24 agosto 2015

Circuito Vênus

Eu amo correr. O calor, o suor, os batimentos do coração, a chegada e, principalmente, a sensação de bem estar que vem depois da corrida. Tudo me deixa mais feliz. Estava há meses empolgada para essa prova, já que, com o aumento dos preços das inscrições, eu tenho selecionado bastante quais vou participar. E essa seria a primeira do ano (e provavelmente a única). Acontece que no sábado de manhã acordei com uma dor abdominal em nível médio, que teve picos durante o fim de semana inteiro. Por sorte, acordei sem dor no domingo de manhã e fui correr mesmo assim. Foi ótimo, não senti dor nenhuma durante a prova e consegui terminar em 34 minutos. Meu maior tempo na história das provas de rua que corri, mas, ainda assim, um tempo bacana, considerando as circunstâncias.


E eu tinha me inscrito em 10km, mas, por mais que parte de mim achasse que eu era capaz, outra parte me alertava dizendo que eu não devia exagerar. E não devia mesmo. Porque, mesmo correndo 5km, quando cheguei em casa estava com uma dor beirando o insuportável. A sorte é que minha mãe estava na minha casa com o Luquinha, então ela ficou com ele enquanto eu estava deitada. Consegui dormir das 10h às 13h. A dor parecia ter passado.

Mas ela voltou à noite. E depois passou novamente.

Já marquei um médico para investigar. Mas, ironicamente, é só chegar domingo à noite que eu melhorei. Agora é segunda de manhã e nem pareço a mesma pessoa. Sem um pingo de dor.


Ainda sobre a corrida... Um assunto que tem passado muito pela minha cabeça é como quero manter minha saúde para viver o máximo de tempo que posso cuidando do Luquinha. Quero estar aqui quando ele tiver seus filhos, quero ser uma avó ativa, quero ver meus netos crescerem, quero estar lá em todas as fases da vida do Luquinha.

E, para isso, há tanto que preciso mudar em relação à minha alimentação... É muito difícil, mas é sempre preciso um começo. Eu tenho plena consciência de que mudei muito ao longo dos últimos 11 anos, desde que comecei a namorar com o Igor. No início do namoro, eu estava na faculdade, morando sozinha. Não tinha tempo de cozinhar, nem sabia... Meu almoço era sanduíche ou biscoito. O Igor me ensinou a dar valor ao almoço e quando casamos, aos poucos, fui aprendendo a me virar na cozinha.

Naquela época, dava para contar nos dedos os legumes que comia. Quando morei nos Estados Unidos, melhorei bastante nesse sentido, mas quando voltei ainda não tinha o hábito dessa alimentação mais rica em nutrientes. Fui adquirindo com o tempo. Hoje, quase todo dia como legumes.

Mas ainda como muita besteira, muito doce, muito carboidrato, muita gordura. Essa semana passei por situações relacionadas à saúde que me deixaram com medo. E resolvi que não é mais questão de querer. Eu PRECISO mudar minha alimentação. Portanto, faço pública a minha lista, para que, assim, eu tenha pelo menos o compromisso de segui-la para que possa dar o acompanhamento por aqui:

- Sem mais refrigerante (já faz mais de uma semana que não tomo e acredito que não será difícil manter essa);
- Bebida alcoólica uma vez por semana,  com máximo de duas doses;
- Fruta diariamente;
- Legumes diariamente;
- Pouco ou nada de alimentos refinados;
- 3L d'água por dia.


Não quero começar a lista restringindo tudo. Mas, ao menos, se eu começar inserindo esses hábitos, acredito que os outros acabem mudando consequentemente.

Por uma vida mais longa e melhor ao lado dos meus meninos! ;)

14 agosto 2015

O papai merece!!!


Hoje foi a comemoração do dia dos pais na escola. E eu tenho que dizer uma coisa... esse pai merece todas as comemorações possíveis! Ainda não tenho detalhes, mas já fiquei sabendo que a música abaixo foi cantada para os pais... Eu não curto Sandy, mas quando ouvi essa letra pensando na relação do Igor e do Luquinha fiquei super emocionada. Não mais emocionada do que fiquei quando hoje de manhã, ao levar o Luquinha para a escola, ouvi ele mesmo cantar. Aguenta coração, papai!

12 agosto 2015

Quarta-feira... já podemos falar do fim de semana?

Crédito: Claudio Medeiros

Fiquei tão triste quando recebi no meu e-mail essa programação... Porque não estaremos aqui nesse fim de semana para podermos aproveitar. :( Ainda mais na vibe que estamos (vide post anterior), de alimentação saudável... Vamos perder uma palestra da Thais Ventura, chef e autora do blog As Delícias do Dudu...

Então, o evento, que acontece no dia 16 de agosto, no Parque Madureira, se chama Programinha Carioca e é realizado pela TV Globo. Todas as atividades são gratuitas. Além da palestra da Thais, haverá contação de histórias, oficinas de arte e música e aula de zumbinha.

Às 9h10, os contadores de histórias do grupo Costurando Histórias vão entreter as crianças com atividades que envolvem oralidade, artes visuais e teatro. Em seguida entra a Thais, que vai falar sobre suas experiências culinárias que prezam por uma alimentação saudável para as crianças. Na sequência, oficinas de música com o grupo Panos pra Manga e aulão de zumbinha com o professor Cleber. Durante todo o evento, os pequenos poderão participar de oficinas de artes, que incluem atividades de desenho, pintura, entre outros.

Atrações:

9h10 - Contadores de histórias do grupo Costurando histórias
10h10 - Palestra com a chef Thais Ventura, do blog de culinária infantil As delícias do Dudu
10h50 - Oficina de música com o grupo Panos pra Manga.
11h50 - Aula de zumbinha
Oficinas de artes durante todo o evento

Data: 16 de agosto, domingo
Horário: 9h às 13h
Local: Parque Madureira, em frente à quadra de futebol

Mais informações, clique aqui! 

11 agosto 2015

Por uma alimentação mais saudável


Pois é, eu não tenho um bebê em casa para precisar falar sobre introdução às frutas. Mas eu tenho um filho lindo e saudável que, embora coma todos os legumes e opções quentes e salgadas com muita facilidade, não comia nenhuma fruta, com exceção da banana (que ele ama).

Então, um dia desses, na feira, falamos com ele: Lucas, você já é um menino. Precisa comer outras frutas, além da banana. Pode escolher, qual delas vamos levar para casa? Ele pensou um pouco e falou: Uva! E assim foi... Disse a ele que ele comeria cinco uvas por semana e ele negociou, pediu que fossem três. Ok... e assim foi. Já no terceiro dia, eu comecei a colocar mais e depois que ele comia eu ia contando a ele.

Não é que ontem à noite, depois de uma semana e meia no processo, ele pediu para eu colocar uva no lanche?! :) #morrideorgulho

Nesse fim de semana, achei que já podíamos introduzir outra fruta. Vi um morango bem vermelho na feira, daqueles que estão quase over maduros e comprei. Marido disse que ainda assim estava azedo... Luquinha não quis comer... Coloquei um pouco de açúcar (eu sei, dei mole...  Mas já estou mudando para o mel e depois a ideia é não ter nada além da fruta) e deu CERTO! Luquinha está intercalando entre uva e morango (além da banana que ele come todo dia).

E assim seguiremos! É claro que, além da frequência, dele saber que tem que comer fruta todo dia, rola todo aquele papo de que "A professora vai ficar muito feliz em saber que você está comendo todas essas frutas" e "nossa, assim você vai crescer e ficar muito forte" e assim por diante. Nenhuma mentira! Só incentivos reais! ;)

Vale dizer que, recentemente, após um quadro de alergia que ele apresentou após comer muito amendoim, fizemos algumas mudanças aqui em casa. Ele tomava Nescau e voltou a tomar leite puro. Foi um grande passo também! Mas ele ainda não aceita tomar sem o doce, então, após a pediatra ter autorizado, introduzimos a sucralose. Mas minha prima já disse que a nutricionista dela sugeriu o açúcar mascavo em vez da sucralose, então vamos testar! Só de ter saído do Nescau, já estou feliz!

08 agosto 2015

Praia!!!

Acordamos 7:30
Luquinha tomou o leite em 10 minutos
Arrumei a mochila em 5
Eu e Igor tomamos café, uns 25 minutos entre fazer e comer
Saímos menos de uma hora depois de termos acordado

E POR QUE É TÃO COMPLICADO???

Rs Não sei, mas sempre tem alguma coisa pra fazer no fim de semana. E quando não tem, chove. 

Mas hoje nada nos segurou! E foi muito bom!! ;) 





07 agosto 2015

#PorFamíliasMaisFelizes #PorMaisProdutividade


O assunto "carreira x família" passou na minha frente três vezes essa semana:

-conversando com minha cunhada;

Na verdade, vira e mexe a gente toca nesse assunto no ambiente corporativo. Onde trabalho há muito muito mais mulheres do que homem e há muitas mães e pais.

Li em um dos artigos acima algo que falei para minha cunhada sem antes ter lido em nenhum lugar, que o fato de pensarmos em nossos filhos como prioridade não é bem visto num ambiente corporativo. É uma visão machista essa de termos que continuar priorizando o trabalho. Até porque não significa que ao priorizarmos nossa família estaremos negligenciando o trabalho. Não são coisas exclusivas. 

Eu acredito que é possível flexibilizar o horário de trabalho. Não só para mulheres, é claro. Para todos os sexos. E isso pode ser benéfico para todos, inclusive para quem é solteiro e não tem filhos. A tecnologia nos permite uma onipresência impensável no fim do século XIX, quando as tais 40 horas de trabalho semanais foram criadas diante da revolução industrial. Agora mesmo, estou na barca, a caminho de casa, escrevendo esse post. Há pouco chequei o e-mail do trabalho e deixei para programar de casa o post de um dos clientes para o domingo. 

Dia desses precisei trabalhar de casa. Tenho certeza absoluta que rendi mais que renderia se estivesse no escritório. Não acho que renderia o mesmo se tivesse isso como rotina. Mas ocasionalmente essa flexibilidade pode trazer muitos benefícios para a empresa e para mim.

Há inúmeros estudos - e evidências, como o que acabei de relatar - que indicam esses benefícios. E há diversas formas de introduzir essa mudança sutilmente nas empresas. 

Acredito que a conversa seja válida para ambas as partes e vejo um futuro diferente. Da mesma forma que as ideias trabalhistas  transformadas em lei no início do século passado não cabem mais em nosso globalizado modelo capitalista, as determinações da revolução industrial precisam dar a vez para as determinações de uma revolução digital.

05 agosto 2015

Rotina escolar

Luquinha sabe como ser feliz... Que seja assim para SEMPRE!

No fim das férias, o Luquinha me disse que não gostava de chegar atrasado na escola. Na verdade, ele não usou essa palavra... Ele disse que não gostava de chegar depois que todo mundo já tinha chegado porque ele ficava com vergonha (todo mundo olha para a porta e vê que ele está chegando). E também porque o tempo destinado a brincar com a "novidade" (o brinquedo que ele leva de casa) são os primeiros minutos, enquanto a turminha toda está chegando. Então, quando ele chega atrasado, não consegue brincar livremente com os amigos e seus brinquedos de casa. 

Combinamos, então, que não vamos mais chegar atrasado. Seremos sempre um dos primeiros. Foi assim nesses três últimos dias. E ele está muito feliz! Não estamos tendo problema nenhum para que ele fique na escola como tínhamos antes, dele chorar e querer que eu fique com ele. 

Mais do que ficar feliz por isso, fico feliz por ver que ele está crescendo. Conversamos sobre o que o incomoda e conseguimos resolver. É o máximo isso! Até pouquíssimo tempo atrás (será que o tempo sempre voa quando se é mãe?) ele ainda era um bebê que mal sabia falar! :) 

03 agosto 2015

Volta às aulas


Diferente da primeira semana de férias, Luquinha não poderia ter se divertido mais na segunda! Passou alguns dias na casa da minha afilhada brincando sem parar, depois brincou por horas sem fim com sua prima Sosô e, então, no fim de semana, recebeu alguns amigos da escola em casa para mais festa! E no domingo ainda brincou mais com a prima Sosô! 

No domingo de manhã fomos fazer o trabalhinho de férias da escola. Ficou lindo! Luquinha registrou todos os momentos, desde a diversão em massa até o dia em que foi parar no hospital devido à alergia a amendoim. 

❤️

Férias curtas e inesquecíveis! 😜