26 janeiro 2013

.a vida a gente

Ontem estive com uma amiga que está grávida e com sua mãe. Sua mãe disse que as meninas de hoje em dia não gostam de escutar os conselhos dos mais velhos em relação aos filhos. Tive que concordar, logo que o Luquinha nasceu, eu tinha que me controlar para não discordar antes de escutar o que minha mãe, minha sogra e outras pessoas mais velhas tinham para falar.

Só que logo naquele início, alguns meses depois que Luquinha nasceu, eu fui percebendo que muitas coisas que elas falavam eram válidas. E muitas outras, não. Era preciso considerar, ao menos, o que elas tinham para dizer.

E ontem disse para a mãe da minha amiga: o problema não é o que nossa mãe diz. O problema é que todo mundo que está ao redor tem alguma coisa a dizer. E não raro essas coisas eram diferentes entre si.

E lembrei de quando Lucas era recém-nascido e começava a chorar. As pessoas começavam: é cólica, é fome, é sono, é calor, é sede, é dor de barriga, é dor dr ouvido, coloca ele de barriga para baixo, dá o peito, dá água, um chazinho de erva-doce...

Será que não era simplesmente porque ele era um bebê e tinha o direito de chorar? Afinal de contas, qual outra forma de se comunicar que ele tinha?

É claro que as pessoas falam essas coisas com a melhor das intenções. Isso não está sendo colocado em dúvida.

Mas quando elas fazem isso, não percebem o quanto deixam uma mãe de recém-nascido, ainda mais quando é o primeiro filho, maluca.

Eu não discutia. Não ficava argumentando, nem nada. Só ouvia e falava "é, pode ser". Porque podia ser... Podia ser tudo. Podia ser nada.

Mas a mãe sabe. Porque se ela tinha dado de mamar há cinco minutos e o bebê tinha mamado bem, ela sabia que não era fome. E, é claro, tampouco era sede. Se ele estava vestido adequadamente, ao tocar no bebê e sentir a temperatura de sua pele, a mãe sabe se ele está com frio ou calor. A mãe que tem a oportunidade de estar 24/7 com o filho após seu nascimento cria um conhecimento sobre ele que ninguém mais, a não ser o pai, quando está junto, tem.

Há quem duvide disso?

Para mim, isso ficou muito claro e agora, quando olho para trás, é mais claro ainda.

Então, mamães de recém-nascido, duas dicas:

1- escute e considere o conselho dos mais velhos. Muitos deles funcionaram perfeitamente com meu filho, como colocar o paninho no rosto (deixando o nariz livre, é claro) para dormir, virar o neném de barriga para baixo no braço para passar a cólica etc.;

2- não escute tudo o que os mais velhos dizem, principalmente quando falam todos juntos. E se discordar de alguma coisa e nao quiser magoar ninguem, explique que o pediatra sugeriu que fosse daquele jeito e que voce gostaria de seguir o conselho dele. Mas, ainda assim, vale levar para o pediatra a sugestao dada. Muitas vezes eu fiz isso e o pediatra afirmou que aquela informacao estava correta.


22 janeiro 2013

Microondas

Vira e mexe surge alguma pesquisa contradizendo aquilo que havia sido dito, principalmente quando o quesito é saúde. Por isso, sempre que vejo matérias sobre pesquisas, fico com pé atrás e procuro saber tudo: como foi feita a pesquisa, com quantas pessoas, qual foi o propósito, qual foi a conclusão etc. Só que, quando não há comprovação científica, mas há observação, eu confio. Ou, melhor dizendo, considero.

Este vídeo mostra como o efeito do microondas pode ser maléfico à saúde. Não posso dizer que confio totalmente nessas imagens porque não fui eu que fiz e eu não estava lá para acompanhar o processo. Mas é algo para ficar atento. E é um teste que pode ser feito em casa. De uma forma ou de outra, como eu disse, neste caso eu considero a informação. Algumas vezes na vida, é melhor não arriscar. ;)


Fonte: Este vídeo foi tirado do Mamatraca!

18 janeiro 2013

Grudada


Já falei aqui - em alguns momentos, eu acho - do quanto eu sou grudada com Luquinha? Acho que falei, sim. É que eu penso bastante nisso, então não sei se falei ou se pensei, mas a questão é eu sempre achei que seria automaticamente igual à minha mãe como mãe. Não só pela natureza, mas porque eu sempre a admirei e todas as vezes que disse que ela era a melhor mãe do mundo não disse da boca para fora. Eu realmente acredito que ela seja.

Ainda assim, há algumas coisas que a gente sabe que serão diferentes. Como, por exemplo, eu sempre penso que quando o Luquinha derramar uma, duas, três vezes o Nescau na mesa, não vou me irritar com ele. Porque eu fazia isso e minha mãe se irritava sempre. Claro, não era possível que eu não prestasse mais atenção para não acontecer novamente. Só que era. Eu não sei dizer exatamente porquê. Mas SEMPRE voltava a acontecer.

Então, quando isso acontecer com Luquinha, eu sei que não será falta de atenção, ou falta de vontade que aquilo dê certo. Há algumas coisas que simplesmente acontecem, independente da nossa vontade. rs

Enfim, uma das coisas que sempre admirei na minha mãe é como ela é independente e como ela nos criou dessa forma, independente também. Nunca tive problema em dormir na casa dos outros, viajo sozinha com meu irmão desde que nasci, praticamente. Minha mãe nos deixava com a comissária de bordo e minha avó nos buscava 1.000km depois. Passávamos um mês inteiro viajando, fosse na casa da minha avó, fosse na casa da minha madrinha, ou, às vezes, até na casa das duas, 15 dias em cada uma.

Minha mãe me contou que quando estava de licença-maternidade, eu e meu irmão - um ano mais velho que eu - ficávamos com minha avó paterna para que ela e meu pai pudessem ir à praia.

Eu acho isso legal. Acho que o casal precisa dos seus momentos e é saudável, tanto para os filhos, quanto para os pais essa independência controlada.

Só que eu muito não sou assim. Durante a licença-maternidade, acho que foram somente três vezes que me afastei do Luquinha: uma quando eu tive que ir entregar as chaves do apt antigo, outra quando fui almoçar com minhas amigas do trabalho e outra quando fui ao cinema com o Igor.

Outro dia conversava com uma amiga, que tem uma filha novinha, que é ainda mais assim que eu. E aí chegamos à conclusão que isso é muito relativo. Para ela, eu lido super bem com isso, pois vira e mexe vou fazer alguma coisa só com o Igor e Luquinha fica com minha sogra. Para mim, que tenho minha mãe como referência, sou extremamente apegada. rs

Acontece que nunca foi um sofrimento de fato ficar longe por algum tempo. A questão é que eu fico pensando que é um tempo que eu gostaria de estar com ele.

Ontem, por exemplo, íamos ao cinema, eu e maridón. Ele deixou Luquinha na casa da minha sogra e nos encontramos no cinema. Fiquei com uma saudade giga! Não conseguimos lugar no cinema, então fomos jantar. Aí falei: Ah, não vamos chegar tão tarde, então podemos buscar o Luquinha, né... rs "Ni qui" fui interrompida por maridón: Claro que não! Vai estar tarde, ele vai estar dormindo, amanhã passo lá para levá-lo na creche.

O que aconteceu: acordamos e fomos correndo para a casa da minha sogra, para que eu pudesse curtir um tempinho com ele antes da creche. rs

Acho que é preciso um equilíbrio - como em tudo na vida. Nem muito soltos, nem muito presos. Acho que, encontrando este caminho harmonioso, tudo se resolve. ;) rsrsrs

14 janeiro 2013

Andando

Luquinha está andando desde o dia 6 de janeiro. Para quem não tem filho, não há nada demais em ler "desde o dia 6 de janeiro Luquinha está andando", mas para quem tem pode ser confuso. Porque Luquinha está andando segurando nas coisas há meses. Porque ele já deu alguns passos, de um móvel para outro, há algum tempo, porque até o dia 6 eu não tinha ideia de como ia saber ao certo o dia em que ele começaria a andar, porque cada dia era uma novidade que se encaixava dentro deste quesito.

Até que, no dia 6 de janeiro, eu, meu marido e o Luquinha estávamos no quarto dele brincando, quando ele deu passos mais firmes. E eu disse: tá, isso me parece diferente de tudo o que vimos até agora. E realmente era. A partir daquele dia, ele passou a se "jogar" em seus próprios pés, descobrindo um novo mundo, uma nova perspectiva.


O jeito que ele anda é muito fofo! Com as mãos para frente, para se equilibrar, que nem um robozinho! :) Uma graça! Neste final de semana, andou na grama e na terra, experimentando "novos sabores"! rs No início ficou com aquela carinha de nojo engraçada rsrs Mas logo se acostumou!

09 janeiro 2013

Aniversário de um ano {finalmente}

Luquinha, com papai e mamãe na manhã do seu aniversário de um ano, no dia 18 de dezembro de 2012 (a festa foi no dia 15 de dezembro)

Ai, estava com tanta preguiça e ainda estou de escrever este postttt... A verdade é que a festa foi ótima, mas foi tão cansativa e foi tanta coisa que a gente fez, que só de pensar em relatar tudo, já canso. rs

Mas vamos lá! Além de registrar este momento para que ele faça parte do futuro livro pessoal que pretendo fazer deste blog, acho legal dividir para dar dicas para as mães que ainda vão passar por isso, ou que estão passando neste momento e poderiam aproveitar algumas ideias. Então, mais do que texto, acho que é importante que essas mães vejam as fotos, para que possam entender como ficou cada detalhe.

Quanto à parte do texto... A festa foi ótima, convidamos muita gente, mas sabíamos que muitas pessoas não poderiam ir porque final de ano é isso aí, festa que não acaba mais. Todas as pessoas que estiveram conosco neste momento são muito especiais! E as que não puderam estar também. ;) Mas ficamos felizes com tantos familiares e amigos por perto para celebrar um ano da data mais importante de nossas - minha, do Igor e do Lucas - vidas.

Deu trabalho! Não só porque foram muitos convidados, mas porque fizemos tudo por conta própria. Tivemos ajuda da família, que foi primordial. Ainda assim, não tem como não ser cansativo. No final da festa, exausta, nem queria dormir, só de pensar em tudo o que eu teria que arrumar em casa (porque a festa foi no play) no dia seguinte. Queria arrumar naquele momento mesmo! Só que meu marido, sensato, me convenceu que era melhor descansar e deixar isso para o dia seguinte. Também... no dia seguinte, antes do meio-dia estava tudo arrumadíssimo!!! rs

Compramos os itens das lembrancinhas; os descartáveis; os itens da decoração - exceto da mesa do bolo, que, junto com os brinquedos (pula pula e área baby), que alugamos de uma empresa do Groupon -; fomos à Cadeg no dia da festa, bem cedo, para comprar as flores que ficariam dentro das latas de NAN que guardamos por meses, em cima das mesas dos convidados; encomendamos os salgadinhos; encomendamos o bolo quatro dias antes da festa (sem brincadeira, o melhor bolo caseiro que já comi na vida, que minha falecida vó não me escute hehehe); contratamos as pessoas para servir os convidados; alugamos mesas e cadeiras, e as limpamos antes da festa porque chegaram sujas; enchemos e penduramos os balões; minha sogra e minha mãe fizeram os docinhos, gelatinas e mousse; minha madrinha fez o cachorro-quente; contratamos a dupla Axullé e Axupé para animar a criançada (um dos dinheiros mais bem investidos da festa); encomendamos o ímã com foto do Lucas, que ficou lindo demais; encomendamos pelo Elo 7 os adesivos para parte da decoração da mesa; compramos os livrinhos para colorir pela internet também... Ai, acho que é isso... Não consigo lembrar de mais coisa!

A única coisa que me arrependo de fato foi de não ter contratado fotógrafo! Não tiramos fotos com vários convidados e é uma pena, pois acho isso importante para fazer parte da "memória" do Luquinha. Infelizmente, é errando que se aprende. Fotógrafo seria uma das minhas prioridades e eu dei este mole. rs Além disso, estava tão envolvida na organização da festa na hora, que nem me atentei a pedir alguém, meu irmão, ou algum amigo, para fotografar. As poucas fotos que temos foram feitas por mim, por minha mãe e por minha madrinha.

Para as pessoas que quiserem dicas sobre a festa, podem me mandar e-mail (juliagscosta@gmail.com).

Luquinha se divertiu muito antes da festa, vendo a gente arrumar as mesas e cadeiras, arrastando cadeiras por todo o salão, brincando no pula pula, se assustando quando as bolas estouravam... No início da festa ainda curtiu um pouco, mas logo na metade começou a ficar enjoadinho, com sono e com calor, e não aproveitou muito.

A dupla Axullé e Axupé é tudo de bom!! As crianças - de todas as idades, incrível!! - adoraram!!! Eu amei! Os pais amaram! Eles são engraçados, criativos, talentosos e entendem exatamente o que a criança quer ver, ouvir e cantar. ;) Mas Luquinha mesmo, que adora essas coisas, nem deu ideia. rs

Na hora do parabéns, alguém deve ter ligado o botão on dele, que ficou todo contente, rindo sem parar, vendo todas aquelas pessoas batendo palma e cantando ao mesmo tempo. Foi ótima essa parte!

É isso, galerinha. Resumo: cansativo, mas valeu a pena. Fiz, faria de novo se nunca tivesse feito, mas não farei de novo, já que já fiz. Hahahaha Agora, só festinhas low profile. ;)

Se divertindo na preparação da festa!

E a mamãe se divertindo com ele antes da grande comemoração! :)

A mesa do bolo! Nessa foto não dá para ver direito, mas as fotos que ficaram legais estão com a minha mãe - ainda -, então teve que ser essa mesmo. ;)
Latinhas com Disquete dentro!
Potes de papinhas que juntamos por meses, com jujuba dentro!

Garrafinhas de água para as crianças! Ótimo para o final da festa! Todo mundo leva, principalmente porque estava muitooo calor!!!
Tubinhos com Disquete! Dá um colorido nas mesas!!
Para acabar com o vazio das paredes!
Guardamos as latas de NAN e compramos flores no dia!

Vovó Helena, vovô Fernando, vovó Lucimar e vovô Luis! 
Dindo Rafa, tio Vitor Hugo, tio João Pedro e vovô Fernando!
Tia Nandinha!
Dindo Luismar, prima Sophia e dinda Aline!
Tivós Gustavo, Genera, Simone e Tânia!
Felizão no parabéns!!!
Bagunçando com vovó Helena!
Cantando parabéns com a família no dia 18 de dezembro!!!

02 janeiro 2013

.ano novo

Resoluções... Já falei? É tradição lá em casa. Eu, minha mãe e meu irmão sempre fazemos. Meu irmão e minha mãe, como viajaram no Natal, fizeram antes de mim desta vez, que deixei para escrever minha listinha nos últimos minutos de 2012. Depois que terminei, achei que era meio fútil. Não fútil, mas meio simples demais... Acho que porque fiz sem pensar na vida, sem pensar nas coisas que aconteceram, sem fazer um estudo maior sobre o que penso e sinto... acabei achando que ficou um pouco superficial.

Mas ao mesmo tempo ficou sincera. Saí escrevendo e consegui resumir ali em algumas linhas quais são as principais coisas que eu quero fazer neste ano. E eu nunca sigo a risca mesmo esta lista, ela me serve mais como um guia, então está tudo certo!

Primeira resolução da lista: sair do Facebook! Você deve estar pensando: tá de brincadeira, né?! Mas é, perdi preciosos momentos na rede em 2012 e não quero mais brincar. Enjoei. Cansei. Estava me prestando mais um desserviço do que serviço, então fiz a minha vontade e pulei fora deste barco. Nada contra, somente não muitas coisas a favor neste momento. Não tem a ver {somente} com exposição demais - até porque, se fosse por isso não estaria colocando minha lista de resoluções aqui; não tem {só} a ver com gente má querendo saber da nossa vida, fazendo maldade com foto de criancinhas (pois é, acontece, por mais bizarro que seja) etc.; nem é pelo fato de que 90% do que eu leio não interessa à minha vida e os outros 10% nem sempre chegam aos meus olhos porque o Face não me mostra (a rede não tem medidor de qualidade, só de quantidade). É porque neste momento ele não está sendo agradável para mim e quando eu decidir que ele será, volto para lá. É porque, mesmo ele não sendo agradável, grande parte do meu tempo é consumido por ele, mesmo quando eu não quero de verdade, como um vício. É porque meu celular não sai da minha mão checando toda hora as atualizações. E porque eu não consigo me segurar de dividir todas uma foto do Luquinha lindinho fazendo alguma gracinha, e mesmo quem nem ME conhece direito, conhece o Luquinha num nível de intimidade profundo. E eu decidi que estes motivos são o suficiente. rs

Segunda resolução: melhorar a alimentação. Já comentei algumas vezes aqui como me alimento mal. Tanto que estou fazendo uma bateria de exames para checar se está tudo bem com meu corpitcho. Os de sangue foram felizes. rs Agora preciso ver os outros. Enquanto isso, mais frutas, mais salada, mais legumes, menos refrigerante e doces farão parte da minha nova dieta diária.

3a: ir à academia. Nem preciso falar, né... Essa corrida tem que engrenar. Desta vez quero fazer tudo certinho. Nada de sair correndo feito uma louca por aí. Vou fazer acompanhada de um profissional especializado que vai me orientar em relação ao alongamento, à frequência e à intensidade de cada exercício. Conforme houver avanços, divido com vocês.

4a: apprende le français! Em 2012 cheguei a ter aulas particulares uma vez na semana, mas quero ir além. Quero terminar o ano me virando caso vá para Paris ou assista Amèlie Poulain pela milésima vez.

5a: Fazer dois cursos de especialização em comunicação. Aliás, um deles começa neste mês (28/01) e eu me inscrevi através do Coursera! O curso de chama Desenvolvendo Ideias Inovadoras para Novas Empresas! É realizado pelo Instituto de Tecnologia de Empresas da Universidade de Maryland, dos Estados Unidos. Não é exatamente específico de comunicação - apesar deste ser um conceito muito amplo. Mas há outras oportunidades aqui mesmo no Brasil que já estão na minha cabeça. Também dividirei depois que der certo.

6a: aprender a dizer não (definitivamente). Já perdi a conta de quantas vezes me meti em furadas gigantes porque não soube dizer que não estava a fim de ir, ou que eu não gostava daquilo, apesar da pessoa achar que eu gostava e outras inúmeras - inúmeras mesmo - situações nas quais dizer não seria extremamente mais vantajoso para mim. Portanto, talvez no início, por ter uma certa dificuldade no meio termo neste sentido, eu pareça um pouco grossa, fria ou apática, mas não é isso. É que eu simplesmente preferi, naquele momento, dizer não.

7a: Bem, esta é uma que ainda estou na dúvida. O que mais me motivou a sair do Facebook foi o tempo que gastava com ele. Não gasto tanto tempo assim com Lulu & Eu, mas quando coloquei isto na minha lista (transformar o blog num livro pessoal e excluí-lo da internet), pensei no tempo que gasto com a internet em geral. Por enquanto, como cancelei o Facebook e alguns amigos e familiares que moram longe têm notícias através da internet, seria demais cancelar o blog também. Além disso, criei uma ligação muito forte com ele e, como disse aqui outras vezes, escrevo mais para ter relatado do que para dividir - não levem para o lado pessoal, eu adoro minhas leitoras! Então, é uma meta a ser considerada.

8a: duas viagens internacionais... Ai ai... Só de pensar, até suspiro. Seria tão bom!!! Neste ano, a conta foi zero. Então duas, para compensar, né. rsrs

9a: assistir ao menos dois filmes por mês. Quando Igor leu esta, disse: dois??? E Lucas vai ficar com quem?? É exatamente esta a questão. Cinema ficou mais complicado agora... Ainda assim, não podemos reclamar. Minha sogra ficaria tranquilamente com o Luquinha. O problema é que a gente já precisa dela para buscá-lo na creche quando Igor não pode. Então é chato ficar pedindo, né... Eu não gosto, porque eu sei que, mesmo quando não dá, dá trabalho (coisas que só depois que a gente tem filho a gente entende). Mas também, não precisa ser no cinema. Me contentaria com dvd, Netflix, Now, até com Net pura e simplesmente, dependendo do filme... rs

10a: ir ao teatro uma vez por mês. Nóóó, essa é a mais difícil! É muito carooooo!!! Mas eu sei que existem peças e teatros mais baratos - e que a comunidade artística vai me matar por achar caro -, mas uma saída para o teatro requer, no mínimo (sem jantar, só com pipoca), R$150,00. E cara.... tem tantas outras coisas que eu prefiro fazer com R$150,00.... Eu sei, é uma questão de prioridade. Mas vou em buscar de oportunidades melhores ( menos $$$) e, conseguindo, sucesso!

Quanto ao nosso reveillon, não foi uma Brastemp, porque Igor não estava com a gente, mas foi uma Electrolux, por assim dizer! rs Passamos com a vó Helena (minha mãe), com meus tios, minha afilhada e o marido da minha mãe. Luquinha, é claro, apagou bem antes da meia-noite e dormia tão feito anjo que mudei meus planos de acordá-lo para irmos para a praia na hora da virada. Seria maldade fazer isso com o meu lindinho. :) Enquanto todos foram lá ver os fogos, ficamos nós dois, coladinhos, pensando nas alegrias da vida. Maridón se fez presente, numa video-conferência antes e depois da meia-noite. =) No dia 1o, almoçamos com os avós paternos do Luquinha e passamos o final do dia inteirinho com a dinda Camila, que volta para o México amanhã.

Nos dias que antecederam o reveillon, Luquinha ficou doente, teve que começar a tomar antibiótico, colírio para conjuntivite e fazer nebulização. Ainda assim, isso não o impediu de pegar uma piscina porque o calor estava DEMAIS. Como estou colocando as fotos, nem preciso dizer se ele gostou ou não, né. Igor estava conosco nos dias que antecederam a virada! ;)

Na piscina da prima Nandinha!!!

Todo mundo paparicando o pequeno!

Look reveillon!!!

É muito amor!

Com a dinda Camila, que nos deixará rumo ao México em pouco mais de 24h e com quem passamos uma tarde muitoooo agradável no primeiro dia do ano! Tem dúvidas de que será um ano bom? ;)