24 maio 2013

Fui atacada por mães enfurecidas e precisei recuar...

As pessoas que acompanham meu blog sabem que eu não sou militante, que eu não gosto de ficar debatendo assuntos como amamentação e parto, e que eu tenho uma opinião diferente da maioria das mães da blogosfera materna. Acima do fato de eu ter uma opinião diferente da maior parte das mães está a questão de que eu realmente não me interesso por esses assuntos. Para mim, a importância da maternidade se resume em outras coisas, como presença, amor, carinho, atenção, cuidado etc. E, na minha visão há muitas outras maneiras de oferecer tudo isso ao bebê, além da amamentação e do parto normal.

Além disso tudo, como eu já disse outras vezes, me perdoem leitoras frequentes, mas o blog não é para vocês, nem para "elas". O blog é para mim! Para que eu possa registrar o que acho importante e para que eu possa dividir o que "acho conveniente", como "um dia" me disseram.

Dia desses eu fui atacada por leitoras fãs de um desses blogs famosos de militância por ter escrito um post falando mal dessa blogueira. Em resumo, falei que ela fazia com que mães que dão NAN aos seus filhos por opção e mães que fizeram cesárea por opção - ou não - são ofendidas constantemente em seu e em muitos outros blogs.

E ainda acho isso.

Mas tirei o post do ar, por dois motivos: o primeiro é porque li e reli o texto várias vezes e uma das coisas que elas me acusaram é de estar ofendendo a tal blogueira, da mesma forma que eu achei que ela ofende as pessoas. E depois de pensar no assunto profundamente, vi que elas tinham razão. Eu realmente escrevi um post ofensivo. E peço perdão por isso.

O segundo motivo: nunca havia passado por isso na minha vida. As mães - ou simpatizantes do movimento - simplesmente vieram em cima de mim como abelhas enfurecidas! Nunca vi nada igual. Fiquei me sentindo muito mal, triste mesmo, o que só aumentou a intolerância que eu tenho com elas. É uma agressividade sem fim.

Mas não vou cometer o mesmo erro que da outra vez, portanto não quero ofender ninguém. Tirei a postagem e me reservei o direito de tirar os comentários ofensivos delas. Por fim, acabei tendo que fazer uma moderação de comentário no blog. Porque, sim, como uma delas disse, eu quero aqui somente o que me é conveniente. E não vejo mal nisso, afinal de contas é o meu blog.

Só gostaria de deixar registrado que a minha visão sobre este ambiente da blogosfera materna é a pior possível. As pessoas se acham donas de uma razão que nem existe, em primeiro lugar. "... não existe razão para as coisas feitas pelo coração".

O que não significa que eu o abandonarei. Continuarei aqui, registrando as minhas impressões sobre o crescimento do meu filho e comentando os assuntos que me interessam. No mundo virtual ou real, todos somos julgados pelas outras pessoas. Isso é, infelizmente, imutável. Poderia ter antecipado que algo assim pudesse acontecer, e talvez até tenha imaginado. Mas nunca imaginei que seria dessa forma.



3 comentários:

  1. Uau... muito bem colocado Julia, qualquer tipo de preconceito é ABOMINÁVEL mesmo. ONDE esta escrito que uma mulher só pode ter filhos pelo método normal? Quantas mulheres morreram antes que se fizessem cesareanas, quantas mulheres não suportam dor em excesso... isso é normal, assim como é NORMALÍSSIMO que cada pessoa faça o que achar ser o melhor para ela e consequentemente para seus filhos. ONDE esta escrito que um bebê criado sem mamar no peito será menos feliz, ou menos saudável, se assim fosse o que faríamos com as crianças que perdem suas mães, que são abandonadas por outras mães, eles estariam fadados a morte? Isso tudo é uma imensa besteira. Graças a Deus estamos no século XXI, eu digo para quem quiser ouvir e pouco me importo com o que pensarem, optei pela cesárea por achar que é menos sofrida o que me faria uma mãe mais feliz após o parto, como de fato aconteceu. Amamentei por 9 meses porque foi fácil e gostoso, mas nem por isso critico ou crucifico quem não o fez, sempre aconselho que faça, mas é direito de cada um resolver se quer ou não. O que importa no final Júlia é vc. amar e dar todo o suporte para que seu filho cresça feliz e saudável. A amamentação, assim como o parto, depende da força, persistência e mais que tudo VONTADE de cada pessoa e já evoluímos os suficiente para entender que isso TEM que ser respeitado. Uma pena que esse tipo de reação ainda exista, mostra que essas pessoas, no meu entender, são preconceituosas, e infelizmente se acham donas da verdade. Se eu mostrar, por exemplo, uma boneca que vc. nunca viu, mostrar a frente e pedir que vc. me descreva.... vc. irá dizer, ah ela é uma menina, tem dois olhos, um nariz, uma boca, orelhas, cabelo, corpo, braços e pernas. Se mostrar para outra pessoa e pedir que ela me descreva as costas da mesma boneca ela me dirá... ah ela tem uma parte grande (costas), tem dois braços, um bumbum e duas pernas.... e aí? Não estamos falando da mesma boneca? são faces de uma mesma verdade, uma não invalida a outra. O que quero dizer, se os bebês nascem de cesárea, parto normal, se são amamentadas ou alimentadas com leite em pó, se vem para nós através de uma adoção, tudo é válido, o que vale é a MATERNIDADE, o amor vem da convivência e esse INDEPENDE de onde e como esse bebê chegou ao nossos braços. Pronto, essa é minha ideia sobre esse assunto. bjo e continue postando, adoro seus comentários, que nem sempre concordo, mas respeito.

    ResponderExcluir
  2. Eu até tentei ser mais ativista, mas achei melhor vivenciar a minha maternidade, que já me dá muito o que pensar. Discussões muito calorosas não me rendem nada de bom. Espero que você volte a registrar mais da sua maternidade! Beijos, beijos!!

    ResponderExcluir
  3. Julia,
    escrevi um post para o "Minha Mãe que Disse" que fala sobre tudo isso:
    http://minhamaequedisse.com/2013/02/radicalismo-a-que-custo/

    Um beijo,
    Marusia

    ResponderExcluir