25 setembro 2011

Sobre a encantadora de bebês...

Hoje tive vontade de saber mais sobre a Tracy Hogg, a encantadora de bebês, cujo livro está me ajudando a criar uma ideia melhor sobre como criar, cuidar e educar meu filho. E, para minha surpresa, ela morreu há 7 anos, aos 44 anos, por causa do melanoma.

Fiquei impressionada, em primeiro lugar de como ela era nova quando morreu. Quando lia seu livro, imaginava uma senhora, que tinha passado a vida inteira cuidando de bebês e nunca tinha tido tempo de ter seus próprios filhos. Mas, diferente do que eu pensei, ela teve duas filhas, que lhe geraram, inclusive, alguns problemas de confiança com seus clientes, pois, quando em 97, se mudou para os EUA com seu segundo marido, deixou as filhas na Inglaterra, aos cuidados dos avós.

Ela se defendeu das críticas, alegando que precisava de um tempo para se adaptar e logo que pode levou as filhas para morar com ela na Califórnia, onde ganhou clientes de peso, como Jodie Foster, Cindy Crawford, entre outros.

É triste pensar que alguém que ajuda tantas pessoas no mundo até hoje tenha morrido tão jovem.

Para acalmar o baby - os 5 Ss

Passando roupa...


Depois de ter deixado o Igor no aeroporto ontem, ter saído com minha mãe e almoçado com ela e com o Rafa, não via a hora de chegar em casa para começar a passar as primeiras roupinhas lavadas do Lucas. Cheguei em casa, preparei o terreno na sala para que eu pudesse assistir aos shows do Rock in Rio na TV enquanto passava as roupinhas do Lucas...

Duas horas depois... ainda estava passando roupa, já sentada no braço do sofá - até que resisti bem, sentei depois de 1h30 em pé... -, cansada e pensando: nossa, imagina a quantidade de luz que não estou gastando! Pensando: será que é muito caro uma passadeira... Tenho que procurar saber para ver se podemos incluir no orçamento...

Sério, não é difícil, mas é muito cansativo! É claro que, ainda assim, fiquei feliz quando vi tudo bonitinho, cheirosinho, passadinho, pronto para ser usado - daqui a alguns meses. Fiquei muito feliz! Muito mais feliz fdo que cansada. Mas não posso negar, não consigo imaginar como vai ser essa tarefa depois que Luquinhas nascer e passar a sujar todas as roupinhas que usar, todos os dias. rs

Sem desespero. Todo mundo sobrevive, eu tenho certeza.


Berço e carrinho montados

Na sexta-feira o Igor comprou as prateleiras para colocar no quarto do Lucas. Como nós pretendemos nos mudar em breve, decidimos que não vamos colar os adesivos e o papel de parede nesta casa. Portanto, optamos por colocar as prateleiras e quadrinhos, que podemos tirar e levar conosco depois.

Prateleiras montadas, falei com ele que queria montar o berço e o carrinho. ;) E fomos para a missão. Sem percebermos o tempo passar, demoramos mais de duas horas para montar os dois. O berço foi mais complicado, mas agora já sabemos todos os truques, caso precisemos desmontar e montar de novo - o que vai acontecer na hora da mudança. 

Como tudo o que envolve o Lucas - quase tudo, como vocês verão no próximo post -, apesar de todo o trabalho, foi até divertido!! E, claro, ficamos muito felizes quando vimos tudo montadinho. Fiquei até menos ansiosa com a história da mudança - estava demais. 


24 setembro 2011

Mãe na era Google

Hoje fui almoçar com a minha mãe e com meu irmão. Estava contando para ela que é provável que eu e Igor não façamos o curso de gestantes e que eu ia precisar da ajuda dela para saber como fazer as coisas com um recém nascido. Aí o meu irmão falou assim: Po, Ju, você não devia ficar tão preocupada com isso, você é mãe na era Google. Está tudo lá! Fiquei com isso na cabeça. Cheguei em casa e coloquei no You Tube: como dar o primeiro banho no bebê. E não é que encontrei mesmo, tudo detalhadinho!! =) Obrigada pelo toque, Rafa! Google vai ser minha doula rsrsrsrs

22 setembro 2011

Cada um no seu quadrado

Mãe é uma só. Todo mundo sabe disso. O que antes era uma frase para demonstrar o quanto minha mãe é especial, o quanto ela é única, magnífica e espetacular... ;) ... Agora tem um significado muito maior para mim: a mãe é formada desde a gravidez - ou até antes disso. Cada uma tem seu jeito de pensar, de agir, cada uma escolhe criar o filho de um jeito e assim construímos a humanidade, tão diversa e valiosa por sua individualidade.

Não se trata de certo ou errado, melhor ou pior. Tenho percebido que cada um tem um jeito de criar seu filho e essa escolha não é uma matemática: se eu criar desse jeito, ele será uma pessoa melhor no futuro, se eu cuidar de outro, posso ter problemas. É muito, mas muito mais complexo que isso. Por isso eu acho importante respeitar cada escolha e deixar que a mãe (e o pai) viva aquele momento e aprenda com os inevitáveis erros e divida os acertos.

Ontem eu li um texto no qual uma mãe falava indignada sobre como as pessoas insistiam em se meter nas escolhas que ela fez para o filho. Escolhas que eu não faria, como deixar que a criança se acostume a dormir todos os dias na minha cama, por exemplo. Minha primeira ação foi julgá-la, não para os outros, mas para mim mesma. Mas logo em seguida fiquei pensando: quem disse que tem o certo e o errado? Como sabemos quais as consequências de cada ação, se não optarmos por ela?

O Lucas ainda não nasceu, mas eu tenho feito minhas escolhas. Quero que ele mame de três em três horas e não toda hora que ele quiser, quero que ele aprenda a dormir pelo menos 5h por noite - o quanto antes for possível - e que esse tempo aumente depois. Quero que ele tenha durma no berço, no quarto dele, desde o primeiro dia em casa, que ele se acostume desde o início a tomar mamadeira também, dada pelo pai, para que ele não tenha problemas em se acostumar quando eu voltar a trabalhar. Quero tanta coisa... E eu sei que vai ter um monte de gente que vai falar: "Falar é fácil, quero ver você fazer", ou "essas coisas não dependem de você", ou "o bebê vai morrer de fome" e muitas outras coisas (que eu já estou ficando acostumada a escutar).

Mas a verdade é que nem eu, nem ninguém saberá como vai ser. O Lucas pode ser calminho, como pode mega agitado, ele pode não ter cólicas, refluxo e gases, como pode ter todas essas coisas juntas. Eu posso não ter leite, ele pode insistir em passar a noite acordado, mesmo que eu faça tudo certinho para que ele durma... Eu não sei, não sei como vai ser. Mas eu sei como eu quero que seja e estou buscando informações através de fontes especializadas para saber como chegar a tudo isso. E acho que já é um bom começo. ;)

Quanto às novas mamães e às velhas mamães, conhecimento dividido é sempre bem vindo. Mas é importante respeitar as escolhas que os outros fazem. Não só agora, mas como em tudo na vida.

Em tempo, quero agradecer à minha mãe, que, na minha visão nada modesta, fez tudo direitinho! Hahahaha


Será que é agora que as coisas começam a mudar?


Ontem me deliciei quando cheguei em casa, passando algumas horas em uma função supreendentemente - com tudo o que essa palavra pode envolver - agradável: lavando roupa. Mas não eram roupas comuns, eram as roupas do Lucas! ;) A primeira vez a gente nunca esquecer. Eu não duvido que em um futuro próximo eu não me encante tanto com essa tarefa. Mas também não me surpreenderia se eu nunca cansasse dela. A verdade é que eu acredito que as coisas possam mudar quando a ação é voluntária. Eu admito, sou uma péssima dona de casa. Cozinhar nunca foi meu forte, só comecei a ser mais organizada com minhas coisas há alguns meses, lavar roupa, duas vezes por mês, no máximo, e recolhê-las da corda... eu só costumava lembrar depois que a faxineira vinha (de 15 em 15 dias) e ela mesma recolhia a que tinha estendido.

Acho que não preciso falar muito mais, né? Mas foi tão gostoso fazer o que eu fiz ontem, que eu não vejo a hora de chegar em casa hoje para fazer também. Já até pensei numa ordem: agora que eu já lavei as da Cartes coloridas, os lençois de berço e os cueiros, vou partir para as branquinhas, para as roupas usadas que ganhei e depois para as coloridas de outras marcas.

Ai, que emoção! Espero que seja assim sempre. rs E que o mesmo aconteça na hora de deixar o quartinho dele arrumadinho e limpinho, de fazer as comidinhas dele, de dar banho etc. :)



21 setembro 2011

Ecocardiografia Fetal

Acabei de fazer a ultra que checa se está tudo bem com o coraçãozinho do Lucas. O médico checou também se está tudo bem com a placenta, com as artérias e com o cérebro e está tudo no lugar. Segundo ele, "meu baby está bem acomodado, como se fosse num hotel cinco estrelas". Ele, como sempre, colaborou. A primeira coisa que o médico viu quando começou a consulta foi seu coração batendo a mil. Ele está com a cabeça para baixo - o que explica as dorezinhas que eu estava sentindo hoje de manhã embaixo do umbigo.


Como nada tão bom pode ser tão simples, ontem à noite lembrei que tinha esquecido os pedidos dos exames no trabalho. Tive, então, que acordar às 5h30, para sair de casa às 6h, para passar antes no consultório da minha médica, que fica no Centro, para pedir a ela novos pedidos dos exames. Só depois peguei o metrô para Ipanema, onde era a ultra. Mas tudo deu certo! Cheguei lá 20 minutos antes do horário e logo fui atendida. 

Queria que o Igor estivesse comigo - ele estava viajando e aproveitou para comprar os adesivos do quartinho do Lucas e o papel de parede. Mas, como ele não estava, gravei a consulta desta vez para que ele possa sentir como se tivesse ido.

Ele está com 1040g e medindo 37cm. =) Um lindo! 

14 setembro 2011

Eu espero (eu vou trabalhar para) que...

O Lucas seja uma pessoa do bem, que não faça mal a ninguém, que ame os animais, que seja caridoso, que tenha compaixão, que seja solidário, que trate todas as pessoas de forma igual, que não tenha preconceitos e que trate todos com respeito;

Que ele tenha amigos de verdade, que aprenda com as derrotas, que viva muitas vitórias, que caia sem se machucar muito e aprenda a levantar sozinho - mesmo tendo a mamãe e o papai sempre que possível por perto para ajudar;

Que ele saiba dar valor ao que realmente importa na vida, que ele não tenha vergonha de dizer "eu te amo", que nunca diga para ninguém "eu te odeio", que valorize seus pais, seus avós e sua família, que aprecie o nascer e o pôr do sol e todas as coisas "pequenas", que o dinheiro não compra;

Que ele saiba adequar suas expectativas para que possa ter muito mais momentos felizes que tristes, que poucas promessas feitas a ele não sejam cumpridas e que muitos dos seus sonhos sejam realizados;

Eu espero que o Lucas absorva somente a bondade das pessoas, que ele ignore a energia e as palavras negativas, que ele acredite em Deus, que ele tenha interesse no conhecimento, que seja justo, que não julgue, que não grite - e não precise gritar.

Que ele seja carinhoso como seu pai, que goste de ficar com a família tanto quanto ele, que seja honesto como ele é, que seja ainda desapegado das coisas materiais, que seja querido por muitas pessoas, que tenha um trabalho digno, que não se meta em encrenca e que tenha um coração tão grande.... como seu pai.

Eu poderia dizer que eu espero que ele goste de futebol, coma muitas frutas e legumes, que ele goste e pratique esportes, que ame praia, que não goste de Mc' Donalds, que ame estudar, ler livros etc. E eu realmente gostaria que tudo isso fosse dessa forma. Mas nenhuma dessas coisas é tão importante quanto às citadas anteriormente. Todas as coisas citadas anteriormente são praticamente obrigatórias. Se não se nasce assim, se aprende a ser assim. Mas eu arriscaria dizer que é inaceitável que seja diferente.

E eu espero que ele se transforme nessa pessoa do bem de forma natural. E quem não espera, certo?

11 setembro 2011

Voltando à rotina



Uma semana fora da rotina e muitos quilos a mais (até desisti de acompanhar a balança.... prometi para mim mesma que só vou checá-la na oooutra segunda-feira, depois que eu já tiver voltado para a minha natação diária). É claro que eu não devo ficar tão neurótica assim, pois já li em alguns sites e livros que é nessa fase que começamos a engordar de verdade (o problema é que eu comecei um pouco antes do que devia). Todo mundo que me encontra diz que eu só engordei a barriga. Não é possível, gente! Ou as pessoas são legais (e educadas) demais ou eu estou mais neurótica com o peso do que precisava estar... rs

Algumas pessoas reclamam de rotina (eu mesma já devo ter reclamado em algum momento, seja para os outros ou para mim mesma), mas eu tenho que admitir que eu adoro as coisas no lugar! A única ação que mantive nessa semana "out" foi o ferro que estou tomando para a anemia. Até o suplemento vitamínico rodou, assim como o suco de laranja com couve pela manhã e as frutas no decorrer do dia. 

O óleo na barriguinha para tentar evitar estrias (ainda não sei se acredito ou não, mas, por via das dúvidas, estou passando) também não tem sido esquecido. É tão gostoso passá-lo que eu acabo priorizando na minha listinha de coisas a fazer. 

É tanta coisa para não esquecer:

ferro + ácido fólico
suco de laranja com couve
fruta

3l d'água (ou duas garrafas cheias de 1,5l que está na minha mesa do trabalho)

Natação
Hidratante corporal

Proteína, legume, verdura + suco de laranja + suplemento vitamínico

Outra fruta no lanche (tenho que abolir, de uma vez por todas, o pão francês da minha vida)

Lanchinho leve (nada de pão francês, doces ou frituras) quando chego em casa
Remedinho para fazer o intestino funcionar

Óleo corporal na barriga para tentar evitar a estria

Oh my God! Pode parecer simples, mas só de pensar em ter a obrigação de fazer isso todos os dias... fico cansada! Mas nunca é tarde para começar. Comi muitas coisas gostosa nesses seis meses de gravidez até aqui, bebi muito refrigerante, fui muitas vezes ao japonês sem comer peixe cru, ficando só na parte gordurosa, fui muitas vezes ao Outback, comi brigadeiro, muitos chocolates, biscoitos recheados, sucrilhos e afins. Acho que está na hora de um pouco de sacrifício de verdade. 

Afinal de contas, faltam só três meses. :) E o Lucas merece uma mãe mais saudável. 



08 setembro 2011

Trabalhando!!

De 3 (sábado) a 6 (terça) de setembro, estive em Florianópolis para acompanhar a Sociedade Brasileira de Dermatologia, um dos clientes que atendo na Approach, durante o Congresso Brasileiro de Dermatologia. Foram quatro dias de trabalho intenso - acordava às 6h30 e chegava no hotel por volta das 18h/18h30. Neste período, assistia às aulas mais importantes para divulgar, ajudava a imprensa local com entrevistas e conseguia fontes médicas para atender às solicitações da imprensa nacional. Além disso, aproveitei as novidades para enviar algumas sugestões de pauta, releases e notas durante o evento.

Quem me conhece sabe que eu amo muito tudo isso! Fiquei muito cansada, principalmente por causa da gravidez. Mas valeu a pena. Abaixo, coloquei a imagem que copiei do site da Approach, deste link: http://www.approach.com.br/pt/blogs/post/777/_66%C2%BA_Congresso_Brasileiro_de_Dermatologia_.html. Escrevi este texto no último dia de evento, quando ainda estava em Floripa. 


Na terça mesmo, fui para o aeroporto mais cedo, para tentar adiantar meu vôo, que era às 19h30, via Guarulhos. Eu chegaria no Rio de Janeiro quase meia-noite, pela GOL. Não consegui adiantar meu vôo com eles. Mas consegui vaga num vôo da TAM, às 16h15. Nem acreditei! Consegui chegar no Rio mais cedo, vim para casa com minha sogra, que me encontrou no aeroporto, e lanchamos com meu maridinho, de quem estava morrendo de saudade. 

O Lucas, nisso tudo, não para de se mexer e estou amando demais! Todo mundo conseguiu sentir, minha mãe, meu irmão, minha sogra e o Igor, que sente toda hora. ;) E dá para ver direto! Às vezes ele dá cada chutão, que eu fico brincando: este foi de esquerda! ;) O pai, que ama futebol, deve ficar todo bobo. rs

No final deste mês temos nova ultra e faremos aquele exame que esqueci o nome, que vê como está o coraçãozinho dele. :)

Estamos muito cansados, tentanto descansar ainda, mas muito felizes, todos os três e, é claro, a Tangerina, que está aproveitando a mamãezinha dela que está de volta. ;)


Shantala - Massagem para bebês

Esse site do Mãe & Cia, do GNT, é muito legal! Eu não sei que horas o programa vai ao ar, mas é provável que eu não assista porque não estou em casa neste horário. Só que no site eles colocam os vídeos em etapas, assim não ficam longos e pesados e você pode ir no que quer. Eu gostei desse que fala sobre Shantala, uma massagem para bebês a partir de um mês de idade.

Enrolando na mantinha

Já tinham me falado sobre o quanto o bebê gosta de ficar bem enroladinho enquanto é recém-nascido. A Bia até tinha me dado o Swaddle Me de presente, que é como se fosse uma manta para enrolar o bebê, mas própria para isso, com velcro e tudo. E depois que ela deu este presente, compramos outros dois de cores diferentes para o Lucas. Mas para o caso do Swaddle Me estar sujinho ou quando não se tem em casa, a manta resolve que é uma beleza. A Diana Bouth falou no Mãe & Cia, do GNT, como fazer no caso das mantas. E ela lembra: esse amor pelo enroladinho tem prazo de validade, três meses. :) Depois o bebê deve se sentir sufocado rs

01 setembro 2011

Primeiro ursinho de pelúcia

Olha que coisa mais fofinha, gente!!! Quem comprou foi o paizão, em NY! O primeiro Teddy Bear do Luquinhas, comprado na Build a Bear! =) O Igor que montou e colocou um coraçãozinho! :) Amei!!! <3


Cansaço

Fico me perguntando se o bebê sente as coisas que eu sinto... Li há algum tempo uma matéria no Estado de S. Paulo que falava sobre como o estress da mãe interfere no bebê durante a gestação. Mas eram casos extremos, de alto nível de estress, mulheres que passaram por situações que eu espero nunca passar na vida. Não esse estress cotidiano, do trânsito, trabalho, transporte lotado, essas coisas.

Mas fiquei pensando nisso porque eu não lido bem com estress. Na verdade, não é que eu não lido bem, é que eu não lido at all. Eu ignoro ele. Ele não é consciente. Se você me perguntar agora, por exemplo, se está tudo bem, eu vou dizer que está tudo ótimo. Mas meu corpo dá sinais de que algo está fora do lugar. Minhas pálpebras superiores, já há alguns dias, estão querendo me dizer alguma coisa. Elas tremem sem parar, irritantemente. Li que isso é estress.... se não tivesse lido, nem desconfiaria.

Tenho dormido mais que o comum nos dias de semana e nos finais de semana tenho acordado na hora que acordo normalmente para me arrumar para o trabalho. Não tenho separado tempo para escutar música, ficar olhando para o teto ou qualquer coisa parecida. Acho que poderia ser bom fazer isso, até porque não terei esse tempo livre depois que o Luquinhas nascer.

A verdade é que eu estou bem, de verdade. Estou feliz, feliz com a gravidez, com o Lucas, com o Igor e com o trabalho. Estou feliz porque estou conseuguindo ir à natação todos os dias e porque tudo está indo bem na gestação. Mas estou cansada. E não gosto de admitir isso. Porque eu sou forte. rs

Mas estou cansada. Não fisicamente, mentalmente. Minha cabeça precisa respirar, precisa descansar, ficar um pouco vazia. Ela não pára! Tanto por causa do trabalho, quanto por causa do futuro. Já fazia isso antes, de ficar pensando em como serão as coisas, criando diálogos na minha cabeça, cenas, situações... Agora, então! Não paro. Preciso descansar, meditar, sei lá. rs

Se alguém tiver alguma dica... Dicas sempre são bem vindas.