26 agosto 2014

Sobre o fim de semana passado...


Não tem um único fim de semana nosso que não é agitado, cheio de programas, cheio de compromissos. É ótimo, mas é também cansativo. Mas é a vida! Eu adoro sair de casa, então não posso reclamar! Gosto mesmo de uma bagunça, de uma agitação, e Luquinha parece ser que nem eu, gosta de estar no meio do povo.

A foto acima foi tirada na casa dos avós do seu amiguinho Matheus, que ganhará em breve uma irmãzinha chamada Melissa. Fomos no chá de bebê no sábado e Luquinha se divertiu demais. Tio Cavatti gosta de uma bagunça e, além da cama elástica, ligou a mangueira e jogo nas crianças. Luquinha ficou que nem pinto no lixo.

Nesta foto abaixo, ainda estávamos lá e Luquinha estava chorando porque... Não lembro. Mas lembro que ele estava com sono e estava tomando um suquinho. Depois, na maior cara de pau, foi lá na tia Pris e pediu um pirulito, que estava enfeitando a mesa do bolo. Ela deu, é claro. ;)


No mesmo dia, à noite, eu tinha o aniversário de uma amiga para ir, a Mel. Tínhamos combinado que eu ia sozinha, e marido ia ficar em casa com ele. Mas minha mãe veio para a cidade e marcou com uma prima que não via há muitos anos um jantar, queria levar o Luquinha. Luquinha foi com ela e minha mãe nos deu uma carona para o niver da Mel, que está simbolizado na ooooutra foto. Esta, abaixo, é do Luquinha meio de mau humor porque a gente teve que acordar ele para conseguir sair no horário.





Para completar o fim de semana, fomos dar uma volta de bike aqui perto, eu e Luquinha somente. Fomos na pracinha, ele encontrou uma amiguinha do colégio (e foi lindo ver como ele só queria brincar com ele, ficava toda hora "cadê ela, cadê ela?". Também jogou bola com um amigo um pouquinho mais velho depois que ela foi embora. E tomou picolé de uva, sujando toda a bike. Mas a gente nem ligou porque estávamos muito felizes. rs


Para fechar o fim de semana, fomos jantar com seus dindos e com sua prima querida que nós amamos tanto! Eles brincaram muito, correram muito, fizeram muita bagunça no restaurante e nós matamos nossa vontade de comer batata-frita! ;)

22 agosto 2014

Altos papos



Já há alguns meses, sempre que eu e Luquinha estamos sozinhos, batemos altos papos. E, é claro, conforme a fala dele vai evoluindo, os papos ficam cada vez mais interessantes. Hoje, por exemplo, quando chegamos em casa, fui contar para ele algumas histórias. Estávamos brincando no quarto e eu contando para ele histórias sem parar, sem pé nem cabeça, sem começo, meio e fim. Apenas estávamos brincando.

Foi então que eu lembrei de uma das músicas de um dos DVDs da Xuxa só para baixinhos, que é um cara cantando sobre os animais. Ele descreve o animal e depois faz o som de outro. Uma criança ao fundo o corrige. Fiz a mesma coisa com Luquinha, mas não só com animais. Fui pegando ideias que ele já tem formada na cabeça e falando coisas diferentes para ver se ele ia me corrigir.

E foi muito engraçado!!! Falei, por exemplo, que a princesa Ana (do Frozen) foi correndo encontrar seus amigos, os sete anões... Na mesma hora ele me corrigiu:

- Não, mamãe, os sete anões não são amigos da Ana. Quem é amigo da ana é o Olaf.
- E quem é a princesa amiga dos sete anões?
- A Branca de Neve, mamãe!! Ela é amiga deles. Eles fogem da bruxa. A bruxa má, que dá a maçã estragada para ela.
- Luquinha, como é que você sabe essa história? Quem te contou?
- Ela (apontando para o ar... medo...).
- Ela quem???? (já bo-la-da né).
- A Branca de Neve, ué.

rsrsrsrsrs Bem, alguém, em algum momento, contou a história para ele e ele gravou.

Ontem mesmo estava falando sobre isso, como ele grava as coisas que vê e escuta mesmo uma só vez.

Foi uma noite agradável! :)

21 agosto 2014

{{Floripa 2014}}

Sim, sim, este post deveria ter entrado no blog há mais de um mês, mas nunca é tarde, não é mesmo? Antes agora do que daqui a anos, quando eu pensar: "queria mais detalhes daquela viagem a Florianópolis" e não encontrar nenhum registro sobre isso. :) Não que eu lembre dos detalhes... Já faz mais de um mês, né... rs Mas eu lembro das emoções, que é o que importa. É sempre gostoso viajar com Luquinha e com o Igor! Foram apenas três dias, mas eu voltei de lá renovada! Parecia uma semana, sem brincadeira.

Fomos para comemorar o aniversário do Igor. <3 Eu adoro essas comemorações com viagens! Então, ele viu uma promoção no Groupon e, como já conhecíamos a cidade, nós dois, tendo ido às principais praias, sabíamos que seria uma viagem para relaxar, e não daquelas que a gente tem que fazer tudo ao mesmo tempo para aproveitar bastante o lugar e conhecer tudo o que tem para conhecer em apenas três dias.

Ficamos num hotel muito bacana em Jurerê Internacional, coincidentemente, uma praia que não visitamos nas outras vezes que estivemos na cidade. O hotel era simplesmente o máximo, e dava direto na praia (depois de passar pela área da piscina, que estava gelaaaaada). Aliás, apesar dos dias lindos de sol, estava bem frio. Tudo bem que eu cheguei a ficar de biquini para pegar um solzinho né (era a única na praia, onde as pessoas passavam literalmente cobertas da cabeça aos pés). Mas Luquinha, que já adora uma praia, entrou na onda comigo (só não literalmente porque era uma praia sem onda, mas se não fosse... rs), e ficou de sunga o tempo todo em que estávamos na praia. Ele entrou no mar, caçou tatuí, fez amizades... Todo todo! ;)

Todo o tempo que aproveitamos fora do hotel foi destinado a programas gastronômicos que valeram cada centavo gasto. As dicas foram da minha amiga querida Heda Wenzel, do 30 trips. Apesar de morar no RJ há anos, ela é de Floripa e todas as dicas que deu foram preciosíssimas! Adoramos cada lugar!

Bem, ainda bem que este não é um blog de gastronomia, porque eu não lembro exatamente os nomes do lugares que ela indicou. Hahahahahahaha Mas se alguém quiser dicar futuramente, ainda tenho seu e-mail e posso encaminhar sem problemas! =) Eu posso garantir que todos os restaurantes tinham pratos deliciosos, eram localizados em cenários lindíssimos e fomos muito bem atendidos!

Luquinha que o diga! Comeu pirão, camarão, tainha e tudo mais que vocês podem imaginar que se encontra numa ilha! Deu um show de paladar! Não pedimos prato especial para ele em nenhum restaurante. Em todos ele comeu a mesma coisa que nós comemos. Muito bacana!

Bem, foi uma viagem para relaxar. ;) Abaixo, alguns momentos registrados.

Ps. Luquinha tinha acabado de ganhar seu patinete. Levamos na viagem e foi a melhor coisa que fizemos. Ele simplesmente andou com o patinete para lá e para cá. A todos os lugares que íamos, ele ia sobre as rodas, todo serelepe. rs

Ps2. Alugamos carro para ficar na cidade, e a segunda melhor coisa que fizemos foi ter levado a cadeirinha, pois seu aluguel seria quase mais do que o aluguel do carro. Por isso, esta é uma recomendação importante. Não custa nada levar a cadeirinha. :)






















Ele é tão independente!!!


Ok, não é assim tãããão independente, mas no último fim de semana tomou uma atitude totalmente independente. Estávamos marcando com minha tia dela encontrar conosco no chá de bebê da minha prima, sábado à noite. Minha afilhada, de oito anos, perguntou se o Luquinha podia dormir na casa dela. E, como tínhamos um programa para fazer lá perto no dia seguinte, disse que sim. Ela nem acreditou, ficou eufórica! 
Eu perguntei para o Luquinha antes, é claro, se ele queria dormir lá e ele disse que sim, ficou todo animado. Mas eu não tinha certeza se ele ia querer meeesmo. De qualquer forma, preparei a mochila dele. 

Fomos para o chá da minha prima, ele se divertiu horrores com as crianças, e na hora de ir embora estava completamente exausto. Entramos todos no carro, e fomos deixar a minha tia e minha afilhada em casa.

Quando chegamos, ele saiu do carro com a gente e eu perguntei novamente se ele queria dormir lá. Ele, decidido, disse que sim. Eu expliquei que eu e seu pai iríamos para casa e ele ficaria lá sozinho com elas. E ele continuou mantendo sua decisão. Colocamos a mochila nas costas, ele deu a mão para minha tinha e foi. Simples assim. Sem nem olhar para trás. 

Chegaram em casa, colocaram o pijama, tomaram Nescau, assistiram desenho, dançaram e cantaram e dormiram. 

No dia seguinte de manhã, meu tio passou pelo quarto às 7h e viu que ele estava acordando, olhando minha prima ainda dormir. Às 8h ela acordou com ele olhando para ela. rs E só, então, eles foram lá no quarto acordar a minha tia. 

Não é para ficar apaixonada demais???? 

Tomaram café, dançaram e cantaram e ficou feliz até a hora em que fomos buscá-lo. <3

Está crescendo o meu menino! 

20 agosto 2014

5 motivos que me fazem amar a escola do Luquinha


1- O carinho das professoras e das ajudantes com o aluno.
É claro, como pais, esperamos que eles sejam sempre tratados com carinho e atenção. Principalmente quando são ainda tão pequenos e a única coisa que precisam é justamente disso. Mas, ainda assim, eu admiro a paciência que vejo todos os dias e em todas as ocasiões, não só da professora que tem todos os olhos voltados para ela, mas também das ajudantes. Ver seu filho sendo tratado tão bem não tem preço.

2- A transparência.
Nas duas vezes em que Luquinha se machucou na escola, na mesma hora eles nos telefonaram e explicaram minuciosamente o que aconteceu. Antes mesmo de chegarmos, prestaram os primeiros socorros, limpando o machucado, colocando gelo e dando colo. Pode parecer o óbvio, e é, mas eu valorizo esta transparência e tenho plena noção do quanto é difícil e de altíssima responsabilidade a arte de cuidar dos filhos dos outros. Por isso, a transparência, para mim, principalmente nestes momentos delicados, é primordial.

3- A atitude e a preocupação.
O portão onde o Luquinha prendeu o dedo foi trocado. A professora e as ajudantes ficaram muito atentas para que nada mais acontecesse com o Luquinha durante algumas semanas. Ele ficava o tempo todo sob supervisão, para garantir que não iria se acidentar novamente. Algumas semanas antes das férias de inverno, Luquinha começou a chorar na hora de ir para escola. Foi uma fase, que só passou agora, há uma semana. Durante todo este tempo, tive conversas com a professora, que estava empenhada em identificar possíveis causas. Ela agendou, inclusive, uma conversa com a coordenadora pedagógica para entendermos o que poderia estar acontecendo. A conversa foi esclarecedora e em questão de semanas tudo voltou ao normal. Todas as vezes que Luquinha fica dois dias sem ir à escola, elas ligam para saber se está tudo bem com ele.

4- A preocupação em tornar os alunos cidadãos do bem.
O convite que recebi para ir à sala de aula representando Chapeuzinho Vermelho, enquanto o Igor lia a história e a Alê, mãe da amiguinha Mariana, representava o lobo é uma das ações que eles fazem para aproximar os pais da rotina das crianças. Os pais, na verdade, têm liberdade para sugerir estes encontros, nos quais uma variedade de ações pode ser realizada. Seja referente ao teatro, à leitura, à gastronomia... Ao que for. Os pais são sempre bem vindos. Além disso, eles sempre estão envolvendo a escola inteira num mesmo projeto, como está sendo este da leitura no segundo semestre. A escola é realmente muito humanizada. E eu valorizo isso demais!

5- O Luquinha é feliz lá.
Preciso de motivo maior? Ele adora a escola! Ele adora os amiguinhos! Ele adora a professora e as ajudantes e sempre fala de todas! Ele realmente é feliz na escola e isso, neste momento, é motivo mais do que suficiente para eu adorá-la também! 

18 agosto 2014

♫ A gente não quer só comida... ♩

Sou cada vez mais fã da escola do Luquinha. O foco deles, para toda a escola, neste segundo semestre, é a leitura. Luquinha e os amiguinhos levaram seus livros preferidos para a escola e agora começou uma troca de livros. Cada fim de semana, uma leitura diferente. Neste fim de semana, recebemos este livro que conta a história da lagarta Percival e as borboletas. É fofa, interativa e ainda ensina as crianças as letras e os números. Luquinha adorou! 

No domingo, fomos ao teatro ver uma peça da Peppa Pig, a porquinha mais adorada do momento. Luquinha, a amiguinha e a prima se esbaldaram! Gostaram muito mesmo!!! Eu, que não sou crítica de teatro nem nada, achei fraca a peça, principalmente se comparada à que assistimos da Galinha Pintadinha no ano passado. Mas tenho que admitir, a peça (da Peppa) atingiu seu objetivo: entreteve e divertiu as crianças do início ao fim!

E não é só Luquinha que se diverte! As mães também entram na brincadeira! Hoje, eu e a Alê, mãe da Marianinha, amiga do Luquinha, estivemos na escola com o Igor, meu marido, para encenarmos a história da Chapeuzinho Vermelho! A Alê comprou uvinhas, eu levei a cesta de vime, e a escola emprestou os acessórios para caracterização. Não sei quem se divertiu mais com tudo isso, as crianças ou a gente! :) É ou não é para amar?

16 agosto 2014

Porque hoje é sábado!


A gente ama sábado porque é dia de jogar bola!!!


A gente ama o sábado... Porque é dia de pracinha!
Porque é dia de supermercado com o cabelo cortado!!! <3

15 agosto 2014

100% no momento presente


Já tem mais de dois anos que fiz o curso de respiração da organização internacional Arte de Viver. Na época, por serem meu cliente, precisava entender melhor os serviços que ofereciam e por isso fiz o curso. Adorei, já falei sobre isso aqui outras vezes.

Foram muitos os aprendizados durante o curso e durante todo o tempo em que trabalhamos juntos. Um deles ficou marcado e é daqueles ensinamentos que ficam para sempre, passam a fazer parte da nossa essência:

esteja 100% no momento presente

É muito difícil. E é preciso manejo, não basta deixar acontecer, porque as coisas não acontecem assim. Na verdade, acontecem exatamente de forma oposta. O comum é que a vida nos leve no piloto automático. E, desta forma, ninguém consegue estar 100% no momento presente.

Mas eu insisto, por todas as crenças que eu tenho sobre a vida, mas sobretudo porque eu quero que cada segundo com o Luquinha seja muito bem aproveitado.

Eu não consigo estar 100% no momento presente o tempo todo, mas eu tenho certeza que os momentos nos quais mais me esforço são os que estamos juntos em família.

Mas até nestes momentos, o esforço é necessário. Porque é bem comum me pegar pensando nas coisas que tenho que fazer durante a semana, quando estou no quarto brincando com ele de alguma coisa. Ou até mesmo quando estou tão preocupada tirando mil fotos, penso que preciso parar com aquilo e viver de fato aquele momento em vez de ficar registrando-o para um futuro que ainda nem existe.

Enfim, viver no momento presente, ainda mais 100%, é muito difícil. Mas vale cada milésimo de esforço. :)



13 agosto 2014

Bye bye mamadeira

Sério... tem coisa mais chata que lavar mamadeira??? Tem, eu sei, mas vamos combinar que lavar mamadeira é chato demaaaaais. E, eu sei que pode parecer absurdo - e é -, mas o meu principal objetivo ao tirar a mamadeira neste momento é não precisar lavá-la mais. Ufaaa, que alívio...

O Luquinha só tomava mamadeira de manhã e de noite. Quando acordava e quando ia dormir. Escovava direitinho os dentes antes e depois delas. Não tinha ainda sido pedido pela pediatra, nem pela dentista que tirássemos as mamadas. Mas eu já estava percebendo que ele não ligava muitooooo mais assim para ela... Se estávamos na rua, por exemplo, e tivesse um suquinho antes de dormir, ele tomava. Em qualquer recipiente.

Então, resolvi que tiraria a mamadeira aqui em casa. Simplesmente entreguei para ele o leite no copinho com tampa e falei: aqui está seu leitinho.

No primeiro dia, sabe quantas vezes eu falei "toma o leite, Luquinha"? Nem sei, perdi a conta. Mas foram inúúúúmeras vezes, em todos os tons possíveis e imagináveis.

No segundo dia resolvi colocar Nescau. Ele tomou em um minuto.

No terceiro dia, ele continuou enrolando... E derrubou Nescau na cama inteira porque o furo da tampa do copo não é pequena, né... Cada solavanco que ele dava na cama, o Nescau caía...

Hoje estamos no sexto dia. E eu não sei dizer em que momento exatamente, mas ele já está completamente adaptado. Não fica mais enrolando com o leite na mão, não faz mais cagada no quarto inteiro derramando leite em tudo quanto é lugar, e toma tudo. No mesmo tempo que ele levava para tomar a mamadeira. E, é claro, mais do que nunca (por causa da adição de Nescau), continuamos escovando os dentes após o leite, de manhã e de noite, de forma sagrada!

=) Mais uma etapa concluída.

Agora, o único resquício de bebê aqui em casa é a fralda norturna, que ainda não conseguimos tirar. Na verdade, é mais disposição minha que falta do que preparo dele. Ele fica dias sem sujar a fralda de xixi... Mas aí, num dia, do nada, não só faz xixi, como faz coco também... Aí como faz? rs

Mas uma coisa de cada vez. Ainda temos tempo. =)

07 agosto 2014

Eu tenho tanto orgulho de você

Eu poderia listar tópicos sem fim para falar sobre todas as razões pelas quais eu me orgulho de ser sua mãe. Mas, hoje, neste exato momento, a que está mais me deixando emocionada, é o seu amor e carinho, não só por mim, mas pelas pessoas, em geral. 

Você é um querido. E não é difícil perceber. As pessoas realmente gostam de você, elas se afeiçoam, porque você tem este sorriso meigo, essa felicidade estampa que eu nem sei explicar de onde vem. Eu era bem diferente quando tinha a sua idade, segundo a vovó Helena. Eu era chorona e chata... rs Não tenho essas informações sobre o papai.. Talvez ele te conte outro dia.

Você fala para a gente que nos ama várias vezes ao dia. Você vira com aquela vozinha adorável de bebê/criança e fala "mamãe, te ama!!!". E eu me derreto... E a gente tem um código só nosso... Assim... eu te amo tantoooooooo... Que você fala para mim toda noite, voluntariamente, antes de dormir.

Você também fala isso para seus avós, o que me emociona ainda mais, pois eles te amam de uma forma que nem mesma eu consigo mensurar. 

Apesar de você estar nesta fase, contestando as nossas decisões (o que é ótimo, pois mostra que você tem suas vontades e não tem medo mostrá-las), você é uma criança muito obediente. E isso me orgulha muito também. 

E claro, obvio e incontestavel que eu te amo em todos os momentos, mesmo naqueles que sua obediência desaparece. Porque isso acontece, sim. Mas eu não vou mentir, ou me fazer de modesta. Eu amo o fato de você respeitar as nossas regras, não subir a escada na casa da vovó, não correr para a rua, saber que hora de dormir é hora de dormir e que é preciso sentar na cadeirinha para as refeições, e na outra cadeirinha para andar de carro.

E você já sabe negociar e está aprendendo a cumprir sua palavra. Hoje, por exemplo, a gente combinou que você ficaria um pouco mais no banho para brincar. Eu deixei, mas quando voltei você pediu para ficar mais. Eu disse que tudo bem, mas que quando eu voltasse você ia sair, sem chorar, porque era o combinado e você deveria cumprir o que falou. 

Quando eu voltei, você pediu para ficar mais. Eu disse que não e lembrei a você do nosso acordo. Você simplesmente cedeu e saiu, sem discutir, sem chorar. E eu fiquei feliz demais. Ver você crescendo é lindo e emocionante!

E, para fechar, por último, mas nem um pouco menos importante, você é um menino bom. E isso, nunca, nunca, nunca terá preço! Você apronta, já vi você empurrando amigos, batendo... E em todos os momentos em que isso aconteceu, e nós estávamos perto, o reprimimos e explicamos porque estava errado. Mas você nunca foi o primeiro a bater, você não gosta de ver crianças chorando e sempre vai para perto delas para ser solidário. Você gosta de ser bom e isso é nítido para mim. Que continue assim. 

Eu não sei exatamente qual é o caminho para que você continue sendo carinhoso, amoroso, bom, obediente... E eu não quero que esses elogios virem rótulos. Falei sobre isso online outro dia. Você é o que você é e toda a infinidade do que pode ser. Muito mais do que "apenas isso". 

Mas eu não vou negar que sou um mar de orgulho neste momento só de pensar em todas essas características que identifiquei em você.

Eu te amo! Você é minha razão, minha emoção, meu tudo! <3 

02 agosto 2014

Daquele jeito!!!

Uma das crenças que eu tenho bem claras na minha cabeça desde a adolescência é de que não é à toa que temos dois ouvidos e uma boca apenas. Mas a cada dia que passo percebo que a gente perde muito por não dividir honestamente com as outras pessoas o que passa pela nossa cabeça, nossos medos, angústias, nossas expectativas, sonhos e ideais. 

Temos muito mais em comum do que imaginamos. É tão frequente passar pela minha cabeça questões como "só eu que penso...", ou "será que ninguém mais acha que...". E não raro, quando exponho minhas ideias acabo descobrindo que muitas pessoas têm os mesmos pensamos. Mas nós não falamos. 

O blog atua um pouco como um facilitador. É claro, da mesma forma que podemos super nos identificar, podemos também discordar ao extremo. Mas a democracia nos ensinou a respeitar essas diferenças. 

Agora mesmo, por exemplo, Luquinha está numa fase super difícil e eu me pergunto se os pais estão passando por algo parecido em casa. Está contestando, não está cedendo, está fazendo birra, está chorando para ir para a escola, e de ontem para hoje (eu sei que é um período muito curto de tempo para avaliar, mas eu diria que é uma amostra do que deve estar acontecendo na semana dele) chutou e empurrou amiguinhos que estavam brincando com ele. Algo bem incomum para ele.

Eu sei que é uma fase e muito do que vai acontecer daqui para frente depende de como eu e meu marido vamos nos posicionar diante dessas atitudes. Mas só queria desabafar. É a parte mais difícil da maternidade até agora. rs

Porque é muito difícil dosar, saber o quanto a gente tem que ser dura, o quanto a gente tem que se compreensiva, o quanto a gente tem que colocar de castigo, e o quanto a gente tem que deixar que eles aprendam a se defender (porque, em alguns casos, essa era a questão).

Bom... depois de me perguntar e pensar que talvez fosse uma coisa só do Luquinha mesmo, conversei com alguns pais de crianças da mesma idade. E descobri que todos passam por algo assim neste momento. Algumas em doses menores, outras em doses maiores, nenhuma de forma igual. Afinal, são todas crianças diferentes, com personalidades próprias e DNA único. :)