20 maio 2011

Menino

Hoje tive um sonho com crianças. Sonhei que meus cunhados, a Aline e o Luismar, tinham ido me visitar. E sentado no bar que tem entre a cozinha e a sala da minha casa, estava um menininho lindinho, de mais ou menos dois anos, com o cabelo bem lisinho, claro, cortado que nem o de um indiozinho. E a tia Aline brincava com ele, dizendo que ia dar mais atenção para a a Isabela (?). Será que isso quer dizer alguma coisa? Será que é menino?

Agora cismei com isso. Já saí de casa pensando se for um menino, nas roupinhas que eu vi na Century, na última viagem aos EUA, blusa polo, camisa social, umas coisas tão lindinhas. Pensei na gente conversando quando ele começar a falar, nas molecagens quando ele for ficando mais velho... rs Fiquei viajando por horas.

Vamos ver. Ainda vai demorarrrrrr para sabermos!

16 maio 2011

Sacrifícios

Já comecei a entender melhor - e acredito que, por enquanto, isso signifique um milésimo do conhecimento que está por vir - o que é ser mãe! Neste final de semana, passei um sufoco por causa da minha rinite. O médico que eu tinha marcado para sábado de manhã, já prevendo as crises, que foram aparecendo aos poucos durante as últimas semanas, faltou. FDP. A secretária nem ligou para avisar! Liguei para o meu médico, que disse que nessa fase - de dois meses - não tem quase nenhum remédio que eu possa tomar e que seria necessário um especialista mesmo que pudesse me passar as doses.

O sacrifício começa aí! Até li na internet depoimento de algumas mulheres, indicações de alguns remédios. Mas até parece que eu ia tomar e me arriscar, né! Se fosse antes, eu até arriscaria. Sem problemas. Mas agora, com Lulu dentro da minha barriguinha, não tem como, né! =)

Só fui melhorar no domingo, quando consegui falar com a Kate, que era minha alergista quando eu era criança, e é amiga dos meus tios - que me deram o telefone -, que me indicou o remédio que eu posso tomar. Ufa!

Li, hoje, que meu bebê já mede cerca de 30mm, ou seja, o tamanho de uma azeitona. Estou doida para fazer uma nova ultra, mas a minha só está marcada para daqui a um mês! As pessoas perguntam se eu estou enjoando, mas não estou. Ao mesmo tempo é interessante perceber que meu corpo está longe do seu estado normal. Sono, fadiga, salivação, azia, má digestão... tudo acontece! E o engraçado é que quanto mais acontece, mais feliz eu fico de estar sentindo tudo isso!!

06 maio 2011

l i v r o s

As pessoas acham que a Maçonaria é uma sociedade secreta... Até que elas ficam grávidas e descobrem que há um mundo de segredos, muito maior do que a Maçonaria, por trás da gravidez! Há Bíblias, há mártires, há ícones... muito mais do que a gente consegue imaginar.

E esses segredos a gente vai descobrindo aos poucos. Ontem fui à livraria comprar um livro que a Carol, minha amiga que está grávida de seis meses, comprou quando descobriu sua gravidez: O que esperar quando você está esperando. Gente, é uma bíblia, sério! Gigante! Qualquer dúvida que você possa ter, vir a ter ou nunca ter está ali! Agora não vou conseguir mais largar. Vai comigo para tudo quanto é lugar. ;) Tão importante quanto o número do celular do meu médico. rs



Quando estava na livraria, vi o livro da Cynthia Howlett, Gravidez Saudável e nem pensei duas vezes, inclui na compra. Sempre que eu pensava no "futuro", na minha gravidez, pensava que queria passar os 9 meses da forma mais saudável possível. Tanto que desde o primeiro dia, minha alimentação já mudou e, finalmente, passei a beber mais água.


Só os exercícios físicos que estão temporariamente - durante os três primeiros meses - suspensos. Mas é só essa fase passar que volto para eles. Acho que nada de corrida... mas pelo menos uma natação vai rolar!!

05 maio 2011

Vamos falar sobre dezembro... Mas já? Não... ainda!

Porque os meus pensamentos têm ido muito além ao parto e à gravidez! Já tenho pensado na creche, na alimentação do bebê, na educação... O parto é perto para quem tem pensado tão longe! Hoje tive minha segunda consulta com o obstetra. Está tudo bem com o baby, o que já sabíamos pela ultra. Está tudo bem comigo também. Mas tem uma coisa... O médico soube hoje que não estará aqui entre 7 e 19 de dezembro. E 19 de dezembro é a data prevista do meu parto.

Eu não estou apegada a ele, porque ele não era meu médico antes da gravidez. Mas eu e o Igor gostamos demais das duas consultas, sentimos segurança no médico e afinidade! Ele não nos deixou sem opção. Disse que, caso nossa opção fosse a cesária, poderíamos continuar com ele, pois agendaríamos a partir da 38a semana. Saímos de lá confusos: gostamos tanto dele, mas não sabemos se queremos cesária. No tempo entre o consultório e o meu trabalho, não conseguimos decidir nada. Para o Igor, a cesária pode ser uma boa opção, porque assim ele pode se programar para estar aqui. Vai que minha bolsa estoura quando ele estiver em Nova York ou em Paris... Não conseguiria acompanhar o parto.

Cheguei no trabalho e conversei com minhas colegas grávidas. Elas me apoiaram a buscar um novo médico, caso optemos pelo parto normal. Essa é a opção delas.

Lembrei que a Cla, uma amiga, tinha colocado no Facebook algo sobre parto normal - e quando contamos para ela que estávamos grávidos, ela nos deu uma explicação bem completa e interessante sobre essa opção! Fui lá ver o que era. Foi este artigo: http://colunas.epoca.globo.com/mulher7por7/2009/08/21/quem-tem-medo-de-parto-normal/.

Ou seja: já encarei como um sinal a favor do parto normal. O que significa que, a princípio, estamos mais uma vez sem obstetra... Mas não é simples, não é uma decisão fácil e tem que ser tomada a dois. Então muita água ainda vai rolar sobre esse assunto!

02 maio 2011

A primeira ultra

Nada é tão simples quanto parece! E quando sua ansiedade está a ponto de bala... Aí sim que as coisas ficam mais atrapalhadas ainda. Fui à primeira consulta, com o obstetra indicado pela minha tia Simone - que teve o Dudu e a Nandinha com o mesmo médico, que foi muito bem recomendado. Foi mais para tirar as dúvidas básicas e pegar o pedido da ultra. Depois dela, acredito que ele tenha mais coisas a dizer.

Mesmo com um bom plano de saúde, marcar qualquer tipo de exame no Brasil - ou seria somente no Rio de Janeiro? - é tarefa difícil que requer, no mínimo, tempo. No Sérgio Franco e no Labs Dor, só conseguiria para dali a quase 3 semanas. Comooooooo???? Eu teria que esperar tudo isso para fazer minha primeiraaaa ultra?! Era demais. Marquei, mas com o coração apertado. Uma amiga que está grávida também me indicou, então, uma ultra em Botafogo, que se chama, aliás, Ultra Botafogo. Consegui marcar para dali a menos de uma semana. Ótimo, né?!

Acontece que um dia antes da ultra, choveu torrencialmente no Rio de Janeiro - o que, para mim, não quis dizer nada, pois no dia seguinte, às 5h30 eu estava levantando para tomar banho, tomar café e sair de casa às 6h, para, depois de três ônibus e três horas, chegar ao local com uma pontualidade britânica e receber a notícia de que a médica não tinha ido porque sua rua tinha alagado.

E eu com isso???? A médica mora provavelmente na Tijuca, que alaga sempre. Ia sair de casa de carro, andar 5m na água suja - dentro do carro -, mas não queria sujar o veículo! Fala sério. Imagina se eu consegui controlar minha raiva e meu estress... Tentei, em prol do bebê. Mas armei um barraco com a secretária e consegui ser agendada para o mesmo dia, no primeiro horário da médica da tarde. Ah, se eu não conseguisse...

Fui, ansiosíssima, para a clínica na hora do almoço. Doida para ligar para os meus amigos que ainda não sabiam da novidade depois da ultra!! A médica não demorou a chegar.

Gente, que coisa mais minúscula!!! Sem exagero, no dia da ultra - porque agora já deve estar maior - media 3mm!! Tem ideia?! E mesmo assim, já estava lá seu coraçãozinho batendo a 112 batidas por minuto. Coisa fofa!! Minhas amigas perguntaram se eu chorei, mas eu acho que sou igual à minha mãe para essas coisas... só choro quando vejo alguém chorando ou quando estou triste. Felicidade para mim é sinônimo de euforia e risos! Fiquei que nem uma boba sorrindo na sala, sozinha com a médica, já que o Igor estava viajando e não pôde ir comigo lá!

E o que aconteceu?! Na hora que eu estava na ultra meu celular pifou! Meu sogro, minha sogra, minha mãe...  e principalmente meus amigos que não sabiam da novidade... teriam que esperar!! Não consegui ligar para ninguém e foi assim até o final da semana.

Logo após a ultra, marquei uma nova consulta com o obstetra para essa semana, quinta-feira. A ultra foi feita na terça. Agora já estou com 7 semanas. O tempo até que está passando rápido. Parece que foi ontem que descobri a gravidez!!

Olha a foto da ultra, gente! Tá vendo a bolinha branca dentro da bolinha preta? É nosso baby!!! :) Ali embaixo também!! Foi naquela imagem que eu vi o coraçãozinho batendo!!



O operacional do teste de farmácia e do exame de sangue

É tanta coisa para falar, que eu nem sei por onde começar. Principalmente porque os três últimos dias, quando olho para trás, parecem ser uma eternidade! Na verdade, a jornada começa antes disso! Na quinta-feira, depois de três dias de menstruação atrasada, comecei a pensar sobre a possibilidade de estar grávida. Desde então, minha vida mudou. Na sexta não consegui nem correr, como estava fazendo todos os dias desde que voltei do carnaval. Estava muito cansada, fui direto para casa e fiquei com insônia, apesar de todo o sono no ônibus. Não conseguia parar de pensar na possibilidade: pensei em nós dois contando a notícia para os pais dele, para a minha mãe, para o meu pai, para o meu irmão, para os amigos; pensei em como seria no trabalho; na creche ou na babá; pensei se seria menino ou menina e nas compras que nós faríamos no exterior... Uma vida inteira passou pela minha cabeça! E por isso mesmo eu não queria fazer o teste! Não queria estar sozinha caso desse negativo. Ficaria muito triste! Queria que o Igor estivesse aqui comigo na hora! Tanto pela alegria do positivo, quanto pela tristeza do negativo!

E minha ansiedade só terminou quando ele chegou, no domingo de manhã. Sábado liguei para a Fê e dei sorte: ela estava indo para o shopping bater perna. Precisava sair de casa! Para qualquer coisa, mas não podia ficar com a mente livre! É claro que eu queria muito dividir minha angústia com ela! Mas como? Se desse negativo, seria mais uma pessoa que ficaria desanimada! Não... eu queria esperar e só contar para qualquer outra pessoa quando tivéssemos certeza! Mais tarde fui ao encontro da Aline e do Luismar, meus cunhados, que estavam com o irmão da Aline, a cunhada e o sobrinho! Fomos comer algo. E não é que começa o assunto gravidez? Mais uma vez, uma angústia danada, ansiedade a mil, mas eu não podia falar! Ainda não.

No domingo de manhã o Igor chegou, fui buscá-lo perto do aeroporto, mas por causa de falhas na comunicação, começamos a discutir quando ele entrou no carro, por besteira! Mas meus nervos estavam a mil, eu estava ansiosa e - sem saber - já com os hormônios borbulhando! Entramos na farmácia com cara emburrada, nem parecia que estávamos a alguns minutos da melhor notícia de nossas vidas!

Estávamos indo para casa da minha sogra, para almoçar com os pais do Igor, com o Luismar e a Aline. Chegamos lá ainda cedo e logo quebramos o clima da briga quando eu comecei a contar para a tia Lucimar que o Igor estava irritado por besteira. Sem falar para ninguém - só para o Igor - fui para o banheiro fazer o teste da farmácia.

No primeiro minuto as duas listras já apareceram... não é maravilhoso? Eu dei um grito: Igor!!!! Vem cá!!! Ele entrou no banheiro e eu mostrei para ele. Estava tremendo! Ele olhou para mim com aquele sorriso no rosto e pronto! Ainda esperamos alguns minutos para garantir que era isso mesmo, mas não tinha erro. Estava ali o resultado!


Combinamos de não contar enquanto não fizéssemos o exame de sangue, mas não aguentamos. Em alguns minutos meus pais, seus pais e nossos irmãos já sabiam! E foi só alegria! À tarde, em mais uma crise de ansiedade, quis fazer outro teste, só para ter certeza. Fiz, e adivinha? É claro... o mesmo resultado. No dia seguinte fizemos o exame de sangue só para confirmar e estava lá. Liguei para minha médica e ela confirmou meu resultado. Mas descobri o que nunca tinha me atentado: ela não é obstetra. Nem ela, nem minha médica da Barra. Primeira missão: conseguir um obstetra.

ps. Minha prima, que está terminando a faculdade de Farmácia, me disse uma vez que não existe falso-positivo. Se o exame encontra o hormônio ali, é porque ele está ali. O falso negativo pode existir, porque o hormônio pode não ser identificado ainda na urina.

ps. Descobrimos a gravidez no domingo, dia 17 de abril, com exatas cinco semanas de gravidez! Mas publiquei este post só agora porque estava tentando encontrar um nome para o blog!