30 junho 2013

Quer ficar de castigo?

Ontem li no blog da Gabi, o Bossa Mãe, um post sobre castigo. Não tinha planejado escrever nada sobre isso, até o momento em que perguntei, somente hoje, pela QUINTA vez ao Luquinha: você quer ficar de castigo?. Então, resolvi estender meu comentário no post da Gabi e escrever também sobre o assunto.

Como eu disse a ela, Luquinha já sabe o que é castigo. Ele começa com um tom de voz mais firme, um rosto bem fechado e palavras rodeadas de não (você não pode bater na Tangerina, você não pode jogar o brinquedo na televisão, você não pode, não pode, não pode!!!). Vem o castigo, cinco minutinhos no silêncio, sem brinquedo, sem chupeta, sem nada. E é seguido de um pedido de desculpas, caso tenha machucado alguém, e um abraço.

Não, eu não li que devia ser assim em nenhum lugar, não tenho a menor ideia se tem fundamento psicológico ou não este processo. E lá em casa, quando eu era criança, não era exatamente assim, mas era muito parecido.

Pois bem. Luquinha sabendo já o que é castigo, hoje ele aprontava, eu olhava para ele com aquele olhar (que minha mãe conhece bem... Aliás, eu aprendi com ela) e perguntava: você quer ficar de castigo??? E, é claro, ele me respondia que não e... pasmem... Parava o que estava aprontando no mesmo momento.

Consegui evitar umas cinco cenas de manha só com essa tática. E resolvi parar quando percebi que ela estava prestes a perder o efeito.

A psicologia tem mil teorias para divulgar, inúmeros "pode, não pode". Mas quem garante o resultado? Nós somos indivíduos, únicos, recebemos as informações de maneiras diferentes, repassamos nosso conhecimento também desta forma.

Eu acredito que algumas coisas podem ajudar e me baseio nisso aqui em casa: coerência, confiança e bom senso. Difícil mesmo é usar as três no momento caloroso, como quando ele chuta a bola em cima da cachorrinha de um quilo, cardíaca, que passa mal umas cinco vezes por dia.

Eu não tenho fórmula mágica, muito menos estou aqui dizendo o que é certo ou errado. Estou apenas dizendo como as coisas acontecem aqui em casa. ;) Tem funcionado e não se mexe em time que está ganhando. rs

29 junho 2013

Vamos falar de papinha?

Eu não queria que fosse tabu. Mas é. Lembro que um dia, em um dos grupos de Facebook que faço parte, vi um comentário mais ou menos assim: "outro dia vi uma mãe na fila do supermercado com um monte de papinha no carrinho. Que mãe é essa, gente, que não faz comida para o filho? Vontade de matar!!! Quase fui falar com ela!". Bem, você que está lendo pode até concordar com ela. Mas eu, PARTICULARMENTE achei um absurdo o comentário.

Em primeiro lugar porque ninguém sabe a história dessa mulher. Se ela estava comprando simplesmente porque é papinha que ela dá para seu filho sempre; se ela estava comprando porque precisaria viajar e deixaria o bebê com uma pessoa que não tem disponibilidade para cozinhar e que já estaria prestando um favor a ela ao ficar com seu filho; se ela ia viajar com a criança para um lugar sem fogão e sem possibilidades de comer algo que não seja a papinha industrializada... Enfim, é uma infinidade de situações possíveis. Nem a moça do comentário, nem ninguém tem o direito de julgá-la por isso, muito menosssss ir falar com ela. Alooooowww???

Mesmo defendendo o direito da moça de fazer o que ela bem entender em relação à alimentação do seu filho, eu não dou papinha industrializada para o Luquinha. Não gosto de cozinhar, mas tenho o maior prazer - de verdade - de cozinhar para ele! Semana passada fiquei toda orgulhosa porque fiz batata baroa, brócolis, chuchu, franguinho grelhado com cebola e arroz de brócolis, e ele amou tudo (ai que orgulho rsrsrsr dele e de mim ;)). Mas nem penso duas vezes se vou viajar com ele para a praia, por exemplo!

Eu teria tempo de fazer a comida no final de semana. E teria onde fazer também. E seria tranquilo dele comer. Mas e a diversão? E a praia lá fora? E a liberdade de ir e vir na hora que quisermos? Nananinanão! Passo no mercado, encho o carrinho de papinhas, assim como a moça lá de cima, e coloco na mala. Posso passar o dia inteirinhoooo fora de casa, posso almoçar às 15h, ou nem almoçar, mas o almoço, lanche e jantar do Luquinha estão garantidos! Assim como a SUA, a minha, a NOSSA diversão!

Ele acaba comendo de novo quando vamos almoçar. Mas pelo menos fico tranquila na praia, sabendo que ele já comeu, está alimentado e sem fome!

Além disso tudoooo, hoje em dia há papinhas mais naturais! Uma vez li uma reportagem em uma dessas revistas de crianças, Crescer ou Pais& Filhos, sobre as papinhas atuais, sem conservantes. Não me convenceu... A papinha em questão era da Nestlè. E a Nestlè é GIGANTESCA... Como eles fariam tantas papinhas assim sem conservantes? Sei lá... Sendo verdade ou mentira, também entra aqui em casa. Luquinha gosta e não vejo mal em dar de vez em quando. Mas quando compro, não compro porque é um produto "natural" como diz a propaganda (e a matéria duvidosa).

As que eu confio que são naturais mesmo são as de fruta da doPomar, que conheci esses dias através de uma amiga, e as de almoço e jantar do Empório da Papinha. Não compro outras porque não conheço outras. Conheço essas e aprovo! As de fruta, da doPomar, eu mesma aprovei, assim como meu marido! Experimentamos antes do Luquinha e pela primeira vez gostei de uma papinha!

O principal das papinhas desses dois lugares é que elas não têm conservantes ou produtos químicos. Pode-se dizer, por isso, que são 100% naturais.

Bem, quem me conhece, sabe que eu não sou a melhor pessoa para falar de alimentação saudável. Eu luto diariamente para me forçar a ser mais saudável neste sentido. Já melhorei bastante, mas ainda há muito o que fazer. Em relação ao Luquinha, já fui bem rígida até o primeiro ano. Nos últimos meses fui deixando que ele experimentasse sabores novos, como chocolate, sorvete etc. E realmente não me importo dele comer essas coisas, depois de ter ingerido os nutrientes que ele precisa para uma vida saudável. Além disso, "besteira" sempre com muita moderação.

Hoje não estávamos na praia, nem passamos o dia fora de casa. Mas não tínhamos fruta em casa e vamos à feira só amanhã. Recorremos à papinha! Aliás, Luquinha está mesmo um homenzinho. Abriu, tomou a papinha e fechou a embalagem. Só faltou levantar e jogar no lixo (o que ele já faz, mas não fez nesta ocasião rsrsrs

Acredito que estamos num nível ideal. Nem muito lá, nem muito cá. E eu tenho que admitir. Luquinha come muitooooooooo melhor do que eu! ;)



25 junho 2013

Produtos multi-uso para bebês

Lembro até hoje da minha surpresa ao descobrir que existia um mundo paralelo das mulheres grávidas e com bebês! Foi um choque: uma infinidade de informações que eu nunquinha antes da minha vida tinha tido acesso! Eram sites e mais sites, dicas e mais dicas, produtos e mais produtos.

E na hora de fazer o enxoval, um capítulo a parte. Uma amiga me encaminhou um enxoval que tinha recebido de outra amiga (porque neste mundo maternal nada é diferente, nada se cria, tudo se copia, pq não temos tempo a perder rs) com uma lista gigantesca!! Foi ótimo, porque usei como base. Mas se eu fosse comprar toda a lista, estava falida e com dívidas eternas. rs

LISTA DE ENXOVAL COMPLETÍSSIMA

Mas a melhor surpresa de todas é descobrir produtos multiuso! A própria fralda de pano! Nem consigo listar todas as suas utilidades... Mas lembro das principais: paninho para dormir (o melhor dos usos); limpador de boca; lençol para recém-nascido; babador. A compra desnecessária (lá em casa... tem gente que usa) foram os paninhos de boca. São tão lindos... Comprei vários. Usei pouquíssimos porque a fralda de pano resolve ainda todos os meus problemas neste sentido. O cueiro é o segundo da lista! Foi tão usado nos primeiros meses do Luquinha! Serviu de lençol, cobertor, manta, charutinho!


A fraldinha servindo de aconchego E segurando a chupeta para evitar que ela caia direto no chão
Agora, o que é o óxido de zinco na nossa vida? O negócio serve para tudo que você pode imaginar! Qualquer irritaçãozinha na pele, tasca-lhe óxido de zinco! Dizem que o Hipoglós é o melhor. E, realmente, quando o Luquinha começa a ficar assado, ele é tiro e queda! Mas outros cremes sempre funcionaram muito bem lá em casa e nós temos a chance de usá-los por causa das viagens do marido: Desitin (EUA), Sudrocrem (Inglaterra) e Cicaplast Baume B5 (França).

O Cicaplast é uma das pomadas mais prescritas pelos dermatologistas na França e chegou ao Brasil há pouco tempo! Fiquei sabendo dele através da La Roche Posay (a Loreal é cliente na empresa onde trabalho, então a gente fica sabendo sempre que algum produto novo chega no Brasil!). Ele é mais caro que os demais, mas é indicado somente quando o problema aparece, tipo Dermodex! A vantagem é que o Cicaplast pode ser usado também em adultos, no caso de queimadura solar, lábio ressecado, irritação nas dobras (braço, joelho, virilha)...

Cicaplast, da La Roche Posay (L'Oreal), que chegou ao Brasil há pouco tempo e é uma das pomadas mais usadas na França para esta finalidade (mais ou menos como o Dermodex aqui)
Mais um produto que foi super bem aproveitado lá em casa foi a cadeirinha que nos EUA eles chamam de bouncer. Luquinha usou em todas as fases da vida (hahahahaha) até agora. Quando ele era recém-nascido, eu o colocava ali e balançava, enquanto assistia novela, entrava na internet... Depois usamos para dar o papa, porque o cadeirão ainda era muito grande para ele. E hoje em dia ele assiste TV sentadinho ali, mama de manhã e de noite... ;)

Ai que saudade dessa boquinha sem dente!!! ;) Cadeirinha, amiga fiel até hoje!!!
Só mãe sabe o quanto se gasta com detalhes! Esses produtos são aqueles que não podemos deixar de ter porque eles salvam nossa vida em muitos momentos! Diferente do paninho de boca, das trilhões de mamadeiras (duas seriam suficiente... os bicos é que precisam ser trocados), dos milhares de casacos para recém-nascido (por que a indústria tem que fazer tantas roupas de frio fofinhas para os bebês, né??? São lindas, a gente se empolga, compra e eles quase não usam)...

Espero que as dicas tenham sido boas!!!

20 junho 2013

Não sabe o que dar de presente? Dê um livro!

Para todas as minhas amigas que me perguntaram o que deveriam dar de presente para Luquinha em seu primeiro aniversário, eu disse: dê um livro. Hoje, é fofo demais vê-lo entrando no quarto e apontando para os livros, pedindo que eu coloque todos no chão. A felicidade dele é contagiante. E aí ele começa a passar página por página de cada um. Entre sons de animais, expressões engraçadas ao ver algo "diferente" são muitos sorrisos! E ao final de cada um, levanta as mãozinhas para o alto e diz "booo"(acabouuu).

Eu amo livros! Não tenho a ingenuidade de achar que é só porque ele gosta de livros hoje, que gostará amanhã. Sei também que não depende unicamente do meu incentivo para que goste de leitura. Existe também a vontade própria, o gosto pessoal. Mas ao mesmo tempo tenho plena consciência de que este incentivo é muito positivo e, sem dúvida, faz diferença!

É um presente que não é muito dado. Mesmo para as amigas que eu dei a sugestão, nem todas optaram por ela! As pessoas gostam de dar brinquedos. E eu sei, lembro bem, as crianças amam ganhar brinquedos!

Mas eu defendo o livro sempre como uma boa opção! ;o)

O Luquinha tem um ano e meio. Não encontramos muitas listas de melhores livros para esta idade. Até porque não é preciso muito: imagens, texturas, sons, animais, palavras fáceis...

Os que ele mais gosta são os que têm animais! Porque posso ensinar a ele o som que cada um faz. Ele se diverte. E já aprendeu alguns: cachorro, galinha, gato e vaca. Exceto pelo fato de que ele não fala a letra m de jeito nenhum (vou consultar uma fono para saber se isso é comum rs), então o miau sai "auuu" e o moo sai "uuuu". rs

A Crescer listou esses dias alguns livros clássicos para crianças:

http://revistacrescer.globo.com/Livros-pra-uma-Cuca-Bacana/Para-amar-ler/fotos/2013/06/15-livros-classicos-que-o-seu-filho-precisa-ler.html#foto-2


19 junho 2013

Cadê o bebê que estava aqui???

Um final de semana vendo dindo Rafa tocar, já me pega no violão com essa pose toda... Posso?
Lucas está falando algumas palavras: bola, aua (água), papai, wowó (num som que se divide entr v e u rs), tata (Patatá), auau (cachorro), pá (pão), pepe (chupeta), bubu (bumbum), pai (mamãe !!!???), ua (lua), paia (praia) e a mais recente incorporada ao vocabulário é popó (galinha). Algumas ele fala a todo momento, por livre e espontânea vontade (tata, bola, auau, pepe, aua, papai, pai, wowó, ua, pá). Outras ele fala quando tem um estímulo (paia, bubu).

E essa comunicação vai além da fala. Ele parece entender quase tudo que a gente fala. Leva isso, entrega aquilo, traz a bola, não pode, sim, não, vem, fica... E recentemente passou a dizer que não com o rosto. Para mim, essa foi a mais significativa das formas de comunicação até agora. Pois com este gesto ele passa a comunicar exatamente o que quer e o que não quer.

Ele completou um ano e seis meses ontem. E é incrível como eu ainda consigo me surpreender por cada dia ser tão diferente do outro. Mesmo com todas as rotinas do mundo, as coisas simplesmente são diferentes. E essa fase, especificamente, é de tantas mudanças. De um dia para o outro, Lucas deixou de ser um bebê, para ser esse mini-menino, que anda, corre, se comunica, diz não, pede.

Não que ele não se comunicasse antes, mas era em "nenenes". :o)

Passamos o final de semana com minha mãe e meu irmão. E Lucas nos surpreendeu o final de semana inteirinho! Fazia graça para as pessoas rirem, subia em cima da piscininha e começava a dançar, imitava as pessoas... Minha mãe e meu irmão ficaram ainda mais apaixonados por ele.

Hoje, quando fui buscá-lo na casa da minha sogra, ela e o meu sogro, e até a minha cunhada mini de 8 anos,  foram só elogios para o pequeno. Porque ele se comportou muito bem, comeu bastante, não parou um minuto!

É tanto orgulho, que eu nem caibo em mim!

Há dois meses, mais ou menos, mudamos o Lucas de creche. Na verdade, tiramos da creche integral e colocamos numa escolinha, onde ele entrou no Maternal I. A razão para a mudança foi o fato de que na creche ele estava em uma turma com crianças de 4 meses a 1 ano e sete meses, sendo que ele era um dos mais velhos da turma. Não acho que somos (talvez sejamos, mas não percebemos) desses pais que querem estimular o filho a todo custo. Mas o que nos incomodava era o fato de ele estar sendo cuidado, apenas. Ninguém brincava com ele, ninguém conversava, ninguém cantava, dançava, pintava... E acreditamos que eles está em uma idade que precisa deste estímulo. Só que eu não estou em casa para fazer este papel, nem meu marido. Então queríamos que isso fosse papel da creche.

Sem dúvida, as tias que cuidavam dele eram muito carinhosas. E não temos o que reclamar disso. Uma delas chorou tanto quando fomos nos despedir, que eu quase falei "ah, deixa para lá, deixa ele aqui mesmo e não falamos mais nisso". rs

Mudamos e não nos arrependemos nem um pouco. Pelo contrário. Estamos "in love" com a nova escolinha (falaremos sobre isso num próximo post). Toda sexta-feira ele traz trabalhinhos para casa que mostram o que fez durante a semana. É rabisco no papel, tinta, colagem... Vira e mexe o uniforme vem sujo de canetinha ou tinta. E eu adoro! É até engraçado porque quando fomos encerrar o contrato com a creche antiga, falamos diretamente com um dos donos e ele, sarcástico, me perguntou: "o que você espera que ele faça nessa escola nova? Leve trabalhos para casa?". Na ocasião eu disse que não, não esperava isso. Gostaria apenas que Lucas convivesse com outras crianças da idade dele. E olha o destino, como é irônico... Lucas está, de fato, trazendo trabalhos para casa.

A tia dele da escola nova é um amor! A adaptação dele foi muito tranquila! Realmente não sei dizer ao certo o porquê. Talvez porque está numa idade em que isso acontece mais facilmente. Talvez porque já tenha passado por isso na creche. Talvez porque a adaptação tenha sido feita gradualmente, em duas semanas. Eu, meu marido e minha sogra acompanhamos essa adaptação.

Quando eu fui, adorei! Primeiro ele brincou com os amiguinhos novos na quadra, onde tem bola e carrinhos desses de montar em cima e empurrar com o pé para ele andar. Ou ainda motoquinhas. Depois fomos dar comida às galinhas de um mini galinheiro que tem no alto da escolinha. Cantamos uma musiquinha e depois fomos para a sala. Na sala, cantamos mais músicas e foi feita uma chamada super diferente, onde cada aluno tem uma atuação. Como eu fui no primeiro dia, Lucas ainda não entendia como era. Mas quando o pai foi nos outros dias, Lucas entendeu rapidinho o esquema e já passou a fazer parte do grupo! Brincamos um pouco nessa sala e fomos para outra sala. Lanchamos e fomos embora.

Bem, é isso. Post longo em blog é chato, eu sei, mas queria somente deixar registrado esse momento mágico que é 1 ano e meio. 






10 junho 2013

Menino prodígio

Meu sogro bem que tentou fazer do Igor um jogador de futebol profissional. Ele tinha o dom, só lhe faltava a força de vontade e as oportunidades. Algumas até apareceram... Igor treinou no Vasco e chegou a fazer um teste no Flamengo. Mas os treinos diários, de manhã, e a dedicação necessárias o fizeram desistir. A vontade do meu sogro era mais do que a do meu marido. Não posso reclamar, só tenho a agradecer, já que possivelmente não teríamos nos conhecido, se ele fosse um grande jogador de futebol. Nem sou loira, nem nada... rsrs

Mas meu sogro não desistiu! Desde o nascimento do Luquinha, ele vibra, esperando a hora de poder treiná-lo. Antes mesmo de Luquinha começar a andar, o vovô Luiz o presenteou com uma bola de futebol oficial. E Luquinha não tinha como não gostar. Hoje, contabilizamos mais de 10 bolas em casa, entre pequenas, grandes, coloridas e brancas, oficiais ou não. E o menino parece que realmente herdou o dom do pai. 

Sugeri a pauta ao Sérgio Pugliese, meu chefe na Approach, e colunista do caderno de Esportes do jornal O Globo. Semanalmente, Sérgio assina a coluna "A Pelada como Ela É". Luquinha já havia aparecido nela, quando Igor quebrou a clavícula jogando bola. E apareceu novamente, agora ao lado do avô. Segue a matéria, e os posts que a sucederam. 





 http://oglobo.globo.com/blogs/pelada/posts/2013/06/08/futuro-neymar-499397.asp

http://oglobo.globo.com/blogs/pelada/posts/2013/06/09/mamae-sabe-tudo-499490.asp




01 junho 2013

Visita a Portugal no Rio de Janeiro

Programão para fazer com as crianças! De hoje ao dia 9 de junho, no Palácio São Clemente, acontece o evento Escolha Portugal, que traz informações das mais diversas áreas: tecnologia, gastronomia, moda, arquitetura, esportes, cultura etc. Eu não imaginaria que uma exposição, por mais que seja 100% digital e interativa fosse envolver tanto as crianças! Mas, agora, que estou aqui, vendo a interação delas, não é difícil imaginar porquê.

Imagine que há totens digitais espalhados por toda a casa, nos quais você pode tirar fotos que são enviadas para seu e-mail ou Facebook, pode responder a quizz com curiosidades sobre o País e obter informações sobre todos os setores mencionados acima. Além disso, uma sala com projeção 3D com imagens do Santuário de Fátima; um jardim de inverno escurecido, com um mapa de Portugal coberto por uvas, que ao serem pisadas, exibem as regiões de vinhos do País; uma biblioteca virtual, na qual você pode fazer download de conteúdos gratuitos; um quadro com Kinect no qual você pode desenhar e escrever o que quiser, apagando quantas vezes quiser; um domo com projeção 360o que exibe imagens de Lisboa e um jardim lindo, com muitas árvores, que, num dia de sol como hoje, é um paraíso!

Não tem como elas não aproveitarem!

Para os pais, além de toda a riqueza da exposição, vale ainda a visita ao Palácio São Clemente, que mantém suas portas fechadas, abrindo ao público somente para eventos como esse. O Palácio é muito bonito e, apesar de construído em meados do século passado, tem arquitetura inspirada no século XIX. Adiciono aqui algumas imagens que dão uma ideia do que estou falando.

Serviço:

Escolha Portugal
Palácio São Clemente, Rua São Clemente, 424, Botafogo, Rio de Janeiro - RJ
1o a 9 de junho, das 10h às 18h
Inscrições: www.escolhaportugal.com.br
O evento é gratuito, mas é preciso fazer a inscrição no site ou no stand do Botafogo Praia Shopping, 1o andar


Stand da Arte Conventual, confeitaria de portugueses, instalada no Complexo do Alemão, que fornece doces conventuais para as principais recepções do Rio de Janeiro 

Mapa de Portugal digital e interativo, com as vinícolas destacadas

Lisboa, em vídeo dentro do domo, localizado no jardim do Palácio

Jardim do Palácio São Clemente, em vista do domo

Backdrop Escolha Portugal, para entrevistas
Luquinha ainda não chegou por aqui, vem à tarde, com marido e avós, que aproveitarão a degustação de vinhos portugueses, que começa às 16h!