07 agosto 2015

#PorFamíliasMaisFelizes #PorMaisProdutividade


O assunto "carreira x família" passou na minha frente três vezes essa semana:

-conversando com minha cunhada;

Na verdade, vira e mexe a gente toca nesse assunto no ambiente corporativo. Onde trabalho há muito muito mais mulheres do que homem e há muitas mães e pais.

Li em um dos artigos acima algo que falei para minha cunhada sem antes ter lido em nenhum lugar, que o fato de pensarmos em nossos filhos como prioridade não é bem visto num ambiente corporativo. É uma visão machista essa de termos que continuar priorizando o trabalho. Até porque não significa que ao priorizarmos nossa família estaremos negligenciando o trabalho. Não são coisas exclusivas. 

Eu acredito que é possível flexibilizar o horário de trabalho. Não só para mulheres, é claro. Para todos os sexos. E isso pode ser benéfico para todos, inclusive para quem é solteiro e não tem filhos. A tecnologia nos permite uma onipresência impensável no fim do século XIX, quando as tais 40 horas de trabalho semanais foram criadas diante da revolução industrial. Agora mesmo, estou na barca, a caminho de casa, escrevendo esse post. Há pouco chequei o e-mail do trabalho e deixei para programar de casa o post de um dos clientes para o domingo. 

Dia desses precisei trabalhar de casa. Tenho certeza absoluta que rendi mais que renderia se estivesse no escritório. Não acho que renderia o mesmo se tivesse isso como rotina. Mas ocasionalmente essa flexibilidade pode trazer muitos benefícios para a empresa e para mim.

Há inúmeros estudos - e evidências, como o que acabei de relatar - que indicam esses benefícios. E há diversas formas de introduzir essa mudança sutilmente nas empresas. 

Acredito que a conversa seja válida para ambas as partes e vejo um futuro diferente. Da mesma forma que as ideias trabalhistas  transformadas em lei no início do século passado não cabem mais em nosso globalizado modelo capitalista, as determinações da revolução industrial precisam dar a vez para as determinações de uma revolução digital.

Nenhum comentário:

Postar um comentário