30 dezembro 2011

Cordão umbilical

Caiu essa noite, vimos hoje de manhã. ;) Ficamos felizes, aquele cotoquinho atrapalhava na hora de trocar a fralda e de dar banho. Ficávamos com medo de machucar. Agora ele se foi - e nós, é claro, guardamos de recordação no álbum do bebê. Também fizemos o contorno da mãozinha e dos pezinhos nas páginas para isso. Nossa, como é difícil fazer aquele pezinho e a mãozinha ficarem parados, mesmo quando ele está dormindo. rs

Hoje introduzi o Lucas à música. Ele adorou! Ficou calminho e dormiu. Acho que vou começar a colocar para ele ouvir à noite, depois do banho. Foram alguns cds da coletânea Babies Song: Elton John e Phil Collins. Cheguei a colocar também o cd do Pato Fu, com músicas para bebês, mas elas são mais agitadas. Não são ideais para o momento de dormir. São mais para que ele possa ter acesso à boa música, de forma mais suave. ;)

29 dezembro 2011

Saldo de 11 dias

O Lucas é um recém-nascido. Está conhecendo o mundo, se conhecendo e nos conhecendo. Mas já podemos falar algumas coisas:

- ele passa - muito - mais tempo quietinho do que chorando;
- ele já consegue diferenciar dia de noite (#sensaçãoquetenho);
- ele sorri desde a primeira semana de vida e agora os sorrisos têm sido mais frequentes (sempre enquanto dorme);
- apesar de não enxergar ainda perfeitamente, ele presta mais atenção em nossos rostos do que em qualquer outra coisa (#sensaçãoquetenho);
- ele mama de 3h em 3h (salvo exceções) e à noite de 4h em 4h +/-;
- o latido da Tangerina não acorda ele (estava se acostumando desde a barriga);

Que tudo continue evoluindo assim! ;)

No mais, chegamos a um peso em que a fralda RN fica pequena e a P fica grande. O que fazer.. rs Acabamos lavando mais roupas por dia do que normalmente, porque o xixi vaza, o coco vaza... Mas é bom, pois assim arrumamos o que fazer nos tempos vagos, quando ele está dormindo.

As coisas têm saído do jeito que eu imaginava: o Igor está ajudando MUITO! Ele cozinha. E, além de cozinha, cozinha BEM! Então, os almoços têm sido maravilhosos e super saudáveis, com abobrinha, pepino, brócolis, peixe, arroz integral, berinjela etc. Ele me ajuda também com as roupas para lavar do Lucas, com as trocas de fralda, com os arrotos... Na verdade, é até injusto dizer que ele ajuda. Assim parece que eu faço mais do que ele. O trabalho é dividido igualmente! O que me deixa feliz, mas não surpresa. Eu já sabia que seria assim. ;)

A carteirinha do plano de saúde dele chegou hoje. Não era urgência, já que ele estaria coberto pelo meu plano até o 30o dia de vida. Mas foi bom ter chegado, uma preocupação a menos.

Tenho que ir... Luquinha está acordando. Está na hora de mamar.


27 dezembro 2011

Pediatra

Ontem levamos o Lucas ao pediatra pela primeira vez. Após 8 dias do seu nascimento, depois de ter passado de 3,900kg para 3,670, ele voltou a engordar, está com 3,885kg. Também cresceu, de 50cm para 52cm. O médico disse que isso significa que meu leite está sendo o suficiente para ele e, caso eu estivesse preocupada, poderia ficar tranquila e satisfeita. Nem preciso dizer que fiquei feliz demais, né.

 


Gostamos bastante do médico. A consulta durou 50 minutos e ele tirou todas as nossas dúvidas - queríamos saber sobre os arrotos, sobre o cocozinho, sobre o banho, os produtos que devem ser usados, sobre as saídas, as vacinas, os remédios etc.

Ficamos muito felizes e satisfeitos de saber que está tudo em ordem com o Lucas. É uma mistura de tranquilidade, com orgulho e felicidade... tudo junto. Todo mundo sabe que, apesar de se tratar de uma ciência, muitas vezes médicos têm opiniões diferentes sobre as mesmas coisas. Opiniões essas baseadas sempre em estudos. Todo mundo sabe e eu sei bem - de perto -, pois trabalho com saúde e vejo sempre isso acontecer. O que eu tiro dessa história é que nem sempre tem o certo e o errado, o melhor e o pior. Em casos assim, você pode checar o que se adequa mais à sua situação e escolher o perfil de médico com quem quer lidar. No nosso caso, gostamos do médico, que nos passou confiança em tudo o que disse. Algumas de suas orientações:


  • o bebê pode dormir de lado ou de barriga para cima, mas logo depois da mamada, é interessante que o deixemos de lado para o caso de regurgitar, não se engasgar;
  • não devemos passar perfume, óleo, hidratante ou qualquer outro cosmético no bebê. No banho, sabonete neutro com água filtrada e água fervida, somente. Na troca de fraldas, óxido de zinco com vitamina A e algodão com água filtrada, somente (mas em "emergências" ele nos deu o ok para utilizarmos o lenço umidecido);
  • não preciso de uma dieta restritiva, mas não devo comer carne de porco, camarão, bacalhau, catchup, mostarda e não devo tomar refrigerante. Feijão, somente o caldinho. No mais, posso comer de tudo um pouco, de forma moderada sempre. O mais importante é que eu tenha uma dieta balanceada, com proteínas, carboidratos, verduras, legumes e frutas, além de beber muito líquido;
  • não devemos sair com o bebê para locais públicos até o terceiro mês. Também devemos evitar o contato dele com as pessoas, principalmente com crianças, até esta data.


Outra dúvida que estávamos tendo é quanto ao arroto depois da mamada. O Lucas quase não arrota e estávamos preocupados, mas ele nos explicou que não é regra o bebê arrotar. A regra deve ser tentarmos fazer com que ele arrote, de 5 até 10 minutos depois da mamada, mas se ele não arrotar, não há problema.


A vovó Lucimar foi com a gente à consulta. Ela não o via desde seu nascimento e estava morrendo de saudade e doida para corujar um pouquinho o neto. Depois da consulta, fomos à sua casa para lancharmos, eu dei de mamar para o Lucas e ele conheceu os tivôs Leandro, Isete e Florentina, além de ter conhecido a bisa Joana, que ficou encantada com seu bisnetinho. O vovô Luis chegou logo depois e pôde babar um pouquinho o neto também, que deu esse sorrizão (foto) enquanto eu estava tirando foto.






Na hora de irmos embora, passamos na casa da tivó Dete para buscarmos a Funchicória que a tia Josi deixou para o Lucas. O Gustavinho, seu primo, já não precisa mais e ela tinha sobrando em casa. Isso porque procuramos em todas as farmácias possíveis de Jacarepaguá e Barra da Tijuca e não encontramos. Algum problema no laboratório...

Ontem não precisamos usar - ele passou o dia inteiro como um anjinho, dormindo demais e mamando de 3 em 3 horas, mas hoje ele parecia estar com dor depois de uma mamada e colocamos um pouco na chupeta. Ficamos impressionados (!!!) com o efeito imediato. Na mesma hora ele parou de chorar e dormiu. Fiquei pensando se foi coincidência ou não. Bem, caso não tenha sido, o Genera está certo quando diz que a funchicória é uma espécie de Valium para bebês. rs


26 dezembro 2011

Uma semana - Natal !!!

Na noite do dia 24, eu, Igor e Lucas ceiamos com a vovó Helena e o tio Preto - Rafa - aqui em casa. Luquinha deu um trabalhinho antes da ceia. Estava muito calor e ele estava chorosinho. Mamou três vezes em três horas. Nos deu uma canseira, mas às 23 +/- ele dormiu e viemos ceiar. Como as mães que leem este post podem imaginar, estou meio fora das notícias, então não sei dizer se estou certa quando digo que foi, para mim, o dia mais quente do ano - disparado - até agora. Quer dizer, deste verão, já que não lembro o quão quente estava no verão passado. A família Corteletti - do Igor - ceiou na casa dos dindos Luismar e Aline.



No dia seguinte, recebemos a visita dos tivós Sissi e Gena, e dos primos Dudu e Nandinha. Eles, minha mãe e o Rafa passaram o dia aqui conosco. Nandinha pegou ele no colo e ficou toda feliz. A sensação era que ela tinha, pela primeira vez, um bonequinho vivo. ;) Muita felicidade! Fez massagem nos pés da dinda e no ombro, para que eu pudesse relaxar enquanto amamentava o Luquinha. Aprendeu em Búzios, disse ela. A dinda nem precisa dizer que amou, né. rs Dudu ganhou do dindo Rafa um violão! Era o que ele estava querendo de Natal. Ficou todo feliz! Agora tem que aprender a tocar!



Luquinha não estava em seu melhor dia. Acredito que tenha sido o salpicão que comi na ceia e no almoço. À noite, apesar de ter demorado para dormir, quando dormiu, foi como um anjinho. Usamos o Milicon para acalmá-lo, já que, não sei por que cargas d'água, não tem funchicória em nenhuma única farmácia desta cidade. Hoje ele já está calminho de novo.

Estamos tentando colocá-lo na rotina de 3h para mamada. Tem dado certo, a não ser quando algo acontece - muito calor ou gases, como ontem. À noite funciona que é uma beleza. Acredito que seja porque ele fica o dia inteiro na temperatura normal e à noite ligamos o ar condicionado, o que é muito mais relaxante. Temos dado o banho no final do dia, para que ele possa encarar aquele momento como "a hora do sono".



Mas que fique claro: ainda é muito difícil dizer que temos uma rotina. Uma coisa já aprendemos: cada dia é um dia diferente e tem, sim, muitas coisas que dependem do bebê, diferente do que pessoas e livros nos fazem crer (você não tem como dizer quanto tempo ele vai mamar, se ele vai ficar sem sono ou se vai sentir dor - de gases - ou não). É claro que o que podemos fazer para criar essa rotina - como ligar o ar somente na hora de dormir ou dar banho sempre no final do dia, ou tentar adiar a hora da mamada com chupeta e outras distrações -, fazemos.

No mais... é muito amor! Olhar para o rostinho dele enquanto está dormindo, enquanto está acordado, segurar a mãozinha pequenina dele, limpar aquele cocozinho que só a gente entende porque acha cheiroso, ficar imensamente feliz quando sai um arrotinho e um punzinho recheado... São coisas que não têm preço!!! É tanto amor, que dói! E é uma dor boa, que a gente não quer parar de sentir! ;)

24 dezembro 2011

E então é Natal... (e Lulu nasceu!)

18 de dezembro de 2011

Acordamos às 5h30, eu, Igor e minha mãe, que chegou no dia anterior para a ida à maternidade e o nascimento do primeiro neto. A mala da maternidade já estava arrumada - há um tempo considerável -, tanto nossa, quanto do Lucas. Só precisamos tomar banho e sair. Eu não podia comer mais nada desde as 4h. Chegamos na maternidade pontualmente, às 7h, mas só chegamos ao quarto às 8h. Isso porque chegaram 5 gestantes ao mesmo tempo para internação.





Era a final do Mundial de futebol. Barcelona e Santos, no Japão. O jogo, então, seria transmitido às 8:30h. Conseguimos assistir a toda a partida. Barcelona venceu o Santos com uma facilidade chata (4x0). Então, a Camila e o Rafa, padrinhos de consagração (e o Rafa é tio também. Os padrinhos de batismo são Aline e Luismar, que é tio também) chegaram. Foi nessa hora que veio o enfermeiro para me levar para a sala de cirurgia. Era pouco antes das 11, horário que estava marcada a cesárea.

A essa altura, eu já estava nua, só com um "roupão" da maternidade. Ele me colocou na maca e me levou, com o Igor, para a sala de cirurgia. Não vou narrar o procedimento inteiro, mas gostaria de citar algumas coisas que me incomodaram, que ninguém havia me avisado sobre a cesárea:

- o banho de álcool gelado que eu tomo antes da anestesia ser aplicada;
- a posição desconfortável, encolhida, que eu fico na hora que ela está sendo aplicada;
- a agulhada incômoda, na posição mais incômoda ainda, da anestesia;
- a falta de ar depois que o bebê nasce.

A parte boa é que:

- o bebê nasce rapidinho e é tão emocionante, mas tão emocionante vê-lo pela primeira vez, que a falta de ar - que aumenta - acaba não sendo tão importante assim;
- em nenhum, nem um único momentinho, nem por um milésimo de segundo, eu senti dor.

O Luquinha nasceu às 11h21, com 3,900kg e 50cm. Um bebezão! O primeiro teste de apgar foi 7, porque ele estava com dificuldade de respirar, devido à grande quantidade de líquido dentro do nariz e boca. O segundo foi 9. E logo que chegou ao berçário ele estava perfeitinho! ;)


Na hora do nascimento, eu fiquei emocionada demais, primeiro porque estava vendo meu filho pela primeira vez. Segundo pela emoção do Igor, que estava ao meu lado o tempo todo! Antes de ver o Lucas, eu pude ver nos olhos dele a emoção que estava sentindo! Foi como se eu estivesse vendo o Lucas junto com ele! Sendo que eu vi somente alguns segundos depois!

O Igor filmou tudo! È impressionante como um bebê tão grande cabia ali dentro daquela barriga - tudo bem... ela não estava nada pequena... rs.

Minha mãe, meu irmão, os irmãos do Igor, a cunhada, os pais do Igor e amigos aguardavam em frente ao berçário quando o Igor chegou com o Luquinha nos braços. Todos muito emocionados! Eu não estava lá. Mas vi as fotos depois. Nessa hora, eu estava na sala de cirurgia ainda, sendo costurada, sonolenta e completamente grog.

24 de dezembro de 2011


Luquinha está com seis dias de vida. O que posso dizer até agora é que ele é um anjinho e está indo muito bem, graças a Deus. Está sendo devidamente amamentado, dormindo bem, fazendo suas necessidades fisiológicas em boa frequência. Estamos conseguindo descansar e dormir à noite, acordando somente para as mamadas. Ele já tomou as duas vacinas que toma ao nascer - Hepatite B e BCG -, já fez o teste do olhinho (na maternidade), do pezinho e da orelhinha (em uma clínica particular). Conseguimos usar o car seat. Tivemos que adaptar colocando uma manta e um cueiro embaixo dele, para que pudesse ter altura para o cinto ficar certinho.


Minha mãe ficou aqui conosco nesta primeira semana, para nos ajudar com o que precisássemos. Segundo ela, foi muito tranquilo e estamos nos saindo muito bem. Não teremos dificuldade em ficar sozinhos. O Igor realmente me ajuda muito, ele faz comida, prepara meus lanchinhos, tem lavado a roupa e coloca o Luquinha para arrotar depois das mamadas. Troca fralda, dá banho, tudo igual a mim. Se pudesse, dava de mamar também, para que eu não ficasse sobrecarregada com essa função. Eu não conheço todos os maridos e pais do mundo, mas acho difícil ter algum melhor que ele. ;)

Lotei meu Facebook com fotos do Luquinhas, mas agora dei uma parada.. As pessoas já sabem o quanto ele é fofo, lindo e um anjinho. Acho que elas não querem ser lembradas disso de cinco em cinco minutos. hahaha

Não tenho dúvidas! Esse é o primeiro melhor Natal de nossas - minha e do Igor - vidas! Ganhamos o maior presente que alguém pode ganhar de Deus! E estamos imensuravelmente felizes com isso!

Gostaria de aproveitar o momento para agradecer o carinho dos amigos e familiares que estiveram presentes e aos que ainda não puderam estar, mas que não veem a hora de conhecer o Lucas. E desejar a todos um feliz, muito feliz Natal!!!

16 dezembro 2011

a.m.o.r



* Copiado do blog Mamãe Sabe Tudo

Hora de mudanças

Foi só eu ficar um minuto sozinha em casa, sem nada para fazer, que já fiz mudanças na arrumação dos móveis. E olha que vamos nos mudar em breve, hein. Mas não é desculpa para deixar a casa "mais confortável" ainda (eu sempre acho que tem alguma coisa que pode ficar melhor). Estávamos sem mesa de computador e todos os dias acabávamos ficando com o note apoiado no braço do sofá, em frente à TV, meio tortos, olhando nossos e-mails, Facebook e notícias dessa forma. Dei logo um jeito. Pendurei o espelho da sala, que estava apoiado no chão, tirei a impressora de cima da mesinha ao lado do sofá, coloquei a mesinha em frente ao espelho, com dois porta-retratos com fotos minha e do Igor, e os enfeites de Natal. Peguei a mesa que estávamos usando para tomar café - ainda temos o bar, é sempre uma opção =) - e arrumei o abajour, a impressora e os dois notes em cima dela. Eu sei, eu sei. Não é o ideal, mas é o que temos para hoje. As cadeiras que estavam com a mesa viraram "um banquinho" e voltei a colocar a cadeira de escritório para jogo. Imagino que teremos mais visitas em breve, então esse banquinho improvisado foi essencial.


Aproveitei para arrastar móveis, pegar um pouquinho de peso e dar uma movimentada no corpo, para ver se ajudava na entrada do trabalho de parto, mas... nada. rs Ok, vamos mudar de assunto.

Ontem foi um dia super importante para a gente. Eu diria "para mim e para o Igor", mas não posso mais deixar o Luquinha de fora. E sempre que eu deixo a Tangerina de fora, fico com um pouquinho de peso na consciência. Fora todas as pessoas que se importam conosco e que consideraram o dia de ontem especial, como minha mãe, meu pai, os pais do Igor, nossos irmãos etc. Assinamos a escritura do apartamento que compramos. Vamos juntos, nós quatro, para nossa nova casa, no início do ano que vem. Há algumas semanas, conseguimos concluir o pagamento deste apartamento que moramos, o vendemos e agora compramos um novo. Nossa primeira grande conquista juntos. Estamos muito, muito felizes. 

Só falta agora o grand finale, nosso Luquinha. ;) Falando nisso, sempre tem mais alguma coisa para arrumar, né. É incrível. Há alguns dias, arrumei a cômoda onde vai ficar o trocador. Coloquei o algodão dentro do potinho, os cotonetes, deixei uns extras perto, a garrafa térmica, os lenços umidecidos, a pomadinha contra assadura... Ainda não coloquei o lençolzinho no berço. Também, ia ser demais, né. rs Alguma coisa tem que sobrar para fazer depois. ;)


Os bichinhos de pelúcia também estão arrumadinhos em seus lugares, como o macaquinho que a vó Lucimar deu, o bonequinho de neve que a vó Helena deu e o macaquinho mexicano que a tia Camila deu.




ps. 39 semanas e 5 dias.

10 dezembro 2011

39 semanas

Hoje completo 39 semanas. Não achei que fosse chegar a tanto. rs Acho que pelas experiências ao meu redor eu imaginava que ele pudesse querer nascer antes, até mesmo pelo peso que ele estava há quase duas semanas (3,2). Na noite de sábado para domingo eu também esperava que algo fosse acontecer, por causa da virada da lua. Mas quando entro nos aplicativos de gravidez do meu celular lembro que preciso controlar a minha ansiedade. Para eles, é certo que a data do parto é dia 18. Deveria ser para mim também. Então, tudo o que preciso fazer é ficar quietinha e continuar encontrando formas tranquilas de passar o tempo. Como dizem as recém-mamães, eu devo aproveirar este período para descansar bastante.

Estou aproveitando também este momento para estar com as pessoas que eu amo. Não sei como serão as coisas logo depois que o Lucas nascer. As pessoas têm me dito que eu vou precisar de um tempo sozinha com ele e com o Igor. E eu consigo imaginar porque. É muita informação, muita coisa nova. Se o Lucas for um bebê calminho, as coisas podem até ser mais simples, mas segundo as estatísticas passadas pela minha médica, 80% dos bebês preferem dormir durante o dia e ficar beeem acordados durante a noite. rs Vai saber como o Luquinha será, né.

A verdade é que todas essas teorias são legais.... Mas na prática, desde já, tudo é diferente. Eu não tenho como dormir tanto porque, em primeiro lugar, a barriga não deixa. Eu não tenho como relaxar totalmente, porque a todo momento eu penso que poderia e gostaria de estar entrando em trabalho de parto. Acho que é natural. Foram muitos meses esperando que esse momento chegasse e agora ele está muito perto! E a gente sabe que ele está perto. É como aquela última semana antes de você entrar de férias. Se você não sabe que entrará de férias, você poderia trabalhar meses a mais... Mas se você sabe, você tem certeza de que não poderia aguentar mais uma semana.

Nós somos naturalmente assim. E com a gravidez isso deve ser x100. É o momento mais importante de nossas vidas!

Vamos ver as cenas dos próximos capítulos. Eu poderia tentar prometer aqui que não vou mais falar sobre essa ansiedade e sobre essa espera, mas não sei se conseguiria cumprir. Vou tentar, é claro, porque eu mesma já estou me achando chata - mesmo achando também que eu tenho crédito para ser chata neste momento hahahaha. Vou tentar falar mais sobre as coisas que nos cercam, as pessoas que estão conosco neste momento importante, os últimos detalhes, os preparativos para a maternidade e a escolha da mesma etc.

Para espairecer e relaxar, hoje fomos até a praia, caminhamos um pouco, tomamos uma água de coco e almoçamos por lá. Se não ajudou a "acelerar" o trabalho de parto, pelo menos ajudou a nos tranquilizar. O dia - ou a maior parte dele - passou voando.


A Lua

Hoje é o primeiro dia da lua cheia... Eu até que tentei me prender a esta crença e achei que era um sinal quando entrei no site do programa Mãe & Cia, do GNT, e vi este vídeo com uma médica dizendo se é mito ou verdade que a lua influencia na hora do parto. Só que ao terminar de ver o vídeo... decepção, como você mesma pode ver:

http://gnt.globo.com/maes-e-filhos/dicas/Ginecologista-explica-se-a-lua-pode-ter-influencia-sobre-o-parto.shtml

Tudo bem, fazer o que. rs Vou continuar na minha espera pelo momento certo do Luquinha nascer. Às vezes fico pensando: "que bobeirada! podia ter marcado já essa cesariana e ele estaria aqui do nosso ladinho". Era tudo o que eu mais queria. Mas vamos confiar na natureza, ou pelo menos dar uma chance a ela. Se o corpo sabe o que fazer, ele vai fazer o que tem que ser feito na hora certa. E se não fizer, ainda estamos dentro do prazo.


08 dezembro 2011

Horas vagas

Eu sei que não terei quando o Lucas nascer. Eu sei que as pessoas me dizem que eu tenho que descansar, aproveitar esse tempo para dormir bastante. Mas é muito difícil. Em primeiro lugar pela ansiedade. Eu sei, nem mesmo eu aguento mais ouvir ou falar essa palavra, mas é ela que descreve o que estou sentindo 100% do tempo. Em segundo lugar, estou carregando mais de 15kg acima do meu peso. Deitar incomoda, sentar incomoda, ficar em pé incomoda, andar cansa, não andar dói. É claro que estou dando uma exagerada, mas resumidamente, é isso o que acontece.

Aí eu digo que quero ir dar uma volta na praia. Só que aí eu penso: "e se pegarmos trânsito..." Seria horrível ficar sentada no carro no trânsito. "E se o mar estiver agitado..." Não vai dar para mergulhar. Eu estou toda desastrada normalmente, imagina num mar com ondas... "E se eu começar a sentir as contrações quando chegar na praia..." Teríamos que voltar correndo em casa, ligar para a médica, agendar a chegada à maternidade, tudo correndo... Acabo desistindo e ficando em casa.

Aí eu começo a procurar o que fazer. Comer é sempre a primeira opção, mas se eu fizer isso, vou colocar todo o meu sacrifício nos últimos meses a perder. E não é isso o que eu quero. Aí eu penso: vou passear no shopping. Só que não estamos no melhor momento para gastar dinheiro. O Lucas está chegando, estamos planejando uma mudança em breve e... enfim... Não é o momento de gastar dinheiro. rs

Aí eu fico aqui, pensando, planejando, querendo ver e rever tudo do Lucas de novo, checando - e criando novas - listas etc. Tadinha da Tangerina. Se eu, que estou só no 4o dia em casa sem nada para fazer estou nesse nível, imagina ela, que fica todos os dias assim. Mas pelo menos ela está conseguindo dormir. Dorme, aliás, o dia todo se deixar. rs

Para ajudar o tempo passar, tenho tirado bastante dúvida pela internet para depois que o Lucas nascer. Ontem li um manual da Johnson americana para os primeiros dias após o nascimento. Foi ótimo, falava sobre amamentação, sobre o sono, trocar fraldas, febre etc. Está neste link, caso alguém se interesse: http://www.johnsonsbaby.com/sites/default/files/first_10_days_refresh_v03_0.pdf.

É isso, gente. Vou lá, procurar alguma coisa "calma" para fazer.


05 dezembro 2011

Fotos

Hoje eu e Igor fomos com o meu irmão à Lagoa para fazermos algumas fotos. Como estamos no meio de muitas mudanças, muitas das quais precisamos de $$, achamos melhor não contratarmos um fotógrafo profissional para fazê-las. Como meu irmão tem um lado criativo BEM trabalhado e tem uma visão digna de Roland Barthes para a fotografia, pedi a ele que fizesse as fotos para a gente. Acho que ficaram legais! Estou curiosa para ver o resultado! :o) Mas ainda vamos demorar um pouco para ter acesso a elas, porque meu irmão vai terminar o trabalho final da faculdade esta semana, então esta será a prioridade dele. Justíssimo!

Enquanto isso, nos divertimos com as fotos do iPhone, iTouch etc. Como essa que tiramos hoje, antes de sair de casa para a sessão de fotos com o Rafa.


Eu sempre gostei de fotos. Entre meus amigos, sempre era eu que lembrava de levar a máquina e sacá-la da bolsa quando as pessoas menos esperavam. A princípio, as pessoas podiam ficar com vergonha, tímidas com os flashs, mas depois todo mundo ficava feliz de pensar que alguém tinha registrado aquele momento.

É claro que os melhores momentos ficam na memória. Mas, para mim, as fotos ajudam bastante! Mesmo os melhores momentos, aqueles que dificilmente sairão da nossa cabeça, acho importante estarem registrados!

03 dezembro 2011

As primeiras seis semanas, segundo a "Encantadora de bebês"

Eu ainda não sei nada da parte prática de ser mãe. Mas nesses últimos meses pude ler bastante e absorver questões importantes da parte teórica. A minha primeira observação entre essas duas coisas - tão distantes às vezes -, a teoria e a prática, é que não adianta querer comparar situações com as amigas: cada um pensa e age e decide de um jeito. O que dá certo lá, não necessriamente dará certo aqui e vice-versa.

Mas, como boa pisciana que sou, tenho esperança de que as coisas sairão melhores do que as pessoas me dizem. Pensamento que mantive ainda mais forte depois de ter sido apresentada à encantadora de bebês pela Renata, lá do trabalho, e depois de ter debatido as ideias do livros com várias pessoas, entre mães e outras mulheres.

Basicamente, as opiniões se dividem entre as que acreditam que regras e rotina podem resolver a maior parte dos problemas se você não deixa os sentimentos predominarem e as que acham que é impossível e desnecessário tomar as decisões sozinha, sem levar em conta o que o bebê quer. Na minha observação e nas conclusões que tirei depois de ter acesso à teoria, prefiro ser prática e sofrer mais agora para determinar as regras do que deixar o bebê determiná-las e perder o controle disso com o passar do tempo.

Essa é a teoria... a prática, a gente só vai conhecer depois que o Luquinha nascer. ;)

Ainda assim, apesar de não ter concordado 100% com a encantadora de bebês, achei o livro extremamente interessante e me parece ser também bem eficaz, posto que ela colocou durante muito tempo em prática tudo o que defende. Então resolvi dividir aqui alguns conselhos dela para as seis primeiras semanas, momento provavelmente mais difícil para as mães de primeira viagem, como eu. 

Antes de colocar os quadros bem explicativos que estão no livro, gostaria de expor alguns pontos do texto que destaquei enquanto lia:

- Ao chegar do hospital com o bebê, sugiro que a família inicie imediatamente a rotina que irei propor (trata-se do E.A.S.Y., sigla em inglês para "alimentar, atividades, dormir e você (mãe)");
- A repetição proporciona a aprendizagem mais eficaz;
- Os pais que fazem anotações acerca do comportamento diário de seu bebê têm menos problemas em manter ou estabelecer uma rotina;
- À noite, bebês menores conseguem ficar sem mamar por 4 horas no máximo, inicialmente; portanto, em geral precisam mamar no mínimo duas vezes por noite, nas primeiras seis semanas.

Agora que essas questões já foram esclarecidas, aqui estão os quadros de destaque dessa primeira parte da primeira parte do livro (pois é... essa história é longa e ainda será tratada aqui muitas outras vezes rs).







38 semanas

Para você ter ideia de como uma mom to be pode ficar ansiosa, já estou escrevendo sobre 38 semanas sem nem ter completado ainda. Em minha defesa, completo amanhã e hoje não tenho muita coisa para fazer, então... Ontem tivemos consulta - a próxima está marcada para daqui a uma semana - e a médica me disse que ele ainda não está encaixadinho, apesar de estar na posição que deveria estar. Ainda está um pouco alto e eu não estou sentindo nenhum sinal... Nada de contrações, ou abertura ou coisas parecidas. Tudo bem... ainda falta um tempo, eu é que estou ansiosa demais.

O que importa é que está tudo bem com ele e comigo. Estamos ótimos. Hoje de manhã brinquei com o Igor, dizendo que estamos os dois tão bem que é por isso que ele ainda não está dando sinais de que quer sair. O hotel ainda é cinco estrelas.

Depois de ter ficado a gravidez inteira preocupada com a tal da diabete gestacional, fiz novo exame essa semana e vi que minha glicose está é um pouco abaixo do normal. Nada demais, mas também não estou com diabetes, o que me deixa bem feliz - ainda mais porque eu amo um doce e nessas últimas semanas tem sido difícil fugir deles.

Sobre as 38 semanas: ótimo ter chegado nelas, porque a partir de segunda-feira estou de licença-médica para repouso, antes da licença-maternidade. Assim posso descansar, as caimbras serão diminuídas, assim como outros incômodos comuns dessa época. A parte ruim é que, com 38 semanas, o que eu posso fazer... Praticamente nada. rs Não posso viajar de carro, não posso viajar de avião, não posso viajar at all. Não posso nadar, não posso correr, caminhar pode incomodar um pouco os meus problemas já existentes, ou seja, não posso fazer exercícios físicos at all. O que me resta.... é esperar. Descansar, ficar com as pernas em cima do travesseiro, me alimentar bem e preparar meu corpo e alma para a chegada do Luquinhas.

****

Falando em viajar, hoje é o casamento da minha prima, Verônica. Queria muito poder estar lá - em São Paulo -, mas não posso ir. O Igor, para não me deixar sozinha, também não foi. Minha mãe e meu irmão foram representando nossa família. Aproveito para deixar uma mensagem carinhosa para o casal, já que não poderei falar isso pessoalmente:

Vê e Victor, 
desejamos a vocês toda a felicidade do mundo nesta união. Acreditamos que quando duas pessoas se amam de verdade, como vocês, o respeito, a compreensão, a fidelidade, a cumplicidade, o carinho e o afeto vêm facilmente. E, dessa forma, a harmonia está garantida! Que vocês e a Bia sejam muito felizes nesta nova fase e que a gente tenha muitos momentos bons para compartilharmos aqui nesta cidade maravilhosa! 
Nós amamos vocês! 
Com carinho, Igor, Julia e Lucas.