30 janeiro 2012

Voltando à rotina de atividades físicas

Depois de ler esta matéria sobre como voltar a correr após a cesariana fiquei ainda mais animada para a minha volta às atividades físicas. Oficialmente, como disse no post anterior, estou liberada para caminhadas e exercícios leves. Como estamos num período movimentado para voltar para a academia aqui perto de casa agora - pois podemos nos mudar a qualquer momento -, o ideal é que eu fique somente na caminhada mesmo, que posso fazer pelas ruas do bairro sem problemas de cancelamento de matrícula.

Os quilos a mais já foram perdidos, o que vai facilitar a minha volta e vai me permitir comer normalmente, sem qualquer restrição alimentar que uma dieta exige. Gosto de colocar no papel minhas metas. Assim fica mais fácil cumprí-las e não perder o foco. Por isso, resolvi fazer o planejamento abaixo:






Objetivo

Voltar a correr, em ritmo normal, antes de voltar a trabalhar.

Meta parcial

Correr, em ritmo moderado, a partir de três meses após o parto, ou seja, 18 de março.

Ação

Caminhadas diárias de 50 minutos durante o mês de fevereiro e metade de março, até que se iniciem as corridas moderadas, que deverão ser supervisionadas por um profissional.

Cronograma Fevereiro


3 fev sexta
4 fev sábado
5 fev domingo


intervalo de dois dias

8 fev quarta
9 fev quinta
10 fev sexta
11 fev sábado
12 fev domingo
13 fev segunda
14 fev terça


intervalo de três dias

18 fev sábado
19 fev domingo
20 fev segunda
21 fev terça
22 fev quarta


intervalo de três dias

26 fev domingo
27 fev segunda
28 fev terça
29 fev quarta

Essa outra matéria, da revista Boa Forma, fala sobre quais exercícios estão permitidos em cada fase do pós-parto:

30 a 60 dias

Nessa fase, dá para começar a praticar atividades leves, como caminhada, alongamento, hidroginástica e exercícios específicos para fortalecimento do abdômen, lombar e assoalho pélvico – musculatura localizada a partir do osso púbico até a base da coluna, passando pela vagina, uretra e ânus, que dá sustentação aos órgãos sexuais internos (útero, ovários, trompas) e à bexiga.

60 a 90 dias


As atividades moderadas estão liberadas. Já é permitido pedalar sem carga na ergométrica, fazer sessões de ioga, natação e musculação com carga leve e séries com poucas repetições. Mas atenção: em qualquer exercício, não ultrapasse 70% da sua frequência cardíaca máxima.

90 dias

A essa altura, os pontos devem estar bem cicatrizados e você pode partir para exercícios de maior intensidade. É hora de caprichar nos abdominais, frequentar aulas de pilates, power ioga, jump, localizada e até fazer musculação com carga pesada.

É claro que a amamentação poderia interferir neste processo, mas como fala na matéria, o ideal é amamentar e sair para a atividade em seguida, tendo, assim, tempo para a caminhada, para o banho após a caminhada e para relaxar um pouco antes da próxima mamada.

Não exagerar é importante para não criar problemas com o meu corpo, que passou recentemente por uma cirurgia, mas, principalmente, para que o ácido lático não influencie no leite do Luquinha, prejudicando sua amamentação.

Vamos que vamos! De tempos em tempos vou atualizando aqui no blog se as coisas estão indo conforme planejado ou não (e porque não, neste caso). ;)

***

Luquinha está cada dia mais fofo - e pesado! Nossa maior diversão agora é ficar falando daquele jeito que as pessoas falam com bebês, perto dele, para vê-lo rir. É tããão gostoso. Ele está um risonho! Ri para todo mundo que fala com ele. rs

26 janeiro 2012

100a postagem !


Quem me conhece sabe, já tive muitos blogs. Mas este foi - e é -, sem dúvida, o que mais recebeu minha constância e dedicação. Não é por menos, né. O que, afinal, poderia ser mais importante:: Foram 100 postagens, mas mais de 300 dias de vida! Ponto, aliás, que me faz pensar que não deveríamos comemorar aniversário na data em que nascemos, mas na data calculada da nossa concepção! Por que não:: Os místicos devem estar me odiando por falar isso... mas e a numerologia, e os astros e tudo o que envolve o nascimento do bebê... Tudo bem, poderiam, então, ser duas comemorações. rs

100 POSTAGENS = 

  • +/- 300 dias de história
  • 9 meses de gravidez
  • 39 dias de vida do Lucas
  • 39 dias pós parto 


E o aprendizado está só no início! Há muito tempo não absorvia tanto conhecimento em um espaço tão curto de tempo. E ter a noção de que este é o começo de um aprendizado sem fim transforma toda essa história em algo ainda mais mágico do que já é por si só.

Aproveito o momento especial para agradecer a todas as experiências trocadas que os posts renderam! É sempre bom dividir informações e esse é, sem dúvida, o principal objetivo de tudo isso.

Que venham outras centenas de postagens alegres e divertidas!!!

****

Amanhã chegamos aos 40 dias e várias coisas passam a ser permitidas, entre elas, a caminhada leve. Em teoria, meu útero está quase em seu tamanho normal por agora. Mas as mudanças não são só minhas. É amanhã que o Luquinha deixa de ser, oficialmente, recém-nascido e passa a ser um BEBÊ!

Eba!!! Não vejo a hora de voltar a fazer exercícios. Essa semana até ensaiei uma caminhada. Foi ótimo! Cheguei em casa bem suada, com o rosto super vermelho (é, fui num horário não mto agradável por causa do sol rsrs Mas isso a gente conserta na próxima vez). O problema é que só posso fazer isso quando o Igor estiver aqui, pelo menos por enquanto. Depois que nos mudarmos, posso contar com a ajuda da família, que vai ficar doida para passar mais tempo com o Luquinha. rs

A vida sexual também pode voltar à ativa a partir de amanhã... mas isso eu não comento aqui, ok! :p


  

Encontros


No final de semana passado fizemos nossa primeira reuniãozinha com amigos aqui em casa, desde que o Lucas nasceu. Vieram Rafa Branco - meu compadre - a Cla, sua noiva (chic rsrs),  Fê Cavour e Daniel. Foi uma noite agradável, apesar do calor massacrante do verão carioca, regada de conversas descontraídas e despretensiosas. Bem do jeito que a gente gosta! Aperitivos, cervejinha e refrigerante (ai, que inveja) para eles. Fiquei nas azeitonas e na Rufles... rs

Mais do que saudade de sair de casa, estava com saudade dos meus amigos. Estou ainda, na verdade, de muitos! Mas com o tempo vamos conseguindo reunir todos e daqui a pouco poderemos sair com o Luquinha e fazer visitas por aí. Não consegui escrever sobre o assunto porque logo depois disso que o Lucas começou a ter os choros durante a mamada, então, como vocês viram, fiquei uns dias sem escrever no blog.

Mas fiquei MUITO FELIZ com a vinda deles aqui em casa! São pessoas mais que especiais na minha vida e quero ainda muitas visitas, principalmente depois que mudarmos para a casa nova! ;)








25 janeiro 2012

Leite

Tivemos alguns dias agitados por aqui. Luquinha nao estava querendo mamar. Ele estava com fome e muita. Mas cada vez que eu o colocava no peito, abria o berreiro. Fiquei cansada, estressada, chateada e preocupada. Não era cólica porque quando eu tirava ele do peito o choro parava e ele fucava calminho. Nitidamente era algo doendo quando o leite entrava no seu corpinho.

Comecei a pesquisar, pesi ajuda à minha mãe, Igor me ajudou a identificar os sintomas, maa não encontramos nada que descrevesse o que era.

O mais próximo que chegamos foi o refluxo. O Lucas não regirgita quase nunca, não tem problema para dormir, não é estressado e raramente fica irritado. Mas essa história de chorar enquanto mama... Só levava ao tal do refluxo.

Ligamos para o pediatra dele, que está de férias e falou para mudarmos de Luftal para Milicon, aumentando uma gota. Disse que não podia fazer nada de longe e que voltaria somente na semana que vem. Não preciso nem falar nada, né?! Falamos para ele queno Lucas NAO ESTAVA MAMANDO e ele nem perguntou há quanto tempo ele nao mamava! Se ele nao estivesse mamando NADA... Ficaria com fome até semana que vem?!

Buscamos, então, um gastro pediatra e uma nova pediatra. Ja marcamos com ela para fevereiro e vamos marcar com ele hoje à tarde, para assim que ele puder.

De qualquer forma, desde ontem à noite descobri que ele mama quando fico em pé com ele, em posição mais vertical. Então ele está mamando bem de novo. Fico mais tranquila, mas ainda vamos averiguar essa questão do refluxo.

Ah, sobre o leite, li muitas mães falando que o pediatra cortou leite e derivados por causa do refluxo. Cortei o meu desde ontem - já tinha cortado o leite, mas ainda estava comendo queijo, tomando iogurte e leite condensado. Cortei tudo e acho que isso tb influenciou na melhora.

Minhas costas estão se acabando, mas pelo menos ele está alimentado! Da série "coisas que só mamãe faz por você". Rs

Ps. Há uns 3 dias seu cabelinho vem caindo! Será que vai ficar carequinha?! :)

Ps. 2 desde anteontem à noite doemiu sozinho, sem qq estímulo, algumas vezes! Nosso bebê está crescendo! <3

23 janeiro 2012

E vieram os sorrisos...

Lucas está sorrindo! Eu sei, desde a primeira semana ele sorri. Mas antes era nítido que os sorrisos eram involuntários e decorrentes de espasmos musculares - ou não, né... vai saber. Agora ele está realmente sorrindo. Sorri para a gente! Sorri para pessoas que falam pertinho do seu rosto e com voz carinhosa de quem fala com um bebê. Sorriu para a vovó Helena, que é muito boa em fazer bebês sorrirem. Sorriu para a mamãe e para o papai e quase sorriu para a Tangerina. Mas o processo de reconhecimento entre os dois ainda está acontecendo.

É muito orgulho! Ele está prestando mais atenção nas coisas, presta atenção na gente, percebe quando entramos no quarto e me vê quando me aproximo do berço, mesmo quando não estou tão perto do seu rostinho.

Li que ele já começa a ter controle dos pés e das mãos, mas ainda não consegui perceber isso no dia a dia.

Ontem e hoje ele "ensaiou" querer dormir sozinho - sem minha ajuda para niná-lo, colocá-lo na manta e deixá-lo relaxado para sua soneca. Digo ensaiou porque, apesar de ter dormido, ontem à noite e hoje de manhã, por alguns minutos, sozinho, logo depois acordava e ficava inquieto, como quem ainda precisa de um estímulo para poder descansar. Mas já percebemos a mudança acontecendo. ;)

O melhor remédio para as brotoejas: ar condicionado. O remédio mais caro até hoje: o remédio para as brotoejas, a conta do ar condicionado. Nem quero pensar nisso para não ficar nervosa. rs O que importa é que está funcionando e a cada dia elas somem mais.

Os banhos de sol continuam a toda! São Pedro tem dado uma brecha e o sol está se fazendo bastante presente nos últimos dias.

As cólicas estão mais amenas. Quase imperceptíveis, na verdade. O que ainda tem acontecido é dele começar a chorar no meio da mamada. É muito ruim, fico chateada, preocupada e estressada achando que ele vai ficar com fome. Mas já aprendi a lidar melhor com a situação. Não insisto. Ele mama quando estiver mais à vontade e tem funcionado bem assim. O Luftal como medida preventiva também se mostrou eficaz.

Está com cinco semanas nosso rapazinho! Cinco semanas e um dia. rs

Banho de sol em 22.01.2012

20 janeiro 2012

O pai, música e outras coisinhas

Sabe quando a gente vive tanto uma coisa que passa a achar que é normal:: Então, isso aconteceu comigo em relação à presença do maridão grande parte do tempo em casa. Hoje estava pensando e me dei conta que temos muita sorte dele estar mais presente do que era para estar se trabalhasse num emprego de segunda a sexta, oito horas por dia. Isso é ainda mais valioso nesses primeiros meses, que eu amamento o tempo todo, pois ele está aqui presente, como eu. E o Lucas não vai ficar acostumado só comigo, como é normal que aconteça no início.

E o Igor... vocês sabem, né, mas eu não canso de falar. Ele é tudo de bom como marido e como pai! 100% presente e ativo! :o) (será que eu devia ficar falando isso repetidamente:: Humm... nosso Santo é forte rsrsrs)

Cara de um, fucinho de outro

Hoje tomamos banho de sol. A pediatra do parto tinha dito que era para tomar desde o momento em que saímos da maternidade, mas na primeira consulta com o pediatra do Lucas, ele disse que era melhor fazer isso somente depois dele completar um mês. Ele estava saudável, sem icterícia, então não havia necessidade. Fizemos o que ele falou e aguardamos. Ontem não fez sol de manhã, então hoje, no primeiro dia com sol depois dele completar um mês, fomos eu, Lucas e Tangerina lá embaixo pegar um pouquinho de sol e ar fresco.

Foi ótimo. Lucas ficou quietinho - e Tangerina também, graças a Deus rs. Pegou 3 minutos de sol na frente e 3 minutos atrás (o médico falou 2,5 em cada, mas eu acrescentei 30'' por conta própria). Quando voltamos, troquei sua fralda e ele dormiu. Depois acordou, mamou, arrotou e eu dei um banhinho nele para refrescar desse calor do verão carioca (e ver se essas brotoejas vão embora, porque eu já não aguento mais elassssss). 

Tudo isso ao som de Beatles. É a primeira vez que ele ouve - o original, porque ele já tinha ouvido ao som de Pato Fu). Acho que ele gostou! :) Ficou calminho. rsrs Acho importante colocar música para ele ouvir. Sem preconceitos e sem rótulos. A mãe dele é eclética, gosta de rock a pagode, passando por - quase - todos os estilos musicais. Hoje foi Beatles, amanhã, quem sabe Revelação... 


19 janeiro 2012

.um mês


Ontem, dia 18 de janeiro, Lucas completou um mês de vida. Fizemos um bolinho para comemorar seu nascimento - falei com o Igor que temos que comemorar todos os meses, até ele fazer um ano, aí passamos a comemorar anualmente. O bolo quem escolheu - e fez - foi o pai: bolo de coco com cobertura de beijinho. Ficou uma delícia. Não comi uma fatia inteira, porque fizemos à noite e eu não queria arriscar passar a madrugada acordada com Luquinha por causa de gases e cólica. Mas comi um pedaço da fatia do Igor para marcar o momento. ;)

Este mês voou. Parece que foi ontem que chegamos com o pacotinho da maternidade, sem ter ideia do que vinha pela frente (como se agora tivéssemos, né rsrs). 

Olhando para trás, posso dizer que foi um mês muito tranquilo! Lucas mostrou ser um bebê anjo, muito calminho, que só dorme e mama. Desde o início aprendeu a dormir à noite, acordando somente para as mamadas. E até hoje é assim. O que mudou mesmo dos últimos dias para cá é a tal da cólica que resolveu dar o ar da graça. Ainda assim, mesmo com cólica, ele é controlado. Vejo relato de mamães que não conseguem dormir e não conseguem fazer o bebê parar de chorar e fico rezando para que o Lucas continue do jeito que está hoje, mesmo com as cólicas.

Algumas vezes, devo admitir, principalmente quando o Igor viaja e eu fico sozinha e, logo, mais sensível a qualquer mudança na rotina do Luquinha - com medo de estar fazendo algo de errado ou de ter algo de errado com ele -, tive vontade de chorar. Essa vontade vem quando ele chora berrando, geralmente quando está com dor é assim, ou quando, por qualquer outro motivo, ele não quer dormir de jeito nenhum. Dá um desespero... Mas todas as vezes que senti vontade de chorar por causa dessas coisas, não me permiti. Quem tinha que chorar era o Luquinha e eu tinha que estar ali inteirinha para ajudá-lo, seja o que fosse que estivesse precisando. 

Eu sei... não dá para ser tão durona. Mas foi a forma que pensei na hora e deu certo. Segurei o choro e busquei alternativas para resolver a situação na hora. Na hora que eu precisar chorar de verdade - e eu espero que não precise -, vou saber. 

Mas a verdade é que eu agradeço todos os dias por Lucas ser exatamente como é! E isso se deve a três fatores: Ele mama bem, o que - só os pais sabem - é uma dádiva! Fico preocupada quando ele mama pouco ou quando não consegue mamar por causa da cólica. Ele dorme à noite. Mesmo acordando duas vezes a cada noite para dar de mamar, o que faz com que nosso sono não seja completo e minhas olheiras aumentem um pouco, conseguimos descansar bem dormindo cerca de 7 horas por noite. E ele quase não chora. Como disse, tem chorado no mesmo horário todos os dias por causa da cólica, mas aos poucos estamos encontrando mecanismos para fazê-lo relaxar - pego ele no colo e balanço como se estivesse dançando reggae hahahaha É verdade, ele fica calminho e até dorme. É bom que faço um exercíciozinho também. rsrs

O ciclo de saúde do primeiro mês também está todo completo. A consulta com o pediatra já aconteceu, como vocês viram no post anterior e está tudo em ordem. Hoje fomos ao posto de saúde dar a segunda dose da vacina contra a Hepatite B. Ele deu uma choradinha quando o líquido entrou, mas logo dormiu de novo. Agora, próxima consulta só em fevereiro, mês também em que ele tomará as vacinas mais importantes.

Pontos que mudaram desde o início até agora na minha vida:

Não vou mais de hora em hora até o berço ver se ele está respirando (fazia muito isso no começo);
As brotoejas não me incomodam tanto, principalmente desde que a cólica apareceu e aí, sim, eu vi que tinha uma situação realmente importante para me preocupar;
Ele não escorrega mais no banho, porque aprendemos que ele não é tão sensível quanto achávamos e conseguimos segurá-lo com mais força;
Não me sinto mais culpada por não dar banho nele de água filtrada e fervida. As coisas estão indo bem com água do chuveiro mesmo;
Não tenho mais dor nos seios como tinha no início, quando o leite chegava. Ainda sinto o leite chegar, mas a dor é muito mais amena, quase como um incômodo somente;
Parei de me forçar a seguir estritamente o que o livro "Encantadora de bebês" diz. Absorvi as coisas mais importantes, estou aplicando-as e criando minha própria rotina.

Pontos que mudaram no Lucas:

Ele regurgita de vez em quando, o que me deixa mais satisfeita, pois antes ficava com medo de regurgitar somente quando o deito;
Ele olha nos nossos olhos e, posso estar enganada, mas tenho a sensação de que ele já reage a nossa voz, quando falamos com ele bem pertinho;
O cocô não é mais a cada troca de fralda;
Ele levanta o tronco e a cabecinha quando o colocamos de bruços;
Ele nos acompanha com o olhar - ou a qualquer objeto colorido que colocamos na frente dele (não todas as vezes, às vezes ele simplesmente ignora que estamos ali rs);
A fralda P já está ficando pequena para ele.

É isso, galerinha! Estamos muito felizes e cada dia mais apaixonados pelo Luquinha.

Tangerina, papai e mamãe comemorando um mês completo do Lucas com um bolinho de coco com cobertura de beijinho delicioso que o daddy fez!


Mamãe brincando com a máquina rs
Hoje de manhã, dia 19, antes de irmos ao posto de saúde para  a segunda dose da vacina contra Hepatite B


    

17 janeiro 2012

Pediatra - 2a Consulta

Estamos felizes! Luquinha está com 4,820kg, 1kg mais pesado desde a última consulta, que tem quase 4 semanas. Está com 54,5cm, dois a mais. Sobre o post anterior, o médico confirmou, é cólica mesmo. Disse que podemos continuar fazendo o que estamos fazendo e disse também que vai passar. É comum que o bebê tenha isso, porque seu organismo está se adaptando ainda. Ficou feliz que estamos indo bem na amamentação (ele é super hiper adepto à alimentação exclusiva no peito até o sexto mês) e disse que ele está crescendo bem por causa disso.

Antes e depois da consulta, passamos na casa da vó Lucimar e do vô Luis. Almoçamos lá mesmo, com a companhia também dos dindos, Luismar e Aline, além da bisa Joana e da tia Nandiquinha.

As brotoejas estão sumindo aos poucos, graças ao Cutisanol e ao ar-condicionado.

O car seat está a cada dia "cabendo" melhor

Vó Lucimar babando o netinho

Vô Luis e netinho rubro negros

Tia Nandiquinha paparicando o sobrinho

16 janeiro 2012

Será que é cólica?

Há cerca de quatro dias, Lucas chora no final da tarde. Não consegue mamar. Logo na hora que começa, dá uns gritos e começa a chorar. Só para quando o coloco em pé, ou com a chupeta. Dá para ver que está com dor e é comum virem logo uns puns e arrotos. Dá uma peninha!

Hoje à tarde ele mamou o dobro de tempo que costuma mamar: 55 minutos. Sabia que talvez depois fosse pior, mas não havia nada no mundo que fizesse eu pará-lo. Até porque, sabendo que ele não conseguiria mamar direito mais tarde, melhor que mamasse bem naquela hora.

Agora está na hora de mamar de novo e ele não consegue. Começa a chorar. Até tenta, o que me deixa com mais pena ainda, mas a dor é tanta que ele não consegue se concentrar e pegar o bico direito, então começa a chorar - de dor e irritado.

Também não quero ficar reclamando. Tem bebê que não para de chorar quando tem cólica e o Lucas não chegou neste estágio - e eu espero muito que ele não chegue. Deixei que ele descansasse. Está no bercinho, sem dormir, mas, aparentemente, sem dor. E está com o olhinho fechadinho, então está descansando. Na hora que ele tiver fome, vai vir aquele chorinho ameno e aí a gente tenta de novo.

Amanhã temos consulta de manhã e o médico vai me dizer o que provavelmente eu já sei, que é cólica. Mas ainda tenho esperança dele dizer: ah, não, é normal com 4 semanas o bebê ter isso. Amanhã já vai ter passado. rs

Se for cólica mesmo, vamos torcer para passar logo, do mesmo jeito. É muito ruim vê-lo com dor. As brotoejas não são nada perto disso.


13 janeiro 2012

.primeiro erro

: achar que descobriu alguma fórmula secreta.

Eu sei, desde o início, que cada dia é diferente, nenhum dia é igual e, de fato, nenhum dia foi igual com o Luquinha desde que chegamos em casa, da maternidade. Mas eu realmente tinha achado que tinha encontrado a fórmula para fazê-lo dormir feito um anjinho. Talvez até tivesse encontrado... se eu morasse na Europa ou no Canadá.

É sobre aquela história dos 4 S. O S do swaddle, que é o de enrolar na manta, não funciona aqui no Rio de Janeiro. Por motivos óbvios. Mas não tão óbvios para eu não perceber isso nos primeiros dias de uso. Todo enrolado, dormia feito um anjinho. Só que, alguns dias depois, o que aconteceu... Está com o rostinho CHEIO de brotoeja. Dá uma dó que vocês nem imaginam!

Fiz algumas pesquisas no Baby Center, que é um dos únicos sites que eu confio para tirar essas dúvidas, e vi que era normal o bebê ter acne - que é o que parecia no início. Mas com o tempo, elas foram aumentando e ficando avermelhadas. O rostinho dele parecia que estava assadinho. E isso eu conheço bem. Tenho brotoeja desde que posso me lembrar. E sempre é por causa do calor - raras as vezes, por causa de ácaros, mas na maior parte do tempo por causa do calor.

Não ia ligar para o médico enquanto parecia acne, pois temos consulta marcada na semana que vem e isso poderia esperar. Mas como o negócio aumentou e foi ficando vermelhinho, liguei para ele, que me receitou Cutisona (para brotoeja, eczema etc). Além disso, dormimos ontem à noite no ar condicionado e, é claro, desde que percebi a brotoeja parei de usar a técnica do swaddle. Nem no ar eu usei. Preferi colocar uma roupa mais quentinha.

Ainda não percebi melhora nas brotoejas - calma.. comecei a usar ontem à noite. Mas vamos ver... Minha tia me mandou mensagem dizendo que eu podia também passar Maizena. Como eu já tinha falado com o médico e pedido o remédio na farmácia, estou tentando o medicamento primeiro. Se não funcionar, vamos apelar para a Maizena.

Agora ele está dormindo como um anjinho em seu quarto, dentro do carrinho, para ficar mais próximo da janela, onde bate um ventinho e do ventilador - que não está em cima dele, é claro.

Imagino que tenha sido por causa do calor. Ontem ele estava muuuuuito enjoadinho. Passou a tarde toda acordado e toda vez que eu o colocava no berço, ele começava a chorar. Ele não é dessas coisas, pois não estamos com este costume. Mas eu sei que ele só relaxou mesmo depois do banho, quando fomos para o ar condicionado. Tadinho do meu fofinho.

Agora, para faze-lo dormir, continuo com a técnica dos 4 S, sendo que estou usando somente 3S. Não é tão simples, mas ainda funciona. Ele só demora um pouco mais para dormir, porque quando tem um daqueles espasmos que mexem as perninhas e os bracinhos ele acorda. Já percebi que isso diminui quando o coloco de ladinho.

Como ele dormiu depois de mamar hoje de manhã, aproveitei para limpar a zona que a casa ficou desde ontem à noite. Tudo isso porque, como eu estava exausta:


  • não limpei a banheira depois do banho;
  • não coloquei a toalha dele para secar;
  • não joguei no lixo a fralda que tirei antes do banho.


E ele fez cocô e xixi nas duas trocas de fralda depois, às 3h30 e às 7h. Sim, cocô e xixi fora da fralda, na hora que eu estava trocando. Nem fico chateada, fico mesmo é feliz, porque sei que ele está fazendo cocô direitinho e mamando também. rs Coisas de mãe. hehehe

Aí, hoje de manhã:


  • coloquei a toalha, as fraldas e as roupinhas dele de molho para lavar;
  • varri a casa e passei pano úmido;
  • acendi dois incensos para deixar tudo mais tranquilo;
  • tomei café;
  • limpei o berço dele, apesar dele estar dormindo no carrinho neste momento (é incrível como tem poeira aqui).

Sim, estou amando ter finalmente, depois de 26 anos, aprendido a cuidar da casa (só falta aprender a cozinhar rs), embora seja bastante cansativo! Mas vale totalmente a pena.

Luquinha finalmente dormindo como um anjinho de novo... e cheio de brotoeja no rostinho. Ohhhh, tadinhooo!
Tangerina, MEGA companheira. Vive atrás de mim e "cuidando" do Lucas



11 janeiro 2012

.só ela


Mamãe, em primeiro lugar, parabéns pelo dia de hoje! Foi nesta data, há 51 anos, que a "razão do meu ser" foi iniciada. Eu não pretendo fazer do meu texto para você um texto sobre mim, mas o que posso dizer. Sou o que sou porque você me modelou assim, então mesmo quando falo sobre mim, estou falando mesmo sobre você. E o mesmo acontece com o Lucas, por assim dizer. Tudo começou com você.

Eu sei que em todos os últimos anos, eu sempre lembro a você sobre o quanto me orgulha. Sobre o fato de você ser tão batalhadora, tão corajosa, tão independente, tão carinhosa e amorosa, tão querida por todo mundo... sobre o quanto tudo isso me deixa feliz, satisfeita e orgulhosa. Mas sempre que acontece alguma coisa, que eu ou o Rafa fazemos alguma burrada, eu sei que você fica se culpando: o que eu fiz de errado.

Então, acho importante reforçar todas essas coisas e te dizer, mais uma vez, que essas coisas erradas que fazemos não são sua culpa. São culpa da outra metade que nós mesmos criamos, e erramos porque ainda estamos nos aperfeiçoando. A sua parte, pode ficar tranquila, você fez muito bem.

E eu sei disso desde sempre. Primeiro porque as pessoas as nosso redor sempre nos falaram sobre isso: sua mãe não existe, sua mãe merece 100% do respeito de vocês, não tem ninguém igual a sua mãe, sua mãe faz coisas que ninguém faria... Depois, porque, quando a maturidade chegou, eu mesma comecei a ver tudo isso em você. As pessoas podem dizer que toda mãe é mãe e toda mãe faria tudo o que você fez e faz.

Mas quer saber... Eu sei que você faz mais!

Não porque você nos ama mais do que as outras mães amam seus filhos... Quem sou eu para medir isso. Mas porque você é especial, independente de ser minha mãe. Porque você vem ao Rio de Janeiro três vezes na semana, às vezes, para ajudar as pessoas - seja eu, o Rafa, seus amigos, seus chefes, seu marido. Jacarepaguá a Botafogo é, para você, a 5 minutos de distância. Porque você está sempre feliz, não importa a dor de cabeça forte, o estresse no trabalho, o estresse no outro trabalho, as pessoas más ao seu redor, as contas que não fecharam, a viagem que não deu certo...

Triste mesmo, só vejo você quando tem algo de errado comigo e com o Rafa. Tirando isso, a impressão que eu tenho é que você fica, no máximo, chateada.


Porque você acredita, você sonha e você realiza, você persiste, você espera, você consegue. Desde que eu a conheço você é assim. Você impressiona, surpreende, apaixona, diverte, consola. Você não é uma, você é mil.

Eu sei que somos muito parecidas em algumas coisas e muito diferente em outras. Sei também que já tivemos muitas divergências - ah, a adolescência... - e que batemos de frente inúmeras vezes. Mas eu não sei se você já percebeu. É comum que eu demore uns dias para absorver as informações que você me passa. Nem sempre eu concordo, mas, muitas vezes, mesmo te falando que eu não concordo, acabo digerindo as informações aos poucos e uma hora adapto o que você me falou na minha vida. E aquela lição fica ali, marcada para sempre.

Temos nossas personalidades. Eu me orgulho de ser quem eu sou, e sei que eu devo muito, mas muito mesmo do que sou a você. Essa coisa que a gente tem de adorar os bens materiais, mas não sermos apegadas a eles, isso que a gente tem de fazer mais pelos outros do que eles parecem merecer, de lidar e gostar de pessoas que ninguém atura - ah, somos mestres em fazer isso -, esse "dom" de observar mais do que falar, de sentir o verdadeiro eu das pessoas... É claro, tem coisas que ainda estou aprendendo. Não consigo prever tanto as coisas como você faz, mas estou treinando para isso.

Essa sua sede de trabalho, de estar ativa 100% do tempo, de amar incondicionalmente as coisas e as pessoas, de passar por cima dos problemas como um trator... Eu não sou assim. Ainda. Mas, não sei se você sabe, ainda acredito que possa ser. Quero ser. E você é meu estímulo constante para isso.

A sua vida dá um livro, mamãe. E, mesmo sem conhecer Manoel Carlos, a vovó Walkiria parece ter acertado na escolha do nome. Você nasceu para ser protagonista!

Feliz aniversário! Eu te amo! E é vitalício o meu orgulho de você ser a minha mãe! Obrigada por ser tudo o que é e, por isso, ter proporcionado ao Lucas uma mãe melhor!


09 janeiro 2012

EASY - para mães de bebês

Definição Eating (comer), activity (atividade), sleeping (dormir) e you (você)


Trata-se de um termo criado pela enfermeira Tracy Hogg, autora do livro "Encantadora de Bebês" e significa uma rotina para tornar as coisas mais fáceis na criação do seu bebê. A ideia é que, com o easy, você tenha o controle da situação, ao invés de deixá-lo a cargo do baby que acabou de chegar. É comum que isso aconteça e algumas mães não se importam (de deixar o bebê dormir na hora e pelo tempo que ele quiser, mamar na hora e no tempo que ele quise - mesmo que isso signifique dois minutos por vez - etc).

A ideia é que o easy seja instaurado desde a chegada em casa da maternidade, mas não consegui fazer isso logo de cara. Na verdade, fui tentanto aos poucos. As mamadas foram mais fáceis, já que na maternidade elas também falam para que ele mame de três em três horas. Ele foi se acostumando assim desde o início. Já a hora das atividades e hora de dormir, fui deixando as coisas acontecerem da forma dele nas duas primeiras semanas. Como ele dormia bem à noite e tirava boas sonecas de dia, não me importei de deixar as coisas desse jeito.

Mas ao final da segunda semana, achei que era hora de começar a instaurar o easy de verdade, para que nós dois possamos ter uma rotina bem definida.

O passo mais diferente do que eu já estava fazendo, entre os quatro steps do easy, era a hora das sonecas. Eu deixava o bebê dormir à vontade, quando percebia que ele estava com sono, o colocava no berço e deixava ele lá, até que adormecesse. Às vezes demorava um pouco, ele ficava balançando bem as perninhas e os bracinhos, dava umas choradinhas de leve e depois de algum tempo dormia.

Mas, no livro, ela fala de uma técnica que funciona quase 100% das vezes. Tem um capítulo no livro só sobre isso, "Ensinando o bebê a dormir". É o tal do Ritual dos 4 S: Situação (deixar o ambiente agradável para o bebê descansar, num lugar fresco, com meia luz, sem muita agitação), Swaddle (enrolar o bebê numa manta para que ele fique com os bracinhos e perninhas presos), Sentar (sentar com o bebê silenciosamente, sem estimulação física) e, quando necessário, Silenciar e dar tapinhas (aquela técnica do shhhhh, shhhhh, com ele já no berço).

É importante que na parte de sentar com o bebê e na parte de silenciar, caso seja necessário (quando o bebê chora depois de você colocá-lo no berço), você fique, ao menos, cinco minutos fazendo aquilo. É o tempo que ele precisa para acalmar e poder voltar a dormir. Na parte de silenciar, ela chega a pedir que você fique de 7 a 10 minutos fazendo isso, mas pode ser que ele relaxe antes. 

O que eu sinto que é o mais importante é a parte do swaddle. Isso realmente deixa o bebê mais seguro e ele não fica "pedalando no ar", com a sensação de que está solto e de que pode cair a qualquer momento (é o que eu imagino que ele sinta... é como eu me sentiria rs). Às vezes ele não dorme, mas fica quietinho e calminho no berço.

****

Tive que parar o post para dar de mamar, depois ele descansou um pouco, depois demos banho nele, dei de mamar de novo e agora ele dormiu. Aliás, é importante falar disso: dormiu enquanto eu estava tentando fazer com ele arrotasse. Apagou, na verdade, porque não conseguiu descansar direito no final da tarde. Até ficou quietinho, mas não chegou a dormir. Então, como ele estava apagado e agora já é hora de dormir de verdade - ele começa o ritual do sono com o banho (às 19h30 +/-, depois mama e o colocamos para dormir no escurinho, no silêncio, no fresquinho), não cheguei a colocá-lo no swadlle. Só vou fazer isso se ele acordar agitado, mas acredito que ele vá dormir bem até a próxima mamada, às 23h.

Então, o mais importante, além de seguir o ritual que a Tracy fala, é você saber a hora de abrir exceções ou de fazer diferente do que ela está dizendo. Cada bebê é de um jeito, nenhum é igual e eles, inclusive, quando são tão novos assim, mudam a cada dia. Nenhum dia é igual ao outro, pelo menos por enquanto.

Para mim, a principal lição do livro, de todas as coisas que li desde o início da gravidez e o que estou aprendendo desde que o Lucas nasceu, é que algumas perguntas devem ser feitas: primeiro em relação a você, se você está bem, se está conseguindo descansar, se está relaxada, ou se mesmo cansada está feliz e satisfeita; e, segundo em relação ao bebê, se ele está saudável, se alimentando bem, dormindo bem e evoluindo conforme o esperado.

Se as respostas forem positivas, com rotina ou sem rotina, significa que as coisas estão saindo da melhor maneira possível. ;)

Lucas no swaddle, dentro do berço


06 janeiro 2012

Eles sentem tudo !!!


Nesta quarta Igor voltou a trabalhar. E minha ansiedade aumentou um pouco porque estava com medo de ficar sozinha em casa com Luquinha. Não em condições normais, mas porque emergências acontecem, né. Apesar da ansiedade, era o que eu queria. Não queria ir para casa de ninguém ou que alguém viesse para cá. Gosto da minha independência e considerei normal minha ansiedade, já que seria a primeira vez que eu ficaria sozinha em casa com o meu filho. Digo "com o meu filho" porque já fiquei sozinha com bebês (DOIS) em casa na época que era babysitter dos gêmeos, nos Estados Unidos. E era tranquilo. Tudo bem que na época eu tinha 18 anos e não me preocupava tanto com as coisas como me preocupo hoje, com 26. E eles tinham 11 meses quando comecei a trabalhar com a família e não 2 semanas, como o Luquinha tem.

Então, o Luquinha que é esse anjinho que sempre falo aqui, mudou seu comportamento. Além de ter acordado 4 vezes na noite de quarta para quinta - quando o normal é acordar duas -, chorando - quando o normal é não chorar, mas ranhetar para dizer que está com fome -, ontem ele ficou o dia todo com gases e dor e chorando mais que o comum. Eu mantive a calma e, ainda assim, não foi tão difícil porque não era aquele choro que não para por nada. Quando eu andava com ele no colo, balançando, ele parava. Ou quando pegava ele do jeito que o pai pega, segurando-o no ar, na minha frente e balançando.

Cuidei para que minha alimentação não saísse do normal que tenho comido. Pão integral, queijo Minas, geléia de morango, leite integral, carne moída, arroz integral, abóbora, cenoura, cereal sem açucar, mamão, ameixa e muita, mas muita água mesmo.

No final do dia ele foi melhorando. Não chorou no banho, mamou bem depois disso e tivemos uma noite tranquila novamente. Hoje ele também está melhor, sem dor, dormindo e mamando bem.

Mas o que eu queria falar mesmo é como é incrível que tudo que acontece comigo interfere nele. É claro, muitas das coisas por causa da amamentação. Mas a sensação que eu tenho é que ele sente quando estou com medo, ele sente quando estou estressada, ele sente quando estou feliz, ele sente tudo!

Não tenho do que reclamar. Mesmo em seu dia mais difícil, que foi ontem, ele ainda foi tudo de bom, facilitando muito as coisas para mim. Tive tempo até de voltar a ler o meu livro e escrever no meu diário. Tive tempo de entrar no Facebook e falar com meus amigos, tirar e mandar fotos e vídeos para familiares... Ele é um lindão.

05 janeiro 2012

Updating


Lucas dorme
Lucas mama
Lucas toma banho
Lucas faz cocô
Lucas faz xixi
Lucas faz xixi no banho
Lucas faz xixi quando estamos trocando as fraldas
Lucas faz cocô quando estamos trocando as fraldas
Lucas solta pum
Lucas quase não arrota
Lucas quase não regurgita (mas ontem regurgitou duas vezes)
Lucas olha no olho dos papais por alguns - poucos - segundos
Lucas olha coisas coloridas
Lucas não chorou no banho de ontem
Lucas tem gases
Lucas não tem cólicas
Lucas está mais pesado (posso sentir)
Lucas gosta de música de bebê
Lucas gosta de música de adulto

Ai, ai.... ;)

04 janeiro 2012

Tempo

Eu achei que as coisas fossem ser diferentes. Conseguia me imaginar com olheiras, cansada, mal humorada, há semanas sem dormir direito e sem tempo para respirar. Talvez eu soubesse que não seria assim... Via amigas que acabavam de ter filho no Facebook e isso era o suficiente para eu saber que elas tinham, sim tempo, diferente do que me disseram durante toda a gravidez.

Sei que isso independe de mim. Tem 100% a ver com o Lucas, que é um anjinho, quase não chora, tem poucas dores de gases e até agora, graças a Deus, não teve cólica. Eu só aproveito que ele é assim e faço com que ele tenha uma rotina estruturada, para que os próximos meses sejam mais fáceis para todos nós.

Hoje eu tenho tempo. Tenho tempo de escrever no meu blog, de ouvir música, ver filmes na TV, comer com calma. E sou grata a isso, até porque, o Lucas ainda é muito novinho e eu não sei por quanto tempo vai durar essa calmaria. Enquanto ele está acordado, tento aproveitar ao máximo o tempo com ele. Fico do ladinho, converso, mostro brinquedos, vejo se ele presta atenção nas cores etc.

Tenho tido tempo de lavar as roupinhas dele e manter tudo limpinho e organizadinho. Coloco música para ele escutar todo dia de manhã também. Dou de mamar na hora que ele quer, que é, normalmente, de 2h30 a 3h depois da última mamada. Se ele mama menos, esse tempo diminui e se mama mais, pode aumentar, mas eu costumo acordá-lo para não deixar passar das 3h. Só à noite que é diferente.

E aí eu, inquieta do jeito que sou, começo a procurar coisas para fazer com este tempo que sobra: posso tirar muitas fotos dele, posso escrever um livro - ah, esse livro fantasioso rs -, posso atualizar meu diário, que há muito anda abandonado, posso rever os meus filmes preferidos que tenho em DVD, posso prestar mais atenção nos telejornais de todos os canais abertos, o que pode me ajudar quando eu voltar a trabalhar, posso voltar a ler os jornais todos os dias - será... -, posso ler livros, baixar músicas novas... Posso tudo!

Mas, na maior parte do tempo, tudo o que eu quero é ficar do ladinho do Lucas, seja para ficar olhando para ele enquanto dorme, dando de mamar ou chamando sua atenção para as coisas e cores ao redor.

***

Não tenho lembrado dos meus sonhos, mas sei que todos os dias sonh com algo relacionado à maternidade. Essa semana, sonhei três vezes com coisas relacionadas aos meus avós paternos, que já faleceram. Em um dos sonhos eu lembro que eles estavam presentes. Eu os amo demais, éramos muito próximos, mas sempre fico com um pouco de medo quando sonho com eles. É comum, inclusive, que eu tente entender o que o sonho queria dizer. E é mais comum ainda que o sonho queira, de fato, dizer algo - pelo menos na minha cabeça.

É claro que o momento facilita este entendimento. É o nascimento de alguém na família! Não é toda hora que isso acontece. O último que aconteceu foi a Bia, filha da minha prima Verõnica, há 4 anos. Sei o quanto isso seria importante para eles, se estivessem aqui. E sei o quanto seria importante para mim, que eles estivessem.

Gosto de sonhar e gostaria de lembrar mais de tudo que tenho sonhado. Talvez eu passe a anotar, logo quando acordar. É o que os especialistas me recomendariam.

02 janeiro 2012

Feliz ano novo ... e outras coisitas

Fiquei pensando no que escrever sobre o ano novo aqui no blog. Queria tentar expressar o quanto 2011 foi bom para mim e para o Igor, algo que, provavelmente, todo mundo que acompanha o blog entende.

Mas é mais do que isso. É claro que o nascimento do Lucas foi a coisa mais importante que já aconteceu nas nossas vidas! Mas seria muito simples falar isso a vocês. Eu queria que entendessem como aconteceu todo o processo e como aconteceram todas as coisas boas na minha vida até hoje. O quanto a fé e a real vontade têm a ver com tudo isso.

Apesar de não ter uma religião, acredito muito em Deus. E lembro, como se fosse hoje, do dia em que eu percebi que não deveria gastar pedidos com Ele. Eu era adolescente e estava sozinha em casa, chorando, sofrendo por algum namorado. E ficava pedindo a Deus que ele me ajudasse, que ele organizasse as coisas novamente, que fizesse tudo voltar a ser como antes, quando me dei conta que nem eu sabia se era aquilo mesmo que queria. Parei na mesma hora e pensei: como posso pedir algo que não sei se quero de verdade ou se é puro capricho...

Decidi mudar a forma de lidar com esse tipo de coisa. A partir daquele momento, faria antes uma reflexão profunda e muito pessoal sobre as coisas que eu realmente queria. Não pedi ajuda para passar no vestibular, porque estava confusa demais na época para saber o que eu queria. Não pedi ajuda mais com garotos, a não ser de forma genérica. Nunca sobre um garoto específico. Só queria que as coisas dessem certo e que eu fosse feliz. Enfim, minha seleção passou a ser séria, porque o assunto requeria essa seriedade.

Durante todos esses anos, pedi a Deus diversas coisas, mas sempre depois da reflexão. E, seja por causa Dele ou por causa da fé com que pedia, consegui alcançar meus principais pedidos. Tem gente que tem outras explicações para isso. Eu acredito na fé que tive, acima de tudo.

Engravidar do Lucas tem tudo a ver com esta fé. Eu quis e acreditei e sabia que queria do fundo do meu coração. Eu pedi antes, durante e depois. E em algumas semanas, o resultado positivo me fez crer ainda mais em todas as minhas crenças, em todas as minhas ideias sobre Deus e sobre fé e sobre querer e correr atrás. Sobre a real vontade.

Agora eu sei que é capaz dos meus pedidos aumentarem. Em geral, eles têm se resumido à saúde e felicidade do Lucas. E acredito que será assim por muito tempo.

Além de todas essas coisas específicas que eu falei acima, eu acredito muito que a crença em Deus e a fé guiam as pessoas por caminhos melhores. É como acreditar que tudo o que fazemos influencia no curso da vida de muitas, mas muitas pessoas mesmo. Não faremos o mal sabendo disso. Seremos menos egoístas e, certamente, pessoas melhores.

Então, o que eu desejo a todos para 2012 e por toda sua vida é fé. Amor, saúde, paz e felicidade vêm junto. Eu não tenho dúvida. São meus votos às pessoas que amo e mesmo às pessoas que não conheço. São meus votos ao mundo inteiro. Quem sabe assim teríamos um mundo melhor!


****

Festa de ano novo

Passamos o reveillon na casa da minha sogra, com os dindos do Lucas, os avós paternos, os tivós e a titia Nandinha, que estava super mega empolgada com o Luquinha. Na verdade, todos estavam. Luquinha ficou agitado até 0h15 +/-. Normalmente ele "vai dormir" às 20h, mas por toda a agitação, o local novo, as pessoas novas, os fogos - que começam muito antes de meia-noite -, e por alguns gases, ele acabou dormindo só neste horário. Mas depois que dormiu, dormiu bem.

No dia primeiro, recebeu também a visita da vovó Helena, que foi paparicar um pouquinho o netinho, que só dormia (estava compensando o sono atrasado do dia anterior rs). No final do dia, quando chegamos em casa, Luquinha mamou, tomou banho e dormiu.

Aliás, grande passo nesta noite - mais difícil para a mamãe do que para o Luquinha rs: ele passou a dormir sozinho em seu quartinho. Dormiu feito um anjo! Já se adaptou. É claro que eu morri de saudade dele no meu ladinho à noite - ele estava dormindo no carrinho ao lado da nossa cama. Mas antes que digam que eu vou malcriar meu filho e blá blá blá, a ideia de fazê-lo dormir no quarto foi minha. O Igor concordou que era uma boa ideia e fizemos assim. A babá eletrônica funciona perfeitamente, ouvimos até mais alto seu chorinho.


****

Abençoada seja a bomba de leite

Coisas que a gente só entende vivendo. Quando comprei a bomba de leite, não tinha a menor ideia em que situação eu precisaria dela. Aì o Lucas nasceu. Na consulta perguntei ao pediatra sobre quando precisaria retirar leite. Ele disse que em situações na qual eu precisasse me ausentar. Para mim, ainda parecia muito vago, mas deixei estar.

Ontem meu peito ficou duro como uma pedra e muito dolorido. Não tive dúvidas. Quando chegamos em casa, a primeira coisa que eu fiz foi recorrer à bomba de leite. Tinha tempo que não me sentia tão aliviada. Foi instantâneo. Tirei 120ml de leite, de um peito só. E ele ficou molinho novamente e nada dolorido. Aliás, algumas pessoas me falaram que doía usar a bomba. Eu não senti dor. Dor eu estava sentindo antes. Durante e depois, tudo o que senti foi mesmo alívio.

Armazenei o leite, por via das dúvidas. O médico disse que o leite pode ficar armazenado por 23 dias no congelador e 24 horas na geladeira. Depois, basta tirar e colocar em banho maria.