso acordar o Luquinha. Acordo com ela no colo, mamando, vou até a cozinha, pego a vacina da alergia, dou a ele e volto para a cozinha, ainda com ela no colo, mamando, para fazer o café da manhã dele.

6:35 Ele me chama: "Mamãe, onde vocês está? Fica aqui comigo". Vou até o quarto e explico que estou preparando seu café da manhã. Ela termina de mamar, mas preciso ficar com ela no colo ainda porque mamou muito e precisa arrotar novamente.

6:50 Depois de preparar o café da manhã dele e ficar um pouco ao seu lado, vou à cozinha novamente para preparar seu lanche e sua mochila. Depois disso, preparo seu uniforme, vou escovar seus dentes e peço que ele faça xixi.

7:05 Minha mãe sai com ele para levá-lo à escola.

11:30 Pego ela para mamar porque daqui a pouco Luquinha chega e precisamos almoçar. Para mim, é importante manter essa rotina com ele, sentar para fazer as refeições juntos, sempre.

12:20 Ainda está mamando quando Luquinha chega, lá vou eu com ela mamando para a mesa. No meio do almoço ela para e consigo almoçar usando as duas mãos. rs

13:00 Deito com Luquinha no seu quarto para ver desenho. Ia somente colocar o desenho para rolar, mas ele pede que eu fique um pouco. Ia descansar, tirar um cochilo. Mas como estou lá, ele fica conversando e acaba não dormindo.

13:30 Luiza acorda e quer mamar. Lá vou eu.

à tarde Luquinha tem atividades esportivas. Quando chega, vem direto para ficar comigo. Quer me mostrar algum jogo no tablet ou algo assim. Fico agarradinha!

à noite Tomo banho, dou banho nele, dou banho nela. Ela acorda e quer mamar. Com ela no colo, dou o leite com mel do Luquinha e coloco o desenho para ele ver no quarto. Termina o desenho. Luiza está no meu colo ainda, arrotando. Vou com ele e com ela no banheiro para que ele escove os dentes e faça xixi. Ela quer mamar de novo. Com ela mamando, vou colocá-lo para dormir. Ela mama, eu conto história e ele conta a história comigo. Rezamos, ele dá boa noite e vai dormir. A esta altura, ela já está dormindo no meu colo. Coloco ela no berço e vou dormir. Mesmo que seja ainda 8 da noite, ou 9.

na madruga ela tem acordado de três em três horas, aproximadamente. A parte mais difícil é se manter acordada na hora que coloco ela para arrotar. Por indicação da minha cunhada, baixei o Candy Crush. Tem funcionado.

A rotina como está descrita acima não aconteceu inteiramente assim porque na última semana o Igor estava comigo e ajudava bastante, e nessa semana minha mãe está comigo ajudando bastante também! Ainda assim, todo dia acontece alguma cena como a que disse: Luiza mamando e eu cuidando do Luquinha ao mesmo tempo, seja para brincar, comer, fazer companhia simplesmente ou colocar para dormir. 

É delicioso estar em casa com eles! Poder prover a atenção e carinho necessários é impagável. Eu não consigo nem reclamar porque é apaixonante. Cansativo? Demais!!! No fim do dia estou exausta e pela manhã estou sempre com olheiras. Mas é extremamente gratificante!

Mamãe, obrigada pela ajuda! Ela está sendo essencial!!!

07 maio 2016

Luquinha vai à natação


Desde que Luquinha começou no futebol, aos três anos, venho insistindo que ele também precisava entrar na natação. O problema é que no clube onde ele pratica as atividades a natação é bastante disputada e, por isso, o aluno não pode ter mais que três faltas seguidas. Nossa agenda semanal não tem como impedir que isso aconteça, pelo menos não tinha.

Com a aproximação da minha licença-maternidade, resolvemos tentar novamente. Afinal de conta, por alguns meses eu estarei em casa e depois disso devemos contar com a ajuda de uma terceira pessoa, que poderia incluir na rotina levá-lo às atividades. Entramos na lista de espera da natação e ele finalmente começou, esta semana!

Luquinha sempre frequentou praia! Tem experiência com piscina por causa do próprio clube e também por causa do prédio dos dindos. Mas ainda não sabe nadar. Por isso mesmo, meu imenso orgulho de vê-lo nadando na piscina, já na primeira aula. É claro que não era assim, nadando de verdade. Mas solto, sem ajuda, se movimentando por baixo d'água até alcançar a professora.

A felicidade dele em estar naquela aula, mesmo em um dia nublado e frio, foi impagável! Ele estava MUITO feliz! E eu MUITO feliz de conseguir estar lá para ver. <3

06 maio 2016

#5 fatos sobre esta semana


1 Luiza chegou

Sim, o último post já foi sobre isso, mas nunca é demais lembrar. Assim como o Luquinha, ela foi muito planejada, muito desejada e muito esperada! Na verdade, eu já não aguentava mais o barrigão. rs Estava difícil demais para dormir, estava cansativo para andar, estava pesado, literalmente. E a minha ansiedade para conhecê-la estava me consumindo. Era impossível imaginar que carinha teria, mas poderia ter imaginado. É parecidíssima com o Luquinha. Tem o rosto mais fino e nasceu menor que ele também. Mas tem diversas semelhanças. Estamos felizes demais!

2 Lucas virou irmão

No início da semana foi bem difícil, mas agora que já passaram esses primeiros dias estamos mais adaptados, nós quatro. Sempre carinhoso, Luquinha teve diversas apresentações de carência e ciúme. Nada além do esperado. É compreensível porque sempre teve muito nossa atenção e todas as suas necessidades sempre foram prontamente atendidas. Agora, até mesmo o seu mundo está girando um pouco em torno dela. É a primeira coisa que faz quando chega da escola, ir lhe dar um beijinho. Gosta de vê-la mamando e continua ajudando nas tarefas como dar banho e trocar a fralda. Seu mundo mudou e ele já sabia que mudaria. Ele mesmo falava "quando a Luiza nascer o mundo vai ser diferente". <3

3 Livre-demanda rule my World

Se na primeira gravidez eu fui adepta das indicações do livro "A encantadora de bebês", desta vez estou basicamente seguindo todos os meus instintos. Não estou lendo sobre o assunto, não tenho livros, não tenho métodos, nem tenho informativos piscando no meu celular. Sou eu e a Luiza, e o que achamos que é melhor. Ela chora, ela mama, como diz o ditado. E só posso dizer uma coisa: é bom demais assim!

4 Casa bagunçada não dá

A casa passou quase a semana inteira uma zona. Eu já estava nervosa. Limitada devido aos pontos, demorei para me coçar. Mas quando comecei, não sosseguei. Arrumei os quartos e as salas, pelo menos. A faxineira dará conta da cozinha e da área de serviço quando chegar. Mas com dois filhos é muito difícil manter a organização. Todo meu tempo livre é dedicado ao Luquinha e o tempo não livre estou amamentando a Lulu. Menos é mais. Saí dando os móveis que estavam sobrando e ainda tenho coisa para dar, basicamente objetos de decoração que estão sendo demais. Preciso de um ambiente clean para manter minha sanidade. rs

5 A licença-paternidade

Cinco dias? Sério? :( A presença do Igor nesta casa é fundamental! Ele divide comigo todas as tarefas! Até a amamentação, ele fica responsável por colocar a Lulu para arrotar e várias vezes no meio da noite troca sua fralda para que eu possa dormir mais um pouquinho. Ele se reveza comigo o tempo todo para atender as necessidades das crianças, foi ele quem fez comida e lavou louça essa semana inteirinha... Fora que ele merece passar mais tempo cuidando da Luiza e do Luquinha. Porque é bom, porque é muito bom! <3

E no mais... 

Foi uma das semanas mais felizes da minha vida. ;)

05 maio 2016

E a Luiza nasceu !!!


No dia 29 de abril de 2016, às 19h10, com 3,4kg e 49cm, Apgar 9 e 10, nasceu a Luiza, irmã do Luquinha, minha filha e do Igor. Chegamos na maternidade no início da tarde, eu, Luquinha, Igor e minha mãe. Logo depois, minha prima Vê chegou e, então, várias outras pessoas começaram a chegar: dinda Aline (do Luquinha), vovó Lucimar, vovô Luiz, tia Nanda, dinda Fê (da Lulu), tio Cassiano, vovô Fernando, tio Zé... e depois ainda chegaram mais amigos, o dindo Gordo (Lulu), tio Dudu, tia Ana Clara e tia Giuli. Foi uma festa. Infelizmente - ou felizmente porque uma cesárea não é mole, não -, quando voltei para o quarto todos precisaram ir embora. E ficamos somente eu, Igor e Luiza, que já passou a noite com a gente. E que noite! Eu, totalmente comprometida por causa da cesárea, e Igor tendo que levantar o tempo todo para pegá-la para colocar no meu colo para mamar. Foi cansativo, mas no dia seguinte ela já estava mais tranquila. Nascer é realmente muito cansativo. É muita novidade para uma pessoinha que ainda nem pode falar para expressar o que está sentindo. <3 

No dia seguinte, Luquinha foi nos ver com minha mãe e minha sogra. E recebemos a visita da Dada, tia Simone, Genera, dinda Fê, dinda Aline, dindo Luismar, vovô Luiz, dindo Rafa (Luquinha), tia Heda, tio Duda, tia Ique, tia Vanessa e tia Bia. No terceiro dia, tivemos alta cedo da maternidade. Estava bem frio e nublado. Vovó Helena e Luquinha foram nos buscar na maternidade. E fomos todos para casa. 

Amanhã Luiza faz uma semana de vida e hoje é o quinto dia que está em casa. Neste período, já tivemos adaptações importantes e estamos em constante mudança, sempre para melhor. A relação do Luquinha com a Luiza e conosco está sendo minha maior preocupação essa semana. Não tem mama, não tem madrugada, não tem cirurgia... nada é mais difícil do que lidar com a adaptação de sentimentos do Luquinha. 

Ele é um poço de carinho! Quer fazer parte de cada etapa, chega do colégio e vai direto falar com ela, dá mil beijos, quer fazer carinho, é um fofo mesmo!!! Mas está sentindo, principalmente por causa das mamadas, que são muitas. O que eu faço? Me viro nos 30 para não deixar a atenção faltar para ele. Sento do lado para desenhar com ela mamando mesmo, brinco de jogo da memória, quebra-cabeça, tudo o que for preciso para que ele se sinta atendido em suas necessidades diárias! Esse tópico merece um post só dele... em breve. ;)

Somente hoje consegui dar um jeito na casa. Estava uma bagunçaaaaa. Estava quase pedindo para sair. hahahaha Hoje não aguentei. Deu a louca e comecei a arrumar tudo. Esse assunto também merece um post só dele. Em breve, por aqui. rs