28 dezembro 2013

Natal - Dois aninhos

Quando o Luquinha nasceu, combinamos o seguinte para o Natal: cada ano com uma família. Como a família da minha mãe, com quem nós passamos o Natal, mora longe, e minha mãe também, não há nem possibilidade de passar o dia 24 com uma família e 25 com outra. A vantagem é que podemos nos dedicar 100% à família com quem estamos. No primeiro ano, como Luquinha nasceu dia 18 de dezembro, minha mãe foi com meu irmão para nossa casa e passamos juntos lá: eu, Luquinha, maridão, minha mãe e meu irmão. No ano passado, fomos para a casa dos meus cunhados. Passamos lá com a família da minha cunhada e com a família do meu marido.

Neste ano, para passar com minha família, viajamos cerca de mil quilômetros de carro: eu, marido, Luquinha, minha mãe e meu irmão, para passar na casa da minha avó, com meus tios, primos e minha bisa. tataravó do Luquinha.

Luquinha se divertiu tanto, mas tanto, que eu nem tenho como contar aqui! Foram inúmeros os detalhes e circunstâncias que proporcionaram tanta alegria, mas posso listar alguns deles:

- Baby, o cachorro espoleta do meu tio, com quem Luquinha interagiu muito;
- Gramado enorme em frente à casa da minha avó, no qual Luquinha correu demais, caiu, jogou bola, correu atrás do Baby, contou formigas e usou pela primeira vez sua galocha;
- Piscina de plástico que quebrou o maior galhão neste calor de dezembro;
- Pessoas, muitas pessoas. Luquinha é "people person", como diria John Mayer. Tantas avós, tios, primos fizeram a alegria do Luquinha nestes quatro dias que passamos lá.

Foi um Natal muito animado!!! E o Igor, meu marido, também estreou nele e adorou!! Não tem como não gostar para falar a verdade. Comida saindo pelo ladrão, gente animada e carinhosa!! Eu amo!!

Às 21h30 do dia 24 de dezembro Luquinha estava dormindo. Não aguentou esperar nem a entrega dos presentes do Papai Noel. Se eu não me engano, no ano passado ele também dormiu antes de meia-noite.

Em compensação, no dia seguinte, entregamos todos os seus presentinhos, sem dizer que é de fulano e ciclano. Todos foram deixados pelo bom velhinho. ;)

Ah, eu disse que fomos de carro, né? Na ida, fomos à noite. Luquinha dormiu praticamente a viagem inteira. Acordou quando estávamos já na estrada de Curitiba para Paranaguá. Pegamos muita chuva na estrada e vimos dois acidentes. Um que aconteceu um minuto antes de passarmos pelo local (sabemos porque foi um carro que nos ultrapassou) e outro muito triste, no qual um ônibus caiu num barranco porque o motorista dormiu. Era um ônibus da Penha, Curitiba-Rio de Janeiro. Sabemos que 14 pessoas morreram no local e várias outras ficaram feridas em estado grave.

Por tudo isso - chuva, acidente e sono - resolvemos que voltaríamos de dia. Pela segurança foi melhor, sem dúvidas. Mas para o Luquinha foi pior. Ele reclamou diversas vezes querendo sair da cadeirinha e reclamava que o bumbum estava doendo. Paramos algumas vezes na estrada para que ele pudesse correr um pouco e aliviar, o que fez com que demorássemos bastante para chegar. Mas isso estava previsto, então, ainda assim, foi melhor, pela segurança.

Agora... vocês querem saber o que teve de MAISSSS legal neste Natal?! Luquinha está desfraldando! ;) Mas isso eu conto em um outro post!!!























14 dezembro 2013

Dois aninhos! Que delícia!!!

Meu amorzinho Luquinha, 

cá estamos nós comemorando seu aniversário de dois anos! Nem posso acreditar. Parece que foi ontem que peguei você em meus braços pela primeira vez... E nesses 24 meses, tanta coisa aconteceu! Foram tantos, mas tantos momentos que eu não quero esquecer nunca!!! Talvez, com o passar dos anos, uma coisa ou outra fique para trás, perdida na memória. Mas sabe o que vai ficar para sempre? A certeza de que você é uma criança feliz! 

É o que as pessoas mais falam para mim... "Nossa, mas como ele é feliz, né!!" Sabe por que? Porque você não pára de rir, de correr, de gargalhar, de achar tudo lindo e engraçado! Porque você se diverte com qualquer pessoa, em qualquer lugar, em qualquer momento! Porque você gosta de pessoas, você dá bom dia para elas, você fala com desconhecidos e aperta a mão de todo mundo na rua.

Porque o seu sorriso conquista QUALQUER PESSOA, mesmo a com o coração mais partido! Você é meu orgulho!!! Meu e do seu pai, que te coruja o tempo todo por aí. ;)

Neste ano que passou, tivemos tantas novidades. Você deixou de usar o berço, não usa mais chupeta, começou a falar... E está deixando de ser um bebê, agora oficialmente. Em breve, será um menino!

Tudo o que eu desejo a você, neste, no passado e em todos os próximos anos da sua vida é essa felicidade que você parece ter de sobra! Eu desejo que você seja muito, muito, muito feliz!!! Que tenha essa saúde forte, que tenha amigos por perto e pessoas que te amem, sempre!

Eu te amo, meu príncipe! Feliz aniversário! 













05 dezembro 2013

Ele não quer comer Parte II - Apuração

Já há alguns anos, uma das primeiras coisas que faço quando tenho uma dúvida qualquer é buscar respostas na internet. Com muitos anos de experiência jornalísticas e muitos anos de experiência em Google, hoje consigo refinar bastante o que encontro. Ainda assim, sempre haverá opiniões diversas sobre o mesmo assunto, até mesmo entre profissionais. As linhas de estudo permitem este "encontro de ideias". E tudo bem. Acredito que, neste caso de alimentação, as decisões dependam muito também do perfil das famílias. O que estamos dispostos a fazer, o que é coerente com nosso estilo de vida etc.

Há verdades absolutas:

  • legumes, verduras e frutas são saudáveis;
  • açúcar refinado não é saudável;
  • comidas industrializadas por vezes não são nem um pouco saudáveis, e por outras vezes não oferecem nem metade dos nutrientes que os alimentos frescos oferecem.
E há as questionáveis, mas que, por observação, funcionam:

  • não ver TV na hora da comida;
  • não brigar porque não comeu;
  • não parabenizar porque comeu.
Ontem à noite mesmo, depois de ter escrito meu "post desabafo", comecei a pesquisar na internet e encontrei informações e vídeos bem interessantes:

Especialistas dão dicas de como ajudar na alimentação do filho (Bem Estar - TV Globo) 


Especialistas dão dicas de como ajudar na alimentação do filho.mp4 from Dedinho de Moça on Vimeo.

Mamadeira deve ser retirada quando a criança consegue beber de outra forma (Bem Estar - TV Globo)
Dedinho de Moça


Mamadeira deve ser retirada quando a criança consegue beber de outra forma2.mp4 from Dedinho de Moça on Vimeo.

Ainda preciso conversar com muitas pessoas, a pediatra, uma nutricionista, uma especialista em alimentação e com muuuuuitas mães, para conhecer as histórias e saber o que é legal, o que não é, o que funciona e o que não funciona... Mas já cheguei a alguns pontos importantes, que acho que devem ser levados em consideração:

  • Não substituir o almoço e o jantar por nada;
  • Não dar besteiras para comer nos intervalos;
  • Organizar um cardápio da semana, com alimentação de 3 em 3 horas, regada de frutas, legumes e verduras, mas que inclua também algo mais... digamos... açucarado (uma gelatina, um iogurte etc.);
  • Não perder a paciência se ele não está querendo comer (muito autocontrole!!!).

Divido aqui com vocês alguns sites bem bacanas que oferecem dicas de alimentação, informações sobre alimentação infantil saudável e receitas deliciosas:

Dedinho de Moça
As Delícias do Dudu
Pitadinha


04 dezembro 2013

Ele não quer comer Parte I - A paciência

Eu lembro como se fosse hoje como eram difíceis os finais de semana para mim, quando estávamos em casa e eu tinha que comer tudo o que minha mãe colocava no prato. Se durante a semana eu tinha a moleza que era a minha avó - que fazia um prato para mim com arroz e bife e estava tudo tranquilo -, os finais de semana eram complicados... Minha mãe passou por poucas e boas comigo. Lembro de uma vez ter ficado a tarde inteirinha na cozinha, com o prato de comida na minha frente, porque cada vez que eu colocava a colher na boca, tinha ânsia de vômito.

Sim, eu era assim.

E, para piorar, o Igor, meu marido, era igual. Minha sogra nunca se esquecerá dos dias de aflição que passou com ele, que não comia!

Eu nunca ouvi dizer que essa "dificuldade" alimentar é genética. Mas se for.... Aff!

Luquinha, de umas semanas para cá, tem dado tanto trabalho neste quesito! Não sei se é normal, uma fase, ou se é o calor. Ou, ainda, se são os dois anos se aproximando. Mas a questão é que tem dias que ele simplesmente não coloca uma única colher do almoço ou do jantar na boca. E o "problema" é com a refeição... Porque, se nos finais de semana não temos rotina, tudo flui bem...

Como trabalhamos fora, a única refeição que conseguimos fazer os três juntos, na mesa, é o café da manhã. E isso sempre funcionou. O Luquinha ainda tem a rotina de acordar a mamar. Mesmo assim, se vamos tomar café, ele senta conosco e come um queijinho, um pão ou o que mais estivermos comendo.

Pelas coisas que li na internet, em matérias de revistas e pelo que já vi em matérias na TV, fazemos várias coisas "erradas". Por exemplo, li uma vez na Pais & Filhos que a gente não deve festejar quando ele abre a boca para comer, nem demonstrar irritação quando ele não abre. Bem, eu faço os dois.

Além disso, também li nesta mesma matéria que a gente não deve deixar que eles brinquem enquanto comem. O Luquinha sempre come com um carrinho na mão ou se entretendo com algo que está em cima da mesa. E, sim, vez ou outra come vendo televisão. E nos finais de semana não é raro me ver indo atrás dele para mais uma colherada, enquanto ele corre pela casa ou pelo quintal da vovó.

Bem... resumindo... Sei que estou fazendo tudo diferente do que dizem as teorias. E tudo diferente do que eu disse que ia fazer - antes de chegarmos nessa fase. Aquela velha história de cuspir para cima...

Então, estou realmente disposta a mudar esse cenário. Se tiverem dicas ou quiserem dividir comigo que isto é mesmo uma fase e que vai passar LOGO, ficarei feliz também.

Ama um pãozinho, bolinho, biscoitinho... Agora, coloca só um prato de arroz com feijão... OMG! O que fazer???

08 novembro 2013

Sim, ele ainda é um bebê

  • O Luquinha já se comunica verbalmente;
  • Não só anda, como corre com segurança;
  • Sabe o que quer e o que não quer;
  • Conta fatos que aconteceram no seu dia;
  • Ele já sabe comer sozinho e beber líquidos no copo sem tampa;
  • Reconhece caminhos que fazemos com frequência;
  • Faz associações que nos impressionam cada vez mais;
  • Não chupa mais chupeta;
  • Sabe o nome da mamãe, do papai e dele próprio;
  • E já está quase 100% em contar até 10.
Mas, sim, ele ainda usa fraldas. E mama na mamadeira também!

É o meu bebê... ;)

06 novembro 2013

Quando a gente para de julgar os outros, hein?

Hoje, enquanto eu continuava minha leitura sobre a vida maternal na França, me dei conta que fui muito rude no último post. O problema não foi eu ter concluído que a autora é insegura, mas ter falado isso com tamanho desdém.

Como se eu, a SUPER SEGURA, nunca tivesse feito nada parecido, ou nunca fosse capaz de fazê-lo. Imagine só! Quanta pretensão da minha parte. Por isso, venho por meio deste blog me redimir do que falei. Eu sei que possivelmente a autora nunca terá acesso a este texto. Mas não me custa nada admitir um erro (grave) e pedir desculpas em público.

Afinal de contas, outras mães inseguras - como eu - poderiam ter lido o post e ter se sentido atacada.

Eu, que aos três meses de vida do Luquinha me vi completamente insegura quanto à amamentação. Que não tinha ideia de como fazer para que meu baby ficasse por mais de cinco minutos no peito (e depois quatro, e depois três, e depois nenhum). Eu, que quando ele teve brotoeja no primeiro mês de idade, fiquei desesperada, achando que o rostinho dele ficaria marcado para sempre. Eu, que, mesmo aplicando o método de deixar o bebê chorar para ele aprender a dormir sozinho, me sentia culpada, lá no fundo, a todo momento. Quem sou eu para falar de insegurança?

É que depois que as coisas acontecem, a gente acha que é expert, né!

E é exatamente como eu li esses dias na internet: mesmo que a gente não faça a comparação direta, quando a gente vê alguém falando de alguma situação que deu errado e com a gente deu certo, a gente se sente superior. Uma besteira, mas acontece nas melhores famílias.

Eu tento fazer um trabalho constante e eficaz de não julgar e condenar as pessoas. Mas vira e mexe me pego no erro. Não tem como fugir, mas é bom fiscalizar. ;)

Tô de ooooolho!!!

05 novembro 2013

A mãe perfeita existe, sim!

Eu não vou fazer você ler cinco parágrafos para saber qual é meu ponto de vista! ;) Vou ser direta no que eu penso: para mim, a mãe perfeita existe. É aquela que tem amor de sobra, acima de tudo; que sente culpa e tenta lidar com ela; que sente culpa e não consegur lidar com ela; ou ainda que não sente culpa at all; é aquela que se dedica ao filho 100% do tempo com amor; ou a que faz isso com pesar; é, ainda, a que trabalha fora e é feliz assim; e também a que pensa todo dia se não devia deixar o trabalho para ficar mais tempo com o filho.

Resumindo, a mãe perfeita é aquela que ama seu filho e busca encontrar harmonia entre os seus desejos como mulher e suas obrigações como mãe. Mesmo que a harmonia não se encontre, ou que ela demore um tempo para se estabelecer. Essa é a mãe perfeita: a que sabe que a perfeição seria imperfeita e, convenhamos, muito chata! 

"Porque o bom da vida é viver!"




Escrevo sobre isso porque, incentivada pela força de vontade da minha amiga Gabi, do Bossa Mãe, voltei a ler o livro sobre as crianças francesas que não fazem manha. E ela fala muito sobre isso. E, eu ainda não terminei o livro, mas uma coisa que está muito clara para mim é que a insegurança e a enorme culpa da autora é o que cria o abismo entre ela e as mães francesas. É claro que a cultura é importante nessas diferenças, mas, para mim, a principal diferença é essa! O perfil da autora.

Eu confesso que acho chato esse papo de mãe perfeita. A minha mãe não é perfeita, mas é a melhor mãe do mundo. Não basta? Rs De onde as pessoas tiraram isso? Que tem que ser perfeia? Quem conhece uma mãe perfeita? Quem conhece qualquer relacionamento perfeito? 

É tão bom viver! Com altos e baixos, com defeitos e correções! Com desafios e vitórias! 

01 novembro 2013

"Tecnologia é parte da equação" - Geração Alpha

Vocês já ouviram falar em geração Alpha (ou Alfa)? São as crianças nascidas depois de 2010. Existem tantas teorias que chegam à mesma conclusão, que essas crianças são especiais. São teorias baseadas na evolução humana, na ciência, na psicologia, na espiritualidade...

Quem pode dizer são as avós dos nossos filhos. Na visão delas, as crianças estão nascendo mais evoluídas? Porque eu não acho que mexer no iPhone é sinal disso. As crianças, desde sempre - ao meu ver -, aprendem o que está ao seu alcance. As pessoas é que sempre subestimam sua inteligência, mas desde sempre as crianças têm habilidades nas coisas que fazem e veem todos os dias. Se mexemos no iPhone 24x7, as crianças — FATO — vão saber exatamente o que fazer com este aparelho.

Isso é uma coisa.

Ooooutra coisa é dizer que essas crianças são espiritualmente evoluídas, ou mais evoluídas do que a nossa geração Y (ou X ou Z). Mas isso eu prefiro não colocar em discussão agora, somente depois que eu conversar com alguém que entenda do assunto.

E vocês? Acham que seu filho, nascido depois de 2010, é mais inteligente?

Fonte: pais&filhos


Agora nós somos um site!!

Olá, meninas!! Estamos crescendo! Deixamos de ser um blog, e passamos a ser um site. É isso? Não, não é bem isso. Temos o endereço de um site, mas continuamos com a simplicidade e a honestidade de um blog! Ai, que delícia! Eu, que já vivi — e, de vez em quando ainda vivo — momentos de paixão e abandono com o Lulu&Eu, estou numa fase on! Será que vamos bombar? Não sei! O que tiver de ser, será.

;)


24 outubro 2013

E o que a gente tem para o final de semana? Esportes!!!

Meninas, como vocês sabem, voltei de férias agora, então cheguei no meio de um turbilhão de eventos acontecendo e não consegui falar de todos a tempo! Neste final de semana, por exemplo, acontece a 2ª Corrida Pão de Açúcar Kids e a 5ª Maratona Pão de Açúcar de Revezamento.

Infelizmente, não dá mais tempo de se inscrever, mas quem quiser correr na pipoca também está convidado!

Além disso, no sábado, quando acontece a corrida das crianças, haverá outras inúmeras atividades, como recreação, reciclagem, atividades lúdicas, piscina de bolinha, cama elástica, escorrega inflável, entre outras atrações!

No sábado, dia 26 de Outubro, o encontro é às 9h na Pista de Atletismo da Escola de Educação Física do Exército (ESEFEX), na Av. João Luiz Alves, s/nº, na Urca.

O evento é muito bacana! Para vocês terem ideia de como ele é grande, mais de 45 mil crianças já participaram das edições anteriores da prova, que é realizada desde 2004 em São Paulo, e que desde o ano passado é realizada em Fortaleza, Rio de Janeiro e Brasília. O percurso é de 50 a 400m, dividido de acordo com a faixa etária.

Já no domingo, dia 27 de Outubro, a prova dos adultos está marcada para 7h, no Aterro do Flamengo (Av. Infante Dom Henrique, s/nº, Flamengo), na altura da Rua Oswaldo Cruz.

Eu estarei lá! Espero encontrar vocês! ;)




21 outubro 2013

Segunda (com) e terceira noites sem chupeta!

Nesta manhã li o comentário da minha amiga Myriam, do blog Mãe no País das Maravilhas, sobre o sucesso da primeira noite sem chupeta, e pensei: poxa, vou escrever para ela contando sobre o caos e fracasso de ontem à noite.

Foi uma loucura, gente. Já conto.

Mas aí eu pensei: vamos ver como será hoje. E depois eu escrevo sobre isso.

Hoje foi meu primeiro dia de volta ao trabalho depois das férias. Precisava dar uma chance à rotina, que foi quase nula nas últimas semanas (pelo menos para mim... para o Luquinha, tentamos manter, mas ainda assim ele escapava dela várias vezes). Quando Luquinha era recém-nascido, não faltavam livros e dicas na internet e nos blogs sobre como ensinar o bebê a dormir, como fazer com que ele dormisse a noite inteira e por aí em diante. Só que ninguém fala sobre como ensinar o bebê a dormir depois que ele abandona o berço. Ainda mais quando o fim da chupeta vem junto.

Mas eu sou fã da rotina. E conheço meu filho, sei que ele já entende o que falamos, já sabe o que pedimos, entende quando estamos num momento de brincadeira e num momento sério. Resolvi apostar em tudo isso e pensei que essa será a semana de ouro.

Cheguei em casa (hoje), Luquinha ficou feliz da vida. Foi quase a mesma recepção que eu tive quando voltei de viagem. Uma alegria sem tamanho. Brincamos, pintamos, contamos historinha, depois de um tempo olhei para o relógio. Era a hora. Falei com ele que estava na hora do banho (primeiro sinal). É o sinal para começar a diminuir o ritmo. O calor chegou com tudo por aqui! Liguei o ar do quarto antes de irmos para o banheiro. Nada mais calmante que um ar-condicionado num dia quente.

Tomou banho e fomos para o quarto ver Xuxa. Sim, eu sei, Xuxa não é calmante. Mas tente lembrar de quando você era criança e alguém apagava a luz quando a TV estava ligada. Podia estar passando até futebol, que dava sono, não é mesmo? Então... Coloquei ele deitadinho na cama e eu deitei no chão, com o macaco de pelúcia na cabeça de travesseiro, do ladinho dele.

Ficou brincando. Sentava e dizia "oi", quando eu respondia ele deitava. Um segundo depois fazia a mesma coisa. Ainda estava agitado. rs Uma figura.

Com os minutos ele foi se acalmando. Depois de 20 minutos mais ou menos, perguntei se ele queira mamar. Disse que sim. Fiz o mama e voltei para o quarto. Mamou e fomos escovar os dentes (segundo sinal). Esse é o sinal de que a hora de dormir está mais próxima. Voltamos para o quarto e eu deitei com ele de novo. Fiquei cinco minutinhos, dei para ele a mantinha, coloquei a Naninha e o Pablo para lhe fazerem companhia, fiz o sinal da cruz, dei boa noite e saí. Encostei a porta por causa do ar-condicionado.

Não deu nem um minuto, Luquinha abre a porta do quarto. Veio me chamar para deitar com ele. Fui para o quarto, expliquei que estava na hora de dormir, coloquei a Naninha e o Pablo para dormir e, quando ele ia falar, eu disse: shhh, eles estão dormindo, agora o Luquinha vai dormir também. Coloquei ele na caminha, dei boa noite e saí, sem olhar para trás (enquanto isso, Xuxa rolando baixinho na TV).

Fui para a cozinha e a cada minuto tinha a sensação de que tinha escutado a porta do quarto se abrindo. Era só a sensação. Ela estava encostadinha, como antes. E assim foi, Luquinha dormiu. ;)

Sobre a noite de ontem, o oposto disso. O DVD tocou mais de três vezes (o pai contou, porque eu já havia dormido fazia tempo), ele saiu do quarto mil vezes, e, com chupeta, não queria dormir. No final das contas, maridão desligou a TV e disse "Luquinha, está na hora de dormir, boa noite", apagou a luz e encostou a porta. Não é que o baixinho dormiu? Também, já estava tarde e ele devia estar cansado. Foi demasiadamente cansativo ontem. Tanto, que nem eu resisti. Dormi antes e o paizão resolveu.

Hoje, em compensação, foi nota 10! Ufa! Espero que os próximos dias sejam como hoje! Uma tranquilidade. rs

Boa noite para vocês!




19 outubro 2013

Primeira noite sem chupeta

Filho, você simplesmente demorou 1h20 para dormir! E só dormiu depois que eu dei um novo mama! Isso significa que você dormiu às 23h50, porque tínhamos saído com seus dindos e a vó Lucimar, então chegamos em casa tarde, depois do horário que você costuma dormir. Mas deu tudo certo, você não pediu chupeta porque já está se esquecendo dela. Sabia que algo estava fora do lugar, mas não sabia exatamente o que era. 

Eu não tenho arrependimentos em ter dado a chupeta. Ela acalmou o Luquinha tantas vezes nesses 22 meses! Foi um mal necessário e muito válido. Eu achei que fosse ser mais complicado tirá-la, porque o vício era tanto que ele chegava a segurar uma numa mão e ter a outra na boca, às vezes durante um dia inteiro... Mas para tirá-la durante o dia foi preciso apenas de um final de semana. E para tirá-la da hora do soninho, apenas duas noites (ontem ele dormiu sem chupeta também na casa da vó. A diferença é que ela dormiu na cama com ele).

E eu estou muito orgulhosa do meu pequeno! Super adaptável, como sempre foi. Hoje foi cansativo, mas valeu o esforço. Espero que amanhã tenhamos uma hora do sono mais tranquila!


ALém de tudo, hoje teve soninho de manhã, depois de brincar na pracinha, e soninho à tarde, quando chegamos da praia. Então, além da chupeta, talvez ele estivesse agitado para dormir tranquilo mesmo! ;)

16 outubro 2013

Cadê o bebê fofinhooooo que estava aqui???


Eu não sei se foi nestes dias que passamos em Búzios, se foi no tempo em que estivemos na Itália, ou se foi antes disso. Mas uma coisa é certa: o Luquinha está numa fase de MUITAS mudanças! Ainda faltam dois meses para ele fazer dois anos, mas hoje me perguntei muitas vezes "será que ele está nos terribles 'terribles two'?".

Ele está a mil por hora! Tudo bem que nós mesmos estamos fazendo algumas mudanças. Primeiro, que desmontamos o berço e montamos a caminha. Ele quase pulou do berço em dois momentos, então resolvemos que seria mais seguro fazer esta mudança agora. Além disso, desde que voltamos de viagem, começamos a tirar a chupeta. O Lucas era muito viciado em chupeta! Mas a ponto de ficar com ela o dia inteiro, uma na boca e uma na mão.

Em dois dias, ele já não pede mais a chupeta durante o dia. Só quando está com sono, mas só damos na hora de dormir mesmo! O próximo passo é tirar essa do soninho, mas, neste caso, não temos muita pressa, porque ele não fica com ela a noite toda. É só para dormir. Uma vez dormindo, fica sem chupeta.

Mas não me parece que são essas mudanças que estão lhe deixando tão agitado!

Ele não para, de verdade! Fala o dia todo, corre o dia todo, quer atenção o dia todo, quer pintar, ver TV, jogar bola, mexer nas coisas da cozinha. Mas tudo isso eu acho lindo, ótimo, adoro que ele é tão esperto! Mas o problema real é que ele está muito bruto!!! Quando começa a jogar as coisas no chão, bater com elas na parede, se rebelando se tentamos segurá-lo.. Eu fico doida!!!

Eu já contei aqui antes que ele já conhece o castigo. E ele é obediente neste sentido, não posso reclamar. Mas não posso colocá-lo toda hora de castigo. Perde o sentido.

Nossa reação quanto a tudo isso é manter a calma e conversar sempre com ele, olhando no olho e explicando porque uma coisa é legal e outra não é (vira e mexe eu perco a cabeça, falo alto e talz... mas tento me controlar).. É cansativo - e a gente já sabia que essa seria a parte mais cansativa -, mas acreditamos que é um trabalho que traz bons resultados. ;)

Vamo que vamos.

E, só para deixar registrado, ele continua sendo um fofinho!!! Carinhoso, nos enche de abraços e beijinhos, faz caras e bocas para chamar atenção... E chama! ;) A gente ama! rsrs Mas essa energia desenfreada às vezes invade. E vem com tuuudo!!!


Férias (com o pequeno) - Búzios (RJ)

Depois da (segunda) Lua de Mel, viajamos novamente, desta vez com o Luquinha, para aproveitar os dias de sol e a família reunida! Fomos para a casa da vovó Helena encontrá-la, encontrar o dindo Rafa e comemorar o aniversário da tia Vê, com ela, a prima Bia e o tio Victor! Aproveitamos ainda a companhia dos nossos amigos, Will e Lívia, que foram passar o final de semana com a gente!

Luquinha está falando sem parar! Na estrada, quando estávamos voltando, ele falou sem parar por mais de uma hora! Foi falando tudo o que aconteceu no final de semana: dindo, vovó, praia, pula pula, Bia, Txutxucão, areia, mar, brinquedo... E ele está formando várias frases curtas! Tipo "senta, mamãe", "vem, papai", "tchau, vovó" e assim por diante!

E está comendo bem demais! Todos os legumes, verduras, arroz, macarrão, carne, frango, peixe, queijo, o que der para ele, coloca para dentro! Só salada fria que ele não come (se misturar na comida, ele come, mas quando sente ela fria na boca, cospe), e eu sei que é minha culpa, que não o acostumei a comer... Mas a gente está trabalhando isso. =)

Mas o que ele mais gosta, mais que tudo, mais que todos os brinquedos, DVDs e até mais que o pula, é a praia!! Nossa, como ele ama praia! É uma canseira, né! Corre para cá, corre para lá, pisa na canga dos outros, mexe com o cachorro bravo, pega a bola da criança vizinha (e a gente correndo atrás, pedindo desculpa, sacudindo a canga do vizinho para tirar a areia do pé dele... ), e o mais perigoso: correndo para o mar. Completamente sem noção do perigo (o que é normal porque ele tem apenas um ano e dez meses rs), ele sai correndo, entrando no mar! Ontem eu já estava com dor nas pernas, como se tivesse jogado frescoball ou corrido na areia fofa (exatamente o que aconteceu).

Foram cinco dias de muita diversão!

Em Geribá (Búzios - RJ), numa das raras fotos de nós três juntos. =) 

Feliz demais no primeiro dia de praia!

Eu, roubando o chapéu da vovó Helena. ;)
A aniversariante, minha prima Vê, minha mãe (mais conhecida como vovó Helena) e eu, num churrasco gostoso que reuniu pessoas queridas e divertidas!

Dando um abraço de parabéns na tia Vê!!!

Comendo "picoca" com a prima Bia (que ele chamou o final de semana inteiro, "Biaa, Biaaa, Biaaa"!

Mamãe babona, que adora foto!

Parabéns, prima!! Tia Vê, tio Victor (que ele ficou chamando no carro, quando voltávamos), e Bia!!

Vovó Helena recebendo as amigas!!! =) Feliz!

Os puxa-sacos. Um puxa saco do outro o tempo todo. rsrsrs

Com os amigos, no Centro de Búzios! 

Tio William e dindo Rafa fazendo um som na praia da Ferradura!

Ops! Precisa de legenda?



10 outubro 2013

Reencontro

Chegamos em casa há dois dias e não tive tempo ainda de contar aqui como foi emocionante o nosso reencontro com o pequeno!

Antes, uma palavra. Lembro de amigas me contando que depois de viajarem durante duas semanas ou mais, as crianças simplesmente deram uma ignorada nelas assim que chegaram. Depois ficaram grude total. rs Mas no primeiro momento houve uma certa rejeição. Então, desde o início da viagem eu me preparava para que o momento do reencontro não fosse exatamente como eu queria que fosse. E tudo bem!

Só que eu nunca poderia ter imaginado um reencontro como foi! O Luquinha simplesmente começou a gritar e pular de alegria e veio em nossa direção, pulando no meu colo e me dando um abraço enorme! Depois deu um abraço no papai também e não conseguia conter a emoção. Pulava e gritava sem parar! Foi surrealmente bom, incrivelmente feliz! Foi confortante.

Estava já no meu LIMITE da saudade! Tanto que voltamos um dia antes do que estava previsto. Tínhamos mais um dia de reserva no hotel de Veneza, mas a saudade, junto à chuva na cidade, fez com que nos antecipássemos. E valeu muito a pena! Um dia posso rir disso, mas seria o "um dia" mais longo da minha vida se não tivéssemos voltado. rs

Mas isso foi só no final da viagem. Foram 10 dias incríveis e muito bem aproveitados! A Itália é um poço sem fim de História, gastronomia e romantismo! E eu arrisco dizer que o livro "Comer, rezar e amar" poderia ter escrito inteirinho somente na passagem dela por lá! Porque eu nunca vi um lugar para ter tanta Igreja!! São duas por quarteirão praticamente! ;)

Não me arrependo de ter feito a viagem sem o Luquinha, pois em alguns momentos nem sei como faríamos se ele estivesse com a gente. Pegamos uma tempestade na visita ao Vaticano, quando estávamos na fila, do lado de fora. Alguém saiu da fila? Não, ficou todo mundo ensopado, mas na fila. rs Ficamos 2h30 minutos dentro de um trem porque houve um problema na ferrovia e tivemos que aguardar. Além disso, para a maior parte dos programas na Itália é preciso estar preparado para uma lonnnnnga caminhada. Há ainda aquelas torres que, se você sobe, tem uma vista linda da cidade. Elas têm, em média, 500 degraus. E, é claro, não têm elevador. Então, crianças não costumam subi-las. rs

É claro que é possível levar criança numa viagem dessa. Mas teria sido uma viagem completamente diferente. E eu tenho certeza que Luquinha não teria se divertido tanto quanto se divertiu com as duas avós, o avô, a Nanda e os outros familiares que transformaram estes 12 dias em festa!

Por outro lado.... Nos últimos quatro dias, eu comecei a ficar numa ansiedade que incomodava! Era muita saudade! Não acho que faria outra viagem tão longa sem ele. A não ser quando ele fale "po, mae, fala serio, vai la, eu vou ficar numa boa". hahahaha Enquanto isso, não sei. rsrs


05 outubro 2013

Diário de Bordo - Saudade Mega Master


Aqui já é domingo, entao estamos no nono dia de viagem. Até ontem estava tudo ótimo, aproveitando muito, mesmo com a saudade se fazendo presente!

Depois que pegamos o trem de Lucca para Florença e conhecemos alguns brasileiros, entre eles uma menininha com a idade do Lucas; e que eu soube que ele saiu da escola na sexta-feira perguntando onde estava a mamãe, meu coração está apertado d+! 

Cheguei a pensar em cancelar a última etapa da viagem, mas, com força e serenidade* (assunto para outro post) não cancelamos.

Sigo me apoiando nas notícias e fotos que minha mãe tem mandado, com Luquinha feliz e se divertindo! Afinal de contas, ficar com os avós e com as Nandas não é nada mal, né! ;) 

E o meu coraçãozinho vai sendo cuidado paliativamente daqui. Rs





25 setembro 2013

Obrigado, por favor e outras palavrinhas mágicas

Li em algum lugar que a gente não deve misturar a comida do bebê porque ele precisa conhecer o gosto de cada coisa que está comendo. Pode ser que seja melhor assim. Mas aqui em casa fazemos diferente. Os legumes e verduras vão misturados. É mais prático e não há seleção. Luquinha come de tudo.

Também li que as crianças são reflexo do que somos. Se tratamos as pessoas com educação, elas também tratarão. Se damos bom dia, pedimos por favor, com licença, agradecemos... As crianças simplesmente copiarão a gente.

Concordo plenamente!

O que não me impede de ensinar o Luquinha a usar essas palavras agora, que está aprendendo a falar. Bastou que eu ensinasse a ele a palavra "obrigado" que ele passou a usar sem parar. É só alguém dar algo a ele que vem logo o "bigado" (às vezes bidago, às vezes gado...). E é tão lindinho ver meu pequeno sendo tão educadinho!!!

O próximo a ser ensinado é o "por favor". =) kkk

24 setembro 2013

5 ansiedades pré-viagem

Há duas semanas, eu e Igor completamos cinco anos de casados. Não tivemos ainda uma comemoração com "c" maiúsculo, por assim dizer, mas como iremos tirar férias juntos em outubro, podemos comemorar neste tempo. Vamos viajar, só nós dois. E eu não tenho dúvidas de que será uma viagem boa. Mas...

  1. Só de pensar que passei os últimos dois finais de semana trabalhando e que nos próximos dois estarei em viagem, sem o Luquinha, meu coração dói como se estivesse sendo martelado. E dá vontade de chorar;
  2. Sabe aquele papo de que "vai ser bom para vocês, todo casal precisa de um tempo juntos sozinhos"? Então... Ainda não consegui entender o sentido desta afirmação;
  3. Dizem ainda que eu vou sentir muito mais a distância do que ele, que continuará feliz e contente, indo à escola, brincando com a Nana (Nandinha), passeando com as vovós, com os dindos... Mas, ainda assim, posso jurar que ele vai ficar mega triste e chateado da mamãe passar tanto tempo longe dele;
  4. Eu não tenho síndrome do Pânico. Sei que não tenho porque o medo nunca me impediu de fazer nada. E, pelo pouco que sei, a Síndrome se configura quando você passa a ter prejuízos em sua vida. Contudo, depois que o Lucas nasceu, eu cismo de pensar sempre em alguma desgraça. Quando estava nas minhas primeiras férias deste ano no aeroporto, pronta para pegar o voo de volta, comecei a chorar pensando que se acontecesse algo com o avião eu morreria com toda aquela saudade contida no peito que eu estava dele. E agora, que a viagem se aproxima, começo a pensar na mesma coisa. Eu sei, é um pensamento horrível, mas eu não consigo controlar. Ele surge na minha cabeça. Acho que vou tomar dois Dramins antes dos voos rsrsrs Assim não tenho tempo de pensar em nada;
  5. Está sendo muito mais difícil me preparar para esta viagem do que foi para me preparar para a viagem do início deste ano (quando passei 10 dias fora, numa viagem com minha melhor amiga). Falando assim, parece a viagem do início do ano foi um caos. Não foi, eu me diverti muito e ela foi fantástica! Mas no último dia eu já não me aguentava mais de saudade. E esse foi o sentimento que prevaleceu na memória. 

Acho que o melhor é não pensar em nada, deixar o tempo passar normalmente e aproveitar cada segundo com Luquinha antes e depois da viagem. Ele estará sob os cuidados das duas avós ao mesmo tempo, mais o vovô Luís. Tem como ficar ruim? Não, né! ;)

Luquinha dormindo na casa da vovó! Vai adorar esses dias sendo mimado pelas duas avós ao mesmo tempo. Que delícia!!! :)


07 setembro 2013

uma noite tranquila

só queria dividir comigo mesma, com vocês, com qualquer pessoa, a felicidade que é - depois de uma semana agitada, com muitas ronqueiras do Luquinha na hora de dormir - ver Luquinha dormir num silêncio total. Tão silêncio, que até fui lá no quarto checar se estava tudo bem! ;) Coisas que a gente nunca deixará de fazer! :)


05 setembro 2013

Inverno, acho que chegou a sua hora

Todos os meses eu fico ansiosa para receber a escala de trabalho do Igor para saber se conseguiremos ir juntos para a casa da minha mãe, que não mora na mesma cidade que a gente! Já estava triste de pensar que não conseguiria ir antes de Outubro, quando houve uma mudança em sua escala do fim de Agosto e pudemos aproveitar o último final de semana com ela e com meu irmão!

Fomos sexta à noite e Luquinha, como aconteceu nas últimas vezes que fomos, acordou de madruga quando chegamos e ficou doido para ficar acordado - mas fomos todos dormir porque estávamos exaustos. E no dia seguinte, com o sol e calor que estava fazendo, acordamos todos animados para ir à praia. Inclusive Luquinha, que AMA demais este programa. Só de falarmos uma vez, ele já começa "paia, paia, paia". Uma fofura!

Então lá fomos nós! Uma delícia! Luquinha mergulhou no mar, brincou na piscina, jogou areia na prancha do dindo Rafa, tocou violão...

Luquinha estava:
A - Passando parafina para pegar umas ondas;
B - Ou enchendo a prancha de areia.

Alguns minutos antes de descobrirmos que meu bebezão estava com febre!

No dia seguinte, todos animados e felizes de novo para pegar uma prainha! Nos arrumamos e quando estávamos no carro já a caminho do nosso destino, sinto Luquinha mais quente. Sempre andamos com a bolsinha de remédio dele, que tem Novalgina, sorinho de nariz, termômetro, entre outras coisas. Tirei a temperatura no carro mesmo e batata! 38,5! Demos meia volta e aí começou a minha saga.

Voltamos para o Rio no mesmo dia, mas no dia seguinte Igor precisou viajar a trabalho para passar a semana fora. A febre ia e voltava, muito, mas muito catarrinho fizeram com que Luquinha não conseguisse dormir, de segunda para terça e de terça para quarta. Eu, ele, ele e eu, dois zumbizinhos. Minha sogra e meu sogro deram uma bolona! Cuidaram dele enquanto eu trabalhava!

Na madrugada de segunda para terça, passei a noite mais cansativa com Luquinha, desde que ele nasceu! Nunca, mesmo enquanto era recém-nascido, tivemos algo parecido! Ele simplesmente não conseguia dormir de tanto que tossia e o catarrinho não deixava que ele respirasse direito. Uma tristeza!

Mas agora parece que a pior parte já passou! Hoje fomos no consultório da sua médica, que nos deu boas notícias. Luquinha está melhorando!! :)

Dra. Márcia é nossa anjinha, que sempre nos atende quando precisamos, sempre tão atenciosa, paciente e essencial! Hoje estivemos em seu consultório para ela examiná-lo! Ele falou sem parar pipipi papapa pepepe Bola, quedo (brinquedo), mamae, mamae, mamae, mamae, auau, popo (helicoptero popopopopopo) rsrsrs 

Uma pena ter acabado o final de semana dessa maneira, mas a parte boa é saber que Luquinha se divertiu demais!!! Às vezes eu penso... Poxa, se não tivéssemos ido à praia no sábado, talvez ele não tivesse ficado tão mal como ficou, ou talvez nem tivesse ficado doente. Mas quando a gripe passa - e só quando ela passa - eu consigo me lembrar do quanto ele se divertiu, do quanto ele estava feliz, do quanto amou aquele programa!

Já temos duas aptidões: futebol e música. :)

Quem finge melhor que toca? Papai ou Luquinha?

Vovó Helena fazendo bagunça com bebeco!

Eu e Rafinha morgando na grama depois do almoço!