21 fevereiro 2016

Na estrada...


Há pouco tempo fizemos uma viagem com o Luquinha. Há pouco tempo fizemos uma viagem sozinhos. E agora eu fiz uma viagem sozinha. Em cada uma das ocasiões consigo enxergar só coisas boas! A verdade é que viajar é muito bom. Sair da rotina, ver novos cenários, conversar com pessoas diferentes... sempre bom!

Desta vez, a viagem foi a trabalho. Fui a São Paulo visitar algumas redações de revistas femininas, parte do meu trabalho, agora mais ainda desde que assumi a gerência do núcleo de Beleza, em outubro do último ano. Deu tudo certo! Foi ótimo, divertido, os encontros duraram mais do que estávamos prevendo, o que reforça ainda mais o resultado positivo.

E, para adicionar mais felicidade ainda a essa viagem, fui passar o fim de semana em Santos (SP), na casa da minha madrinha. Nas últimas vezes que vim, o Luquinha estava comigo. É ótimo quando ele vem, é claro, mas dessa vez consegui conversar com minha dinda com calma, com minha prima, meu tio e meu "cunhado" (é namorido da minha prima irmã, então posso chamar de cunhado, né?). E consegui descansar... Quem é mãe e trabalha fora sabe que não resta muito tempo de descanso no dia a dia... Neste fim de semana eu posso dizer que ajustei todo sono atrasado, piorado nessa semana de volta às aulas, e de muitas reuniões.



Não tinha hora para acordar e não tinha nadinha de nada para fazer o dia inteirinho. A dinda Tânia fez as comidas que a minha avó fazia e especialmente para mim, uma torta de recheio básico (a melhor do mundo).


Sim, sim, morri saudade do Luquinha e de vontade de apertar aquelas bochechas deliciosas!

Mas curti! :p

04 fevereiro 2016

Reunião da escola



Hoje estive na escola do meu filho para conhecer quem será a professora que influenciará, sempre positivamente (é o que esperamos) sua vida neste ano. Primeira impressão: muito boa! Tem frutinha na mesa todo dia, tem criança aprendendo a se virar sozinha pela escola, tem incentivo e aprendizado em sala de aula em formato de brincadeira e com muita diversão envolvida. O que mais?

Na reunião, encontro minhas queridas amigas, que, nesses dois últimos anos, deixaram de ser simplesmente as mães dos amigos do meu filho. É muito tempo de convivência, são muitos encontros fora do ambiente escolar e muitos papos e confissões compartilhados.

Saio da reunião pensando que eu não poderia estar mais satisfeita com as escolhas que fizemos para o Luquinha nesses últimos quatro anos. Ele tem amigos que ama, nós amamos os amigos dele, e a escola só soma em todas essas relações.

Fiquei pensando também que, por ser uma escola menor, não vou passar pelo que passou uma amiga próxima e também uma blogueira que acompanho, da Austrália (Fat Mum Slim). Por decisão da escola, eles misturam as turmas a cada ano, para que todos possam interagir, para estimular que as crianças aprendam a conviver com as mudanças e que saibam que fazer novas amizades é uma parte importante da vida.

Mas, a verdade, é que nós, mães e pais, sofremos mais que eles. Sabemos de toda a expectativa para reencontrar o melhor amigo, para que possam ser cúmplices novamente num ano inteiro letivo... E quando chegam lá, se decepcionam. Dói no nosso coração mais do que incomoda no deles. Mas a verdade é que, perto de todas as coisas que a vida ainda há de trazer, essa é até uma decepção com muitos aprendizados e muita coisa boa por trás. Os melhores amigos continuam sendo melhores amigos, mesmo que não fiquemos grudadinhos com eles todos os dias. Aprendemos isso com a vida, por que não deixar que nossos filhos aprendam também?

Bem, mas a verdade é que, ao terminar a reunião eu pensei: ainda bem que os melhores amigos do Luquinha continuam na escola. E que todos ficarão na mesma turminha! Amém. rs