22 setembro 2011

Cada um no seu quadrado

Mãe é uma só. Todo mundo sabe disso. O que antes era uma frase para demonstrar o quanto minha mãe é especial, o quanto ela é única, magnífica e espetacular... ;) ... Agora tem um significado muito maior para mim: a mãe é formada desde a gravidez - ou até antes disso. Cada uma tem seu jeito de pensar, de agir, cada uma escolhe criar o filho de um jeito e assim construímos a humanidade, tão diversa e valiosa por sua individualidade.

Não se trata de certo ou errado, melhor ou pior. Tenho percebido que cada um tem um jeito de criar seu filho e essa escolha não é uma matemática: se eu criar desse jeito, ele será uma pessoa melhor no futuro, se eu cuidar de outro, posso ter problemas. É muito, mas muito mais complexo que isso. Por isso eu acho importante respeitar cada escolha e deixar que a mãe (e o pai) viva aquele momento e aprenda com os inevitáveis erros e divida os acertos.

Ontem eu li um texto no qual uma mãe falava indignada sobre como as pessoas insistiam em se meter nas escolhas que ela fez para o filho. Escolhas que eu não faria, como deixar que a criança se acostume a dormir todos os dias na minha cama, por exemplo. Minha primeira ação foi julgá-la, não para os outros, mas para mim mesma. Mas logo em seguida fiquei pensando: quem disse que tem o certo e o errado? Como sabemos quais as consequências de cada ação, se não optarmos por ela?

O Lucas ainda não nasceu, mas eu tenho feito minhas escolhas. Quero que ele mame de três em três horas e não toda hora que ele quiser, quero que ele aprenda a dormir pelo menos 5h por noite - o quanto antes for possível - e que esse tempo aumente depois. Quero que ele tenha durma no berço, no quarto dele, desde o primeiro dia em casa, que ele se acostume desde o início a tomar mamadeira também, dada pelo pai, para que ele não tenha problemas em se acostumar quando eu voltar a trabalhar. Quero tanta coisa... E eu sei que vai ter um monte de gente que vai falar: "Falar é fácil, quero ver você fazer", ou "essas coisas não dependem de você", ou "o bebê vai morrer de fome" e muitas outras coisas (que eu já estou ficando acostumada a escutar).

Mas a verdade é que nem eu, nem ninguém saberá como vai ser. O Lucas pode ser calminho, como pode mega agitado, ele pode não ter cólicas, refluxo e gases, como pode ter todas essas coisas juntas. Eu posso não ter leite, ele pode insistir em passar a noite acordado, mesmo que eu faça tudo certinho para que ele durma... Eu não sei, não sei como vai ser. Mas eu sei como eu quero que seja e estou buscando informações através de fontes especializadas para saber como chegar a tudo isso. E acho que já é um bom começo. ;)

Quanto às novas mamães e às velhas mamães, conhecimento dividido é sempre bem vindo. Mas é importante respeitar as escolhas que os outros fazem. Não só agora, mas como em tudo na vida.

Em tempo, quero agradecer à minha mãe, que, na minha visão nada modesta, fez tudo direitinho! Hahahaha


Um comentário:

  1. Juu!! Você já é uma ótima mae! Tomara que tudo dê certo e voce faca as melhores escolhas! Boa sorte!

    ResponderExcluir