22 setembro 2016

mais do mesmo (aquele mesmo que a gente ama)

A vida tem andado tão agitada aqui em casa desde que Lulu nasceu... Injusto... desde que Luquinha nasceu! E com a chegada da Lulu, tudo ficou ainda mais agitado! Igor tem ficado bastante em casa e desde o início de setembro ele está de férias. Então, não paramos. Estamos sempre fazendo alguma coisa! Já fomos para Búzios, Macaé, Santos e pro Beto Carrero... Ainda temos algumas semanas juntos em casa e os planos não param. Além de mim e do Igor que estamos tendo a chance de viver os filhos, a casa e o casamento com uma super intensidade, Luquinha e Lulu também estão tirando proveito da temporada, já que têm os pais juintos por perto todos os dias.

Eu estou amando, é claro! Embora esteja com saudade do trabalho e ansiosa para o meu retorno, que acontece em menos de um mês. Estar em casa é bom também e estou aproveitando cada segundo que tenho com eles. Lulu continua mamando exclusivamente no peito, nunca tendo experimentado outra coisa. Vamos conseguir chegar aos cinco meses assim e, por mais que a meta ideal seja de seis meses, eu já estou feliz de ter conseguido chegar até aqui com tanto êxito! Com a proximidade do meu retorno ao trabalho, provavelmente na próxima semana ela começa a comer frutinhas.

Mas sabe o que? Uma das principais diferenças da primeira experiência com a segunda é que estamos, tanto eu quanto o Igor, mais desencanados! Vai comer frutinha com cinco meses?! Tudo bem! Se eu conseguir tirar leite para ela mamar até os seis meses, ótimo, vai ser lindo! Se eu não conseguir, tudo bem! Sem encanar, curtindo cada momento, cada fase, cada segundo.

Já sabemos como esses primeiros anos (e provavelmente todos os próximos, pro resto de nossas vidas) passam rápido. E o que fica na memória? Aqueles sorrisos, aquelas gargalhadas, o choro consolado com um abraço, a primeira vez que sentou/engatinhou/andou... <3 São tantas coisas boas!!!

O mundo está passando por tantas mudanças e algo que consigo tirar disso tudo é que temos que valorizar os pequenos momentos, os mais simples, com as pessoas que amamos. E isso sempre fazemos com seriedade. <3 <3 <3

















20 setembro 2016

sobre os hábitos que a gente não quer desapegar nunca


Das mil e uma coisas boas de ser mãe, tem duas que tenho um carinho especial:

brincar com as crianças;
ler para elas.

Luquinha sabe que eu não gosto de brincar de boneco, mas se é batalha tudo bem. Batalha é uma brincadeira que fazemos juntos, reunindo todos os seus bonecos, tirando par ou ímpar e escolhendo cada um seus soldados e suas armas. Depois disso, organizamos cada equipe do seu lado e batalhamos, escolhendo quem é o combatente da vez e qual arma ele usará. Os brinquedos mais infantis não participam, só assistem ou ficam separados com um adulto cuidando deles (geralmente o super-homem ou outro super-herói). Os infantis que quero dizer são: os cachorros da Patrulha Canina, a Peppa e sua turma, a Branca de Neve e os Sete Anões, o Yoshi e o Super Mario etc.

Às veeeezes eu até brinco de boneco, mas só por um tempinho, depois passamos logo para vôlei, futebol ou jogos. Nós amaaaamos jogos! Os que mais gostamos são o jogo da memória e quebra-cabeça. Luquinha aprendeu recentemente a brincar de Dorminhoco, que também é muito divertido, embora ainda seja difícil dele vencer porque está seeeempre não prestando atenção no jogo rs

Na licença-maternidade da Lulu estamos podendo brincar sem cronômetro, mas no dia a dia do trabalho eu acabo destinando uns 20 ou 30 minutos para isso, já que chego tarde e ele tem que dormir cedo porque acorda cedo no dia seguinte. Mas mesmo quando é assim, ele ama! E sente falta quando não acontece.

Não sei como vai ser na minha volta ao trabalho dessa vez. São atenções diferentes que Lulu e Luquinha precisam e eu vou precisar administrar. Mas uma coisa é certa: não abro mão, nem da brincadeira, nem da leitura.

Sobre isso, os livros que eu mais gosto de ler para o Luquinha são Rinocerontes não comem panquecas e Chapeuzinho Amarelo. Mas os que ele mais gosta que eu leia são João e o pé de feijão e Procurando Nemo. O primeiro porque ele gosta mesmo da história e o segundo porque é longa a história e assim demora mais para a hora de dormir. <3

19 setembro 2016

Férias: Beto Carrero e Balneário de Camboriú


Na última quarta-feira partimos, nós quatro, para Floripa, rumo ao Beto Carrero. Alugamos um carro e fomos para Balneário de Camboriú, onde nos hospedamos. Como só íamos para o parque na quinta e sexta, aproveitamos um diazinho de passeio na cidade, que tem um programa super legal: o Parque Unipraias. Você pega um teleférico na ponta direita da praia principal, sobe, sobe, sobe até não poder mais (no fim da subida eu já estava muda, morrendo de medo, pendurada naquele bonde) e lá de cima tem mirantes com vistas lindas da cidade! Brincamos num carrinho de velocidade igual ao que tinha em Canela-RS, Igor desceu até a próxima praia (Laranjeira, se eu não me engano) numa tirolesa radical, altíssima (eu não tive coragem kkk) e fomos ao seu encontro de teleférico também.


Quinta e sexta foram dias de curtir o Beto Carrero! Demos sorte porque a altura do Luquinha medida por eles foi de 111cm. Se fosse menor que 110, ele não poderia ir em quase brinquedo nenhum. Minha dica: se você não tem a oportunidade de ir ao parque sempre, espere até que a criança tenha pelo menos essa altura. Porque os brinquedos para altura abaixo dessa são aqueles para bebês (carrossel, aviãozinho que sobe e desce etc.). Depois de 1,20m melhora ainda mais e depois de 1,35 pode ir em quase todos. 


Os que o Luquinha mais gostou: montanha-russa e aquela xícara que roda e você pode rodá-la ainda mais com suas próprias mãos. Tem vários brinquedos para adultos, mas como nossa prioridade era levar o Luquinha em todos brinquedos possíveis para a idade e tamanho dele, eu e Igor só fomos em um de adulto. Eu, na Big Tower, aquela torre que despenca em queda livre. Nem acreditei que tive coragem de ir! E Igor na montanha-russa.

Os shows também são muito legais! Os que mais gostamos foi o Velozes e Furiosos. A apresentação é realmente de tirar o fôlego. O show do Madagascar também é bacana, linda de ver. E o do Beto Carrero, que acontece quando os brinquedos param, no fim do dia, é muito legal também. Um teatro de uma hora. Há mais shows, mas esses foram os que assistimos. 

É importante se programar também para conhecer e tirar foto com os personagens. Conhecemos o Kung Fu Panda e o Shrek e sua turma. O Luquinha preferiu curtir mais brinquedos a tirar foto com os personagens do Madagascar (acho que porque já tínhamos visto o show e foi o suficiente para ele).

 

Como escolhemos o hotel Sempre fazemos o mesmo processo: procuramos no booking, pesando avaliação, localização e melhor preço e depois entramos no Trip Advisor para ver as fotos e o que as pessoas estão falando sobre o local. Escolhemos o Hotel das Américas e gostamos muito! O atendimento foi impecável! Todo mundo feliz e simpático sempre! Tem uma piscina aquecida no terraço, que Luquinha aproveitou bastante! E tinha estacionamento para o carro que alugamos em Florianópolis. O site do aluguel de carros onde sempre encontramos o melhor preço é o Rental Cars.

Lulu viveu a experiência de ir na roda-gigante, no Carrossel e no trenzinho que passa por vários lugares legais (parece simples, mas vale muito a pena esse brinquedo... a dica é chegar umas 10h/10h10 para pegar o primeiro trem, que sai 10h30. Depois sai de meia em meia hora e a fila fica maior.

Ah, uma parte muito bacana é o zoológico! Tem elefante, girafa, leão, leoa, tigre e vários outros animais menores! Luquinha adorou essa parte também. Fomos nos dois dias. 

Há vários brinquedos que você paga a parte. Um que achamos que valeu a pena e investimos, foi o brinquedão que fica dentro do zoológico, pois é um momento que os pais podem tomar um café e descansar enquanto a criança brinca ali (porque haja energia! a disposição do Luquinha só acabava quando estávamos no carro, voltando pro hotel).

O que não vale a pena Ver criança sofrer! Tentamos assistir o show da Monga, a mulher macaco. Para as crianças é apavorante. Luquinha começou a chorar de soluçar, antes mesmo dela aparecer. Não é bacana. Saí do espetáculo com o coração partido de ter deixado ele viver aqueles minutos de terror. Ele ficou realmente apavorado com a sala completamente escura e aquela voz narrando coisas assustadoras. Ele chorou realmente sentido. Ainda bem que consegui sair antes dela aparecer, porque tenho certeza que a imagem ia demorar pra sair do seu pensamento.

Foi uma viagem inesquecível!

17 setembro 2016

Amamentação x sono

A maternidade deixa a gente meio doida... Antes de mais nada, alguns ditados:

"Em time que está ganhando não se mexe." "Não se deve comemorar antes da vitória."

Ditados ditos, vamos à questão: Lulu passou do bebê que dorme a noite toda para o bebê que acorda de duas em duas horas na madruga.


Para ser justa, a primeira dormida longa é de cinco a seis horas seguidas. Depois, passa a ser de 2 em 2. Como ela vai dormir cedo, por volta das 20h, isso significa que ela tem acordado todo santo dia por volta das duas da manhã, quatro da manhã e seis da manhã. Na hora do 'vamo ve' a gente chora, fala palavrão, fica P da vida... Mas quando está de manhã, ela sorrindo pra mim, eu sorrindo pra ela, ela fala agaaaaaa, eu falo abaaaaa... penso no assunto, tenho a sensação de estar vivendo a #maternidadereal que todo mundo tanto fala e me vem uma explosão de felicidade.

Luquinha sempre foi um bebê calmo e tranquilo. Quando as pessoas falavam que seus bebês acordavam várias vezes à noite, eu ficava até sem graça de dizer que ele dormia a noite inteira. Parecia que eu estava inventando ou que estava querendo tirar vantagem. E foi ótimo!!! Foi ótimo viver a experiência de uma maternidade calma. Luquinha não deu trabalho pra nada praticamente! Foi fácil dormir, foi fácil pegar chupeta, tirar chupeta, tirar fralda... Tudo.

E agora, é como se eu estivesse experimentando a maternidade como todas as outras mães experimentaram. No fundo, no fundo (às vezes bemmmmmm lá no fundo hahahahaha), tô amandoooo. É bom poder dizer "eu sei o que você está vivendo porque vivo isso também", do fundo do coração. Mucho loko, né não?! Hahahahahaha Acho que a falta de sono está me causando sérios problemas mentais. O que acontece também é que aos quatro meses Luquinha passou a mamar totalmente leite de fórmula e isso, sem dúvida alguma, ajudava no sono dele, pois estava sempre com a barriguinha cheia. Já Lulu não. Ela mama ainda exclusivamente no peito e muitas vezes faz mamadas curtas,
em intervalos menores de tempo. É meio que impossível controlar o sono sem intervir na amamentação.

Falta tão pouco pra gente introduzir os alimentos, pra eu voltar a trabalhar e sentir falta dela acordando de madrugada para mamar... que seja assim, então! Que ela continue acordando porque eu me conheço. Sei que vou sentir saudade desse tempo no momento exato que ele deixar de acontecer.

Vamos ser #mãezumbi, sim! Vamos reclamar do sono, sim! Vamos amar amamentar, sim! E vamos viver cada um desses sentimentos com a intensidade que eles merecem ser vividos. Amém! <3

01 setembro 2016

Olimpíadas Rio 2016

Primeiro...

Eu estava super animada com a possibilidade de levar o Luquinha nos jogos das Olimpíadas Rio 2016! Pensar que um evento tão grande e importante aconteceria aqui na nossa cidade, do nosso ladinho! Pensar que quando eu era criança acompanhava tudo que a TV podia nos proporcionar com a cobertura limitada dos tempos pré-internet. Pensar que mesmo assim, vibrávamos tanto com as equipes de vôlei, com os ginastas, com a natação... Pensar que isso motivava a gente a ir pra rua soltar toda aquela energia boa de criança tem, queríamos nada, andar de bicicleta, correr, brincar de taco.

Então...

Começaram a falar em atentado, em terrorismo, Estado Islâmico, grupos extremistas, delegações europeias em foco, desmantelaram planos, como se não bastasse o terrorismo que vivemos no Rio de Janeiro todo dia. E aí eu resolvi que não queria, não queria colocar o Luquinha em situação de risco não queria que os mais assustados me dissessem "eu avisei".

Aí...

Decidimos viajar na primeira semana de férias, que seria também a primeira semana das Olimpíadas. Fomos nós quatro para a casa da minha mãe com a minha sogra e Nanda, e encontramos minha tia e Dada lá. Para o Luquinha não tinha muita diferença, ele queria se divertir! Para Lulu, menos ainda. Tendo mama, ela estaria bem em qualquer lugar. :) E foi divertido mesmo! Luquinha brincou muito com as Nandas e nós relaxamos um pouco.

Só que...

No meio da semana, o Rafa ligou dizendo que tinha ganhado três ingressos para um jogo de handball feminino na sexta à noite, e queria nos dar. Primeiro, hesitamos, pois a minha mãe só poderia ficar conosco no fim de semana. Mas ela achou o máximo, disse que tínhamos que ir, aproveitar a oportunidade. E foi o que fizemos!

No dia do jogo..

Igor deixou eu, Lulu, Luquinha e tio Luiz no aeroporto para pegarmos o BRT. Era sexta e foi bem no horário que as pessoas estavam saindo do trabalho. O ônibus estava lotado, tio Luiz não conseguia nem se mexer, mas deram o lugar para eu sentar com Luiza e Luquinha. Fomos apertadinhos nós três até a estação de Vicente de Carvalho, onde tivemos que descer, atravessar uma passarela, atravessar a rua e entrar de novo na estação de BRT, onde pegamos um ônibus mais vazio. Chegando no Centro Olímpico, entre o Rio Centro e o Parque Olímpico, fomos informados que tinha um ônibus para gestantes, pessoas com crianças de colo, idosos e pessoas com necessidades especiais, que nos deixaria justamente em frente à entrada.

Adoramos tudo! Evento organizado, pessoas educadas, tudo lindo, tudo funcionando! Luquinha torceu e vibrou durante o jogo, que era Rússia x Argentina. Luquinha torceu pelas russas, eu achei que era mais prudente e sensato torcer pelas argentinas. As russas ganharam. Luquinha ganhou o Ginga, mascote da torcida brasileira. E Lulu foi um anjo durante todo o tempo! Dormia, acordava e mamava, dormia, acordava e mamava. Levamos o carrinho e o sling, ela usou os dois.

Na hora de ir embora, enfrentamos o único perrengue. Ter que fazer aquela caminhada em Vicente de Carvalho, 0h30. Mas deu tudo certo e fomos dormir todos felizes por ter tido a chance de fazer parte daquele momento.

E teve mais...

De presente de dia dos pais, comprei ingressos para irmos assistir uma luta de boxe, no espaço que o Rafa ajudou a construir. O Rafa, meu irmão, trabalhou nas Olimpíadas, ajudou a construir um monte de coisa. Entre elas, o pavilhão 6 do Rio Centro, onde aconteceram as lutas de boxe. Ficou lindo! E climatizado, com ar-condicionado. Fomos nós quatro, eu, Igor, Luquinha e Lulu. Mais uma vez, deu tudo certo e foi tudo divertido! Cansativo, como da primeira vez, mas divertido!

Mas não foram só os jogos...

Numa segunda-feira das férias, fomos com amigos no Boulevard Olímpico, no Centro. Caminhamos até o mural gigantesco (que entrou para o livro dos Recordes) e voltamos. Eles viram a pira olímpica, que ficou em frente à Candelária. Foi assim... meio programa de índio. kkkk Estava lotado, muito cheio, andamos em procissão o tempo todo e gritando com as crianças para ninguém se perder. Mas eles nem perceberam a tensão e, para eles, foi divertidíssimo. A começar pelo passeio de barca, transporte que nos levou na ida e na volta.

Num fim de semana, fomos eu, Lulu, Luquinha e minha mãe na Casa Suiça, uma das muitas casas de países que se espalharam pela cidade. Ele se esbaldou numa pista de corrida para as crianças e adorou ver a "neve" em bolinhas de isopor que eles construíram. Estava muito legal e vai ficar até setembro! É um lugar que queremos voltar com certeza!

E não para por aí...

Luquinha torceu em inúmeros jogos e competições que assistimos pela TV. Vibrou em cada ouro quer Usain Bolt ganhou. Vibrou com os meninos e meninas do vôlei de praia e de quadra. Nós também! Vimos diversos dos ouros ganhos pelo Brasil, acho que todos. E ficamos felizes, orgulhosos, satisfeitos em ver tudo dando tão certo!

Tem mais...

Vamos curtir também as paralimpíadas! Já estamos com os ingressos nas mãos e vai ser muito, muito legal!!! <3

Luquinha e Lulu no handball RUS X ARG, vitória da Rússia

Ficamos uns 30 minutos na fila pra tirar essa foto, mas valeu. Ficou linda! No Parque Olímpico!

Tipo de programa que só mãe e vó fazem! Ficamos mais de duas horas na fila pra ele ver a neve de mentira na Casa Suiça. Valeu a pena cada segundo, pois o espaço estava o máximo e Luquinha brincou a beça enquanto eu e minha mãe revezamos na fila!

Vovô também encarou o desafio de dois BRTs pra ir e dois pra voltar para nos acompanhar no dia do handball. Foi muito legal!!!

Já quase na neve, na Casa Suiça!

No Boulevard Olímpico com os amigos!!! <3

25 julho 2016

Resuminho em #5 atos

Viajamos semana passada e tem tanta coisa que eu queria contar aqui no blog...

Coisa #1 
Luquinha esteve bastante sensível nas últimas semanas porque Igor estava trabalhando muito e quando ficamos só nós três em casa, eu, Luquinha e Lulu, acabo tendo que cuidar mais dela, sem poder dar a atenção que ele precisa. Logo que percebi que ele estava assim, sabia o motivo. Conversei com Igor, dizendo que não podíamos dividir assim: ele cuida do Luquinha e eu da Luiza. A única coisa que ele não pode fazer é dar mama, o resto pode tudo. Passamos a dividir, então, de forma que nós dois pudéssemos interagir com Luquinha. Além disso, comecei a levar a sério mesmo o nosso tempo juntos, só nosso, meu e do Luquinha. Além disso II, a viagem veio a calhar. Longe de casa, tanto eu quanto o Igor conseguimos focar quase toda nossa atenção nele e em apenas alguns dias tudo voltou ao normal. Celebramos que o nosso Luquinha feliz, risonho e que faz piada o tempo todo voltou! Ele achou graça da nossa brincadeira e reforçamos algumas vezes o quanto estávamos felizes de ter nosso Luquinha de volta. rs



Coisa #2
Lulu está uma fofinha! Está dormindo a noite inteira (há mais de um mês já) e há dois dias eu tirei o Swaddle, já antecipando o que sabia que hora ou outra teria que acontecer porque ele começa a não ser bacana para o bebê quando o bebê está preparado para novas aventuras se mexendo mais. Achei que ela fosse acordar bastante durante a noite, mas essas duas primeiras noites foram tranquilas. O experimento de hoje é que a coloquei para dormir no quarto dela (e do Luquinha). Como comecei hoje, não sei ainda qual será a melhor forma. Mas o que fiz foi: avisei ao Luquinha cada passo do que estaria para acontecer na rotina de sono dela, fiz ela dormir, vim para a sala terminar de ver um filme com ele, que a essa altura já estava alimentado e de dente escovado e xixi feito. Li duas histórias, ainda na sala, rezamos e só o levei para o quarto na hora de dormir mesmo. Ele já estava bastante cansado, e dormiu rápido. São quase 22h e ela continua dormindo bem. Depois conto mais, se der certo (e se der errado também rs).


Coisa #3
Tenho mais dois meses em casa, antes de voltar a trabalhar. Acho que minha ansiedade é relacionada a isso. Quero que tudo esteja confortável para eles dois quando eu voltar. Não só em termos de alimentação, mas em relação aos brinquedos e brincadeiras, em relação ao nosso momento juntos. Desde que eu voltei da licença-maternidade do Luquinha faço questão de manter um tempo de nós dois. De manhã, sou eu quem faz tudo com ele antes da escola. De noite, também faço questão de termos uma rotina. E isso não vai mudar com ela. Quero continuar fazendo o mesmo. Sei que é cansativo, mas é indescritível como vale a pena.


Coisa #4
A viagem foi muito, muito legal! Passamos uma semana em Búzios, nós quatro. Encontramos também a vovó Helena (minha mãe) e passamos um tempo com ela em Macaé. Curto, mas de qualidade. Em Búzios, jogamos bola, brincamos no parquinho, Luquinha jogou bastante vídeo-game porque o tempo estava frio e não podíamos ir para a praia nem para brincar na areia porque estava ventando muito. Demos sorte de um dia esquentar e ter sol e nós estarmos perto da praia justamente nesse momento. Ele curtiu, foi ótimo. Comemos muito bem em lugares que já amamos e em lugares novos que certamente passarão a fazer parte da nossa rotina na cidade. Aliás... essa é a Coisa #5...



Coisa #5
Tradição. Amo! Acho que Igor e Luquinha também e possivelmente Lulu passará a amar. Temos nossos costumes... Em Búzios, temos um roteiro pronto, que fazemos sempre. Não me entendam mal, também gostamos de sair da rotina, tanto que conhecemos alguns lugares novos que amamos dessa vez. E eles passarão a fazer parte do nosso roteiro tradicional. rs Aqui em casa, por exemplo, já tem algum tempo que reunimos nossas famílias para datas como dia dos pais e dia das mães. ;) E desde que comecei a fazer a torta de maçã, sinto que ela é uma grande candidata a fazer parte das nossas tradições. Todas as vezes que fiz ela ficou deliciosa. Não tem como não fazer.... rs


É isso. Vou dormir, estou muito cansada. São quase 23h e eu tenho que aproveitar que meus pequenos estão dormindo. Desde que Lulu nasceu, todos os nossos dias são agitados. kkkk

06 julho 2016

Das coisas que não vão para as redes sociais


Eu sempre digo... Facebook é onde as pessoas expressam seus piores sentimentos, Instagram, os melhores. Eu não curto reclamar da vida no Facebook. Na verdade, em nenhum lugar. Quem me acompanha pelas redes sociais deve achar que:

a. Eu minto. Porque não é possível que eu tenha todo esse tempo e bom humor com duas crianças em casa.
b. Minha vida é muito tranquila, mesmo com duas crianças em casa.

Mas, na verdade, não é nem um nem outro. Eu não acho que minha vida seja complicada, ou que esteja complicada nesse momento, estando em casa, com duas crianças. Mas também não é nem um pouco tranquila. Quem me acompanha, vê eu brincando com Luquinha, fazendo graça com a Lulu, vendo séries e mais séries de TV, malhando, passeando... E não vê uma série de coisas que fazem parte do meu dia a dia, como:

- arrumo a casa o dia inteiro. É incrível como num piscar de olhos tudo está bagunçado de novo. De onde vem tanta bagunça? É na sala, no corredor, na cozinha, nos banheiros, no meu quarto, no quarto deles... Tudo bagunçado o tempo todo. E eu tentando deixar tudo arrumado o tempo todo;

- Lulu passando a maior parte do tempo que está acordada no meu colo. São mais de cinco quilos, minhas costas já não aguentam tanto como antigamente. Ela não curte um carrinho, não curte uma cadeirinha e, apesar de estar dormindo a noite toda, tem ficado acordada muitas horas por dia, só tornando esse aconchego mais cansativo. Eu, que decidi que se ela quer colo terá colo, estou segurando as consequências. Eu amo! Mas que é cansativo, é;

- Trocas de fralda com direito a várias roupas sujas com as bombas que Lulu faz, quarto com cheiro de cocô de bebê, banheiro que não fica limpo nunca;

- Eu não paro um segundo: acordo, dou mama, coloco para arrotar, faço dormir, acordo o Luquinha, dou a vacina dele, faço seu café da manhã, assisto desenho com ele, arrumo a mochila, levo na escola, volto, dou mama, coloco para arrotar, coloco no carrinho, tento tomar café da manhã sem ser interrompida (e repito essa parte durante o dia inteiro), pego Luquinha, dou o almoço (marido adianta cozinhando o almoço, que eu só preciso esquentar), escovo os dentes dele, deixo brincar um pouco, faço dormir, acordo, dou mama, não coloco para arrotar porque tenho que acordar Luquinha e arruma-lo para a atividade física, volto para casa, dou mama, não coloco para arrotar porque tenho que dar banho e janta do Luquinha, dou mama de novo, assisto desenho com Luquinha, faço leite, escovo os dentes dele e coloco para dormir.

A verdade é que parece muita coisa. E é. Até porque sempre tem algum imprevisto, como essa semana que ele está com bronquite e não está indo para a escola. Eu dormi dois dias com ele em seu quarto para acompanhar sua respiração enquanto dormia. Então altera toda a rotina. Mas eu sou muito tranquila. Eu acho tudo isso muito tranquilo. Eu tenho noção de que é muita coisa, eu sei que é cansativo. Meu corpo sente. É só o Igor chegar do trabalho que eu desabo de cansaço, estou exausta. Mas enquanto estou ali, na batalha da rotina, nem sinto.

Acho que algumas coisas me fortalecem. No dia a dia:

- nunca estou de mau-humor;
- digo muito mais sim do que não;
- sempre considero que as coisas estão mais tranquilas do que elas de fato estão.

Se alguém me perguntasse quais são os meus segredos para ter essa vida "tranquila", eu diria que são esses acima. Sou assim no trabalho também e sempre colhi bons frutos por isso.

E, além disso tudo, não vejo porquê compartilhar nas redes sociais as dificuldades do dia a dia. Já é tudo tão difícil, já está tudo tão complicado, que eu tenho a impressão que as pessoas só gostam de ver mesmo a parte boa... ;)