23 junho 2014

Frozen

Dá uma olhada neste post aqui e depois volte para ler o resto... Conheci o blog através do meu trabalho. Foram diversos os posts que me deixaram emotiva, mas este, em especial, mexeu comigo. Acho que porque me fez ver o quanto somos pequenos. O quanto achamos que podemos viver tudo, saber de tudo, mas o quanto não sabemos de nada. São tantas perspectivas sobre uma coisa só... E nunca serão suficientes. Sempre haverá aquela que nós desconhecemos.

Let it go... Realmente, às vezes, simplesmente não temos mais nada a fazer, senão aceitar o que é. Fiquei triste, pensei no Lucas, agradeci pela saúde que ele tem, e pensei em como deve ser difícil para as mães verem seus pequenos, tão frágeis e dependentes de nós, indefesos.

Nem posso imaginar. Me faz sofrer tanto, só de pensar.

Fiquei tão tocada, que à noite resolvi alugar o filme e assisti com Luquinha. Ele adorou e eu também. Mas não consegui deixar de fazer relações constantes com a vida, influenciada pelo post que havia lido horas antes. Até achei que não tinha nada a ver a tradução... Livre estou... com let it go... Mas depois pensei que tem relação, sim. Afinal de contas, quando "deixamos estar" nos libertamos, não é mesmo?

Nós somos frágeis demais. Sempre que penso nisso, penso que é por isso e justamente por isso que temos que ser fieis aos nossos sentimentos, temos que viver o que queremos viver, sendo 100% do que podemos ser. Seja o que for, quando for, onde for, é a única forma de estar preparado para o que der e vier. Sabendo que você está fazendo o seu melhor, sendo a melhor versão de si mesma.

É tão simples, mas é tão difícil... Mas a gente tenta. E, aos trancos e barrancos, acaba encontrando o rumo certo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário